Tráfico interprovincial e comerciantes de escravos em Desterro (1849-1888).

Scheffer,$space}Rafael da Cunha
Programa de Pós Graduação em História, Universidade Federal de Santa Catarina
abril, 2006
 

Resumo

Analise do mercado de escravos em Desterro na segunda metade do século XIX, procurando calcular seu volume e formas de operação, e seu impacto na população cativa da capital catarinense. Pesquisa em fontes como anúncios de compra e venda de escravos, registros da movimentação do porto de Desterro, impostos sobre a comercialização de cativos, os registros de escravos nos livros de notas de cartórios, fontes judiciais e uma lista de eleitores de Desterro do ano de 1876. Através da pesquisa, percebeu-se como o mercado de cativos da capital catarinense esteve ligado ao nacional. A compra de escravos para a revenda no Sudeste ocorreu de forma constante em Desterro, tendo seu ápice na década de 1870. Cativos foram enviados em pequenos grupos, em geral para o Rio de Janeiro, através de linhas regulares de vapor. Diversos comerciantes locais se envolveram com este mercado, agindo como intermediários no tráfico interprovincial, mas em geral não se dedicaram exclusivamente a este negócio. A posição social e política desses comerciantes mostra o destaque que eles possuíam nesta sociedade, que não parece ter sofrido nenhum tipo de abalo por causa de sua participação no comércio de escravos.


Revista Esboços - ISSN da versão impressa 1414-722x (cessou em 2008) e ISSN eletrônico 2175-7976 - Florianópolis - SC - Brasil