Efeitos de sentido em charges: um estudo sobre o politicamente correto

Autores

  • Reinaldo César Zanardi Universidade Estadual de Londrina
  • Rosemeri Passos Baltazar Machado Universidade Estadual de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8412.2018v15n3p3180

Palavras-chave:

Linguagem politicamente correta, Análise do discurso, Charge, Ideologia, Efeitos de sentido

Resumo

O comportamento politicamente correto surgiu nos Estados Unidos, como fruto do movimento de defesa dos direitos civis, potencializado pelo preconceito racial na sociedade norte-americana. No Brasil, esse comportamento conquistou adeptos, principalmente, a partir dos anos 1990. O movimento chegou à linguagem, propondo a mudança de unidades lexicais, substituindo palavras com carga semântica pejorativa por outras consideradas neutras ou positivas. Neste sentido, o objetivo deste trabalho é discutir o politicamente correto a partir do discurso, tendo como suporte teórico a análise de discurso de origem francesa. O corpus consiste em quatro charges de diferentes artistas. Como resultado, pode-se afirmar que o discurso politicamente correto, seja no comportamento seja na linguagem, está ligado intrinsecamente à formação ideológica, gerando efeitos de sentido diversos. O traço constitutivo predominante no corpus analisado é o político, a partir de uma atitude individual e/ou coletiva, com efeitos de sentidos variados.

Biografia do Autor

Reinaldo César Zanardi, Universidade Estadual de Londrina

Doutorando em Estudos da Linguagem. Mestre em Comunicação. Jornalista. Licenciatura plena em Língua Portuguesa. Professor Colaborador do Departamento de Comunicação da Universidade Estadual de Londrina.

Rosemeri Passos Baltazar Machado, Universidade Estadual de Londrina

Professora doutora do Departamento de Letras Vernáculas e Clássicas e do PPGEL - Programa de Pós Graduação em Estudos da Linguagem, da Universidade Estadual de Londrina.

Referências

ALTHUSSER, L. Ideologia e aparelhos ideológicos de Estado. Lisboa: Editorial Presença, Martins Fontes, 1980.

AMARILDO. Conceitos e preconceitos. 2013. Disponível em: < https://amarildocharge.wordpress.com/2013/10/23/conceitos-e-preconceitos/>. Acesso em: 25 jan. 2016.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

BRITTO, L. P. L. Língua e ideologia: a reprodução do preconceito. In: BAGNO, Marcos (Org.). Lingüística da norma. 2. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2004. p. 135-154.

CARRANZA. O natal politicamente correto. 2012. Disponível em: < https://abobrinhaecia.wordpress.com/2012/12/26/o-natal-politicamente-correto/>. Acesso em 25 jan. 2016.

CIPRIANO, P. Politicamente correto & direitos humanos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2004. Disponível em: <http://www.dhnet.org.br/dados/cartilhas/a_pdf_dht/cartilha_politicamente_correto.pdf>. Acesso em 15 fev. 2016.

FERREIRA, A. B. de H. Novo Dicionário Aurélio. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1975.

FIORIN, J. A linguagem politicamente correta. Linguasagem, São Paulo, v. 1, p. 1-4, 2008. Disponível em: <http://www.letras.ufscar.br/linguasagem/edicao01/artigos_alinguagempoliticamentecorreta.htm>. Acesso em: 30 jan. 2016.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. 3.ed. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

______. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

MACHADO, I. L. A ironia como estratégica comunicativa e argumentativa. Bakhtiniana, São Paulo, n. 9, p. 10-128, jan./jul. 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/bak/v9n1/08.pdf>. Acesso em: 25 nov. 2016.

MAINGUENEAU, D. Gênese dos discursos. Tradução de Sírio Possenti. Curitiba/PR: Criar Edições, 2005.

ORLANDI, E. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 12. ed. Campinas/SP: Pontes Editores, 2015.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução de Eni Orlandi et al. 5. ed. Campinas (SP): Editora da Unicamp, 2014.

POSSENTI, S. Os limites do discurso: ensaios sobre discurso e sujeito. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

______; BARONAS, R. L. A linguagem politicamente correta no Brasil: uma língua de madeira? Polifonias, Cuiabá, v. 12, n. 2, p. 47-72, 2006. Disponível em: <http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/1070/842>. Acesso em: 15 jan. 2016.

QUINHO. Monteiro Lobato politicamente correto. 2011. Disponível em: <http://miltonribeiro.sul21.com.br/2011/10/04/anotacao-sobre-a-defesa-do-politicamente-correto/>. Acesso em 25 jan. 2016.

RIBEIRO, M. Anotação sobre a defesa do politicamente correto. Milton Ribeiro [blog]. Disponível em: <http://miltonribeiro.sul21.com.br/2011/10/04/anotacao-sobre-a-defesa-do-politicamente-correto/>. Acesso em: 25 jan. 2016.

RICO. Politicamente correto. 2014. Disponível em: <http://ricostudio.blogspot.com.br/2014/08/politicamente-correto.html>. Acesso em: 25 jan. 2016.

VALENTE, A. Texto pra que te quero. In: BASTOS, Neusa Barbosa (Org.). Língua portuguesa: uma visão em mosaico. São Paulo: EDUC, 2002. p. 327-336.

ZANARDI, R. C. A palavra na produção de sentidos: uma reflexão discursiva sobre a linguagem politicamente correta. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE ANÁLISE DE DISCURSO, 4., 2016, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: NAD/FALE/UFMG, 2016. p.1-16. Disponível em: <http://docs.wixstatic.com/ugd/0bea23_cc0d9952bc3e4af0bdbf9acc99f4cab1.pdf>. Acesso em 10 dez. 2016.

Publicado

2018-10-23

Edição

Seção

Artigo