Políticas Editoriais

Foco e Escopo

Esboços: histórias em contextos globais tem como principal objetivo contribuir para o debate em torno da História Global. Nesse sentido, a revista publica artigos, entrevistas e resenhas que fomentem a reflexão em torno das abordagens transculturais, das múltiplas integrações, das histórias conectadas, transnacionais, comparadas, marítimas, do sistema mundo, dos processos em micro e macro escala, entre outros enfoques próprios da História Global. A revista Esboços é uma iniciativa do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Santa Catarina.

 

Políticas de Seção

Artigo

Esta seção publica artigos inéditos e originais sobre temas que contribuam para o debate em torno dos estudos transculturais, das múltiplas integrações, das histórias conectadas, transnacionais, comparadas, marítimas, do sistema mundo, dos processos em micro e macro escala, entre outras abordagens próprias da História Global. Frequentemente, a revista lança chamadas para artigos a serem publicados em dossiês e debates temáticos. No ato da submissão, os autores devem indicar se os textos se destinam ou não a serem publicados em algum dos dossiês ou debates com chamada em aberto. Os artigos submetidos devem conter entre 35 mil e 58 mil caracteres com espaço, incluindo as referências bibliográficas, notas e tabelas. Esporadicamente, a critério do Conselho Executivo, artigos já publicados em outras línguas são traduzidos para o português.

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Entrevista

Esta seção publica entrevistas com nomes de destaque nas temáticas da revista. As entrevistas devem ter entre 27 mil e 54 mil caracteres com espaço e contar com um texto introdutório acerca do entrevistado.

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Resenha

Esta seção publica resenhas de livros que tenham sido publicados, no máximo, há três anos ou então títulos há muito esgotados e com reedição recente. A resenha deverá ter, no máximo, 25 mil caracteres com espaço, incluindo as referências bibliográficas e notas. Recomenda-se que as resenhas apresentem uma avaliação crítica do trabalho à luz da literatura previamente existente sobre o tema.

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares
 

Processo de Avaliação pelos Pares

Avaliação inicial

Todas as submissões recebidas passam por duas análises prévias. A primeira delas é feita pelo Editor Chefe que confere se estão de acordo com as “Diretrizes para os autores”. Submissões que não estiverem conforme as especificações das normas da revista serão recusadas e arquivadas. A segunda análise prévia é realizada pelos Editores de Seção, que, em apreciação preliminar, verificam se a submissão está de acordo com o “Foco e Escopo” bem como o tratamento da temática abordada, clareza da redação e concordância com as propostas da revista. Nessa etapa, a submissão também pode ser recusada e arquivada caso não cumpra algum dos requisitos acima descritos.

Avaliação cega por pares

Uma vez aceita na pré-seleção, a submissão será encaminhada para parecerista.

Cada artigo será encaminhado a dois pareceristas especialistas no tema abordado, de preferência um parecerista da área do artigo e outro no aspecto teórico-metodológico. No caso de haver uma disparidade nos pareceres, será providenciado um terceiro parecerista.

Resenhas e entrevistas receberão um parecer.

O Conselho Executivo solicita aos pareceristas que avaliem as submissões em até 30 dias. A expectativa é que o processo de avaliação de uma submissão e a primeira decisão editorial sobre ela dure de três a quatro meses após o seu recebimento.

O parecerista, além de preencher o formulário de avaliação próprio da revista, deve indicar uma das quatro opções abaixo em sua avaliação:

- aprovado sem alteração;

- aprovado com alterações pontuais;

- aprovado após reformulação substantiva;

- rejeitado.

Ao Conselho Executivo fica reservado o direito de publicar ou não os textos enviados de acordo com a pertinência em relação à programação dos temas da revista.

Aceitação condicional

Se os pareceres forem favoráveis, o texto será aceito sob a condição de o autor tratar adequadamente as questões levantadas ou apresentar uma justificativa sólida e embasada que esclareça as eventuais discordâncias com o parecer enviado. A submissão deverá ser reapresentada, através do sistema, em, no máximo, 60 dias em caso de revisão substantiva e 30 dias no caso de revisão pontual. Todas as modificações realizadas devem estar em realce amarelo para facilitar a visualização das alterações. A segunda versão da submissão será conferida pelo parecerista e/ou pelo Editor de Seção responsável. Esse processo é feito para assegurar que as modificações sugeridas foram tratadas adequadamente. Estando de acordo com as alterações, o Editor de Seção opta pela publicação.

