Tecnologias desenvolvidas pelas instituições de ensino superior para idosos com deficiência

Hundra Prestes de Godoi, Juliana Balbinot Reis Girondi, Darla Lusia Ropelato Fernandez, Francisco Reis Tristão, Fernanda Rosa de Oliveira Pires, Jordelina Schier

Resumo


Introdução: Com o aumento do envelhecimento populacional e das Doenças Crônicas Não Transmissíveis é cada vez mais prevalente pessoas idosas com deficiência. Consoante, as instituições formadoras na área da saúde devem preparar os futuros profissionais para estas demandas desenvolvendo oportunidades de aprendizado e novas tecnologias de cuidado. Objetivo: investigar as tecnologias de cuidado ao idoso com deficiência nas Instituições de Ensino Superior (IES) que oferecem cursos na área da saúde na região da Grande Florianópolis/SC. Método: pesquisa mista exploratório-descritiva realizada com 26 coordenadores de cursos de saúde das IES da Grande Florianópolis/ de novembro/2016 a abril/2017. Os dados foram coletados mediante questionário estruturado e submetidos à análise temática de conteúdo de Minayo. Os resultados foram discutidos à luz da literatura pertinente. Resultados: dos atendimentos realizados 86% dos cursos o desenvolvem somente para idosos e 59% para idoso com deficiência. Quanto aos projetos de pesquisa e extensão 72,7% dos cursos realizam projetos para pessoas idosas e 50% especificamente para idosos com deficiência. No quesito atividades de lazer 23% dos coordenadores responderam que as realizam para o público idoso e 18% ao idoso com deficiência. Conclusões: a maioria dos cursos de graduação na área da saúde desenvolve tecnologias de cuidado relacionadas ao envelhecimento e deficiências, mas relacioná-los ao currículo, pesquisa e extensão ainda são incipientes, considerando a problemática populacional emergente no Brasil. 


Palavras-chave


Idoso; Pessoas com Deficiência; Tecnologia em Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


BASSOLI, Dyjalma Antonio. O coordenador de curso superior de instituições de ensino privadas: análise dos contributos políticos, gerenciais, acadêmicos e institucionais. 2014. 239 f. Tese (Doutorado) - Curso de Engenharia de Produção, Departamento de Engenharia de Produção, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2014. Disponível em: . Acesso em: 21 maio 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento. Brasília: Série B. Textos Básicos de Saúde, 2010a. 46 p. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2017.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Saúde da Pessoa com Deficiência. Brasília: MS, 2010b. 21 p. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2017.

______. Ministério da educação. Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação: Bacharelado e Licenciatura. Brasília: Ministério da Educação, 2010c. 21 p. Disponível em: . Acesso em: 21 maio 2017.

______. Departamento de atenção básica. Rede de Cuidado à Pessoa com Deficiência. 2012a. Disponível em: . Acesso em: 3 maio 2017.

______.Secretaria especial dos direitos da pessoa com deficiência. Viver sem Limite. Disponível em: . Acesso em: 07 maio 2017.

CAPELATO, Rodrigo et al (Org.). Mapa do Ensino Superior no Brasil. 5. ed. São Paulo: Assessoria Econômica do Semesp, 2015. 212 p. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2017.

GIRONDI, Juliana Balbinot Reis et al. A rede de atenção a saúde e de suporte social à pessoa idosa com deficiência na grande Florianópolis e as tecnologias de cuidado. Projeto Fapesc nº 07/2013. Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); Núcleo de Estudos da Terceira Idade (NETI/Florianópolis/SC), Florianópolis, SC, 2013, 63 p.

JANINI, Janaina Pinto; BESSLER, Danielle; VARGAS, Alessandra Barreto de. Educação em saúde e promoção da saúde: impacto na qualidade de vida do idoso. Saúde Debate, Rio de Janeiro, v. 39, n. 105, p.480-490, jun. 2015. Disponível em: . Acesso em: 23 maio 2017.

KOERICH, Magda Santos et al. Tecnologias de cuidado em saúde e enfermagem e suas perspectivas filosóficas. Texto e Contexto, Florianópolis, v. 15, n. 22, p.178-185, out. 2006. Disponível em: . Acesso em: 23 maio 2017.

MARTINS, Aline Blayaet al. Atenção Primária a Saúde voltada as necessidades dos idosos: da teoria à prática. Ciência & Saúde Coletiva, [s.l.], v. 19, n. 8, p.3403-3416, ago. 2014. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014198.13312013.

MARTINS, Leonam. Prevenção de doenças e promoção da saúde na terceira idade. 2016. Disponível em: . Acesso em: 23 maio 2017.

MERHY, E. E. et al. Em busca de ferramentas analisadoras das tecnologias em saúde: a informação e o dia a dia de um serviço, interrogando e gerindo trabalho m saúde. In Merhy, E. E. eOnocko R. (org.) Agir em saúde. Um desafio para o público, 2ª ed. São Paulo: UCITEC, 2002.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org.). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. 34. ed. Petrópolis: Vozes, 2015. 108 p.

NIETSCHE, Elisabeta Albertina et al. Tecnologias inovadoras do cuidado em enfermagem. Revista de Enfermagem da Ufsm, Santa Maria, v. 2, n. 1, p.182-189, abr. 2012. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2016.

RESENDE, M.C.; NERI, A.L. Envelhecer com deficiência física: possibilidades e limitações. IN: NERI, A.L. (ORG). Qualidade de vida na velhice: enfoque multidisciplinar. Campinas: Alínea, 2011. p. 231-250.

SANTA CATARINA. Governo do Estado de Santa Catarina. Secretaria Estadual de Saúde. O que é reabilitação. Disponível em: . Acesso em: 23 maio 2017.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-0221.2017v14n27p55



Extensio: R. Eletr. de Extensão, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1807-0221.