“Pode pará” – Verbo Modal nas Sentenças Imperativas do Português Brasileiro: uma análise semântico-pragmática

Autores

  • Ednei de Souza Leal Programa de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal de São Carlos, SP
  • Roger Alfredo de Marci Rodrigues Antunes Programa de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal de São Carlos, SP
  • Dirceu Cleber Conde Programa de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal de São Carlos, SP

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8412.2018v15n4p3321

Palavras-chave:

Imperativos, Modais, Verbo “poder”, Semântica, Pragmática

Resumo

Neste trabalho, procuraremos sugerir uma interpretação semântico-pragmática para as Sentenças Imperativas (Imp) no Português Brasileiro (PB) que se utilizam do verbo modal/operador modal “pode/poder”, ao contrário de outras interpretações que se constatam na literatura especializada, as quais sejam: interpretações sintáticas das Imp ou de uma semântica de base funcionalista. Aqui, ao contrário, procuraremos sugerir interpretações das Imp, tendo como fundamentação teórica as teorias Pragmáticas de Atos de Fala e um modelo bastante simplificado de Semântica Formal. A razão e o estímulo para tal trabalho surgem  da leitura de Jary e  Kissine (2014), obra que justamente procura interpretações semânticas e pragmáticas para as Imp. Assim, das diversas propostas teóricas apresentadas por aqueles autores, tomamos como pressuposto justamente a Semântica denotacional verifuncional e a Pragmática de Atos de Fala para procurar mostrar uma possibilidade de interpretação das Imp em PB.

 

Biografia do Autor

Ednei de Souza Leal, Programa de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal de São Carlos, SP

Atualmente sou doutorando do Programa de Pós-Graduação em Linguística (PPGL) da Universidade Federal de São Carlos-SP (UFSCar), onde desenvolvo a pesquisa intitulada "A Concordância do Sintagma Nominal: uma comparação entre Português Europeu e Português Brasileiro sob a ótica do estudos sobre Complexidade Linguística". Possuo Mestrado em Letras (Linguística) pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), instituição onde também fiz graduação em Letras-Português, Licenciatura Plena. Atuei como professor de Ensino Superior e Ensino Médio, lecionando diversas disciplinas de linguística, além de gramática, produção textual e eventualmente literatura. Concluí o programa de Iniciação Científica na mesma UFPR em 2010, trabalhando com gramáticas normativas do século XIX, especificamente com uma das obras do gramático baiano Ernesto Carneiro Ribeiro. Esse tema foi também objeto de minhas investigações no Mestrado. Minhas áreas de interesse são: Complexidade Linguística, Crioulos e Pidgins, História da Língua Portuguesa, Linguística Diacrônica, Filosofia da Linguagem, Filosofia da Linguística, Gramáticas, História da Linguística e Historiografia Linguística.

Roger Alfredo de Marci Rodrigues Antunes, Programa de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal de São Carlos, SP

É doutorando no Programa de Pós-Graduação em Linguística, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), cuja pesquisa se insere no campo da Semântica e Pragmática, e é fomentada pela CAPES. Possui Graduação em Linguística /2014 e Mestrado/ 2017 na área de Processamento Automático de Línguas Naturais pela UFSCar. Foi Bolsista do Instituto Internacional da Língua Portuguesa, atuando no Vocabulário Ortográfico comum da Língua Portuguesa (VOC)/ 2012 e 2013 e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa)- Unidade Informática Agropecuária/ 2014, atuando na elaboração da Agropédia brasileira. Atualmente, desenvolve pesquisas em Linguística, com ênfase em Descrição, Análise e Processamento de Línguas Naturais. É integrante do Núcleo Interinstitucional de Linguística Computacional (NILC/USP), do Grupo de Estudos e Pesquisas em Terminologia (GERTerm/UFSCar), do Grupo de Pesquisa em Léxico (UFU) e do Grupo de Estudos em Semântica Referencial (GeSER/UFSCar).