Rejeição e nova submissão

A rejeição pode ocorrer após a avaliação inicial, avaliação feita por pares, e também após a revisão e reapresentação do trabalho no prazo estipulado. No caso de artigos, se ambos os pareceristas indicarem a necessidade de uma revisão substancial, o trabalho será rejeitado. Se houver interesse do autor, o artigo poderá ser submetido novamente, desde que leve em consideração as orientações dadas nos pareceres. Nesse caso, o autor deverá informar nos "Comentários ao Editor" que se trata de nova versão de um artigo já avaliado pela revista.

 

Periodicidade

A revista Esboços: histórias em contextos globais tem formato exclusivamente eletrônico com periodicidade semestral.

A partir de 2019 as edições serão quadrimestrais. Os números referentes aos meses de janeiro a abril são publicados em janeiro. Os números referentes aos meses de maio a agosto são publicados em maio. Os números referentes aos meses de setembro a dezembro são publicados em setembro.

 

Política de Acesso Livre

Esta revista oferece acesso livre imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento.

 

Arquivamento

A Esboços: histórias em contextos globais se preocupa com o acesso ao conteúdo a longo prazo. Caso ocorra algum sinistro nos servidores, os arquivos digitais da revista estão preservados na Rede Cariniana, que utiliza o programa LOCKSS. O LOCKSS cria um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes, o qual permite que elas criem  arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração.

 

Estatísticas

Verifique quais são os artigos mais citados publicados na Esboços: histórias em contextos globais no Google Acadêmico - Clique aqui 

Acesse as estatísticas de acesso e visualizações da esboços através do Awstats (dados de julho de 2008 a junho de 2017) - Clique aqui

 

Política de antiplágio

Todas as submissões recebidas para avaliação na revista Esboços: histórias em contextos globais passarão por identificação de plágio e/ou autoplágio. Os autores devem garantir o ineditismo de suas contribuições e a correta citação de proposições que não sejam suas. De acordo com a política de antiplágio da revista, é possível que os autores recebam eventuais questionamentos durante o processo de avaliação. Caso o plágio seja comprovado, o manuscrito será devolvido ao autor.

 

Chamada para dossiê

Chamada para dossiê:  Toda História é História Conectada? A História Global e a crítica aos “internalismos metodológicos”

Organizadores: Alex Degan (UFSC) e Lindener Pareto Junior (PUC-Campinas)

Prazo para envio: 1 de fevereiro de 2019

Publicação: volume 26, número 42 (maio.-ago. de 2019)

A crescente bibliografia do campo da História Global elegeu como um de seus principais alvos o que foi definido como “internalismo metodológico”. Tal postura se basearia, segundo as críticas dos historiadores globais, na supervalorização dos fatores internos à unidade de análise escolhida para a explicação e interpretação dos processos históricos. As unidades de análise variam do Estado nação, base do recorrente “nacionalismo metodológico”, à comunidade étnica, civilização, império ou região, entre outras.

Em contraponto, críticos da História Global argumentam que a ênfase nas conexões e nos processos de integração acabam por criar histórias sem fronteiras, reiterando ideologias globalistas que apontam para a criação de uma “aldeia global”, integrada e harmônica, onde ideias, pessoas e bens circulariam em redes cambiantes de fluxos multiformes – ideologia particularmente artificial quando observada a partir do hemisfério sul. A defesa das unidades de análise tradicionais e de seus fatores internos (o Estado nação acima de todas) seria uma resistência à ideologia globalista subjacente à História Global, condenada desde a concepção.

As respostas dos historiadores globais são variadas, mas, no geral, apontam para a incorporação das fronteiras como parte fundamental dos processos de integração. Longe de eliminar as fronteiras em favor dos fluxos, os processos de integração e conexão também promoveriam a reconfiguração das fronteiras. Assim, a ênfase nas conexões reposiciona o problema das unidades de análise em outros termos: Estados nação, impérios ou comunidades étnicas definem seus contornos e limites em contextos mais amplos de contatos e interseções de fronteiras variadas. Não mais pressupostas, as fronteiras deixam de ser fundamento da historicidade para se tornar também componentes da problemática, discutidas em função de processos concretos que as ultrapassam, sendo ao mesmo tempo seus vetores.

A proposta desta chamada é convidar pesquisadoras e pesquisadores a refletir sobre a procedência da crítica ao “internalismo metodológico” produzido pela História Global. O tom provocador da questão – “Toda história é história conectada?” –, ao invés de apontar para uma resposta unívoca, procura desafiar a naturalidade na qual histórias “conectadas” e “desconectadas” se sustentam.

Todos os textos enviados serão submetidos ao sistema duplo-cego de avaliação por pares.

 

Regimento interno

Regimento Interno da Esboços: histórias em contextos globais - 2018