Problemas Ambientais Rurais e Mudanças Sócio-Técnicas: A trajetória da piscicultura orgânica em SC

Fert Neto,$space}João
PPGICH, UFSC
fevereiro, 2001
 

Resumo

Este estudo analisa o processo de emergência de problemas ambientais rurais e como estes podem provocar mudanças sócio-técnicas em programas de desenvolvimento rural e em atividades produtivas agrícolas. O estudo focaliza a trajetória da piscicultura orgânica em Santa Catarina e o desenrolar de um conflito entre ambientalistas, técnicos e produtores sobre a viabilidade ambiental da produção consorciada de peixes com suínos, bem como a mobilização de uma série de atores e um questionamento às visões sobre meio ambiente do Projeto Microbacias/BIRD. Analisa-se o papel do Banco Mundial como mediador na busca de soluções para este conflito e como, através de diversos desdobramentos e negociações, problemas ambientais foram institucionalizados e legitimados, passando a piscicultura a assumir uma perspectiva sustentável. A abordagem teórico-metodológica do estudo parte da sociologia ambiental, na sua vertente construtivista, e da Teoria do Ator-rede. A análise é feita a partir da noção de redes sócio-técnicas, através da qual procura-se compreender o meio ambiente, a tecnologia e a sociedade como resultado de processos socialmente construídos e heterogêneos. Conclui-se pela importância de negociações e mediações na busca de soluções para problemas ambientais e pela necessidade de se analisar esses processos como resultado de mudanças sócio-técnicas de caráter híbrido.