Dirceu Cleber Conde, Programa de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal de São Carlos, SP

Possui graduação em Letras - Habilitação em Português pela Universidade Estadual de Maringá (1998), mestrado em Linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina (2000) e doutorado em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina (2008), com estágio doutoral na Université Paris III - La Sorbonne Nouvelle, Pós-Doutorado na Michigan State University (2015-2016). Atualmente é professor Adjunto com Dedicação Exclusiva na Universidade Federal de São Carlo - SP. Tem experiência na área de Linguística, atuando principalmente nos seguintes temas: semântica, pragmática e ensino-aprendizagem de linguística e linguagens formais.

Referências

AUWERTA, J. van der et al. The morphological imperative. In: DRYER, M. S; HASPELMATH, M. (Ed.). The World Atlas of Language Structures Online. Leipzig: Max Planck Institute for Evolutionary Anthropology, 2013. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2017.

BASSO, R. M.; OLIVEIRA, R. P. de. Arquitetura da conversação: teoria das implicaturas. São Paulo: Parábola, 2014.

BASSO, R. M.; OLIVEIRA, R. P. A Semântica, a pragmática e os seus mistérios. Revista Virtual de Estudos da Linguagem – ReVEL, v. 5, n. 8, p. 1-30, mar. 2007. Disponível em: <>. Acesso em: .

BORGES NETO, José. Semântica de Modelos. In: MÜLLER, Ana; NEGRÃO Esmeralda V.; FOLTRAN, Maria José (Org.). Semântica Formal. São Paulo: Contexto, 2003. p. 9-44.

BRUNELLI, A. F.; BASTOS, S. D. G. O Comportamento do verbo modal “poder” no discurso de autoajuda: uma investigação no português e no espanhol. Estudos linguísticos, São Paulo, v. 40, n. 1, p. 60-70, jan.-abr. 2011. Disponível em: <>. Acesso em: .

CHIERCHIA, G. Semântica. Campinas: Editora da Unicamp, 2008.

CONDORAVDI, C.; LAUER, S. Imperatives: meaning and illocutionary force. In: PIÑÓN, C. (Org.). Empirical Issues in Syntax and Semantics. Stanford University, 2012.

FAVARO, G. Análise das formas verbais imperativas no português arcaico. Estudos linguísticos, São Paulo, v. 44, n. 1, p. 245-254, jan./-abr. 2015. Disponível em: <>. Acesso em: .

ILARI, R.; BASSO, R. M.. “O Verbo”. In: ILARI, R.; NEVES, M. H. M. (Org.). Gramática do português culto falado no Brasil II – classes de palavras e processos de construção. Campinas: Ed. da Unicamp, 2008.

JARY, M.; KISSINE, M. Imperatives. Cambridge University Press: 2014.

LEVINSON, S. Pragmática. São Paulo: Martins Fontes, 2007. [1981].

NEVES, M. H. de M. Modalidade. In: KOCH, I. V. Gramática do português falado. v. VI: desenvolvimentos. Campinas: Ed. da Unicamp, 2002. p.

PORTNER, P. The Semantics of Imperatives within a Theory of Clause Types. In: YOUNG, R. (Ed). SALT XIV. p. 235-252, Ithaca, NY: Cornell University.

RESENDE, M. S. A sintaxe dos verbos modais. Um panorama de abordagens. Letras & Ideias, João Pessoa, v. 1, n. 1, p. , 2006. Disponível em: <>. Acesso em: .

SCHERRE, M. M. P. Reflexões sobre o imperativo em Português. Delta, São Paulo, v. 23, n. spe, p. 193-241, 2007. Disponível em: <>. Acesso em: .

SEARLE, J. R. Os Actos de Fala. Coimbra: Almedina, 1981 [1975].

SILVA, Elias André da. O comportamento do verbo “poder” no Português do Brasil. 2012. XXX f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2012.

Publicado

2018-12-28

Edição

Seção

Artigo