Aprendizados: uma reflexão sobre os lugares da antropologia da educação na formação de cientistas sociais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8034.2022.e80341

Palavras-chave:

Violência, Família, Criança, Psicologia Evolucionista

Resumo

Neste trabalho pretendo refletir sobre as potencialidades do ensino de Antropologia da Educação na
formação de cientistas sociais na atualidade. Meu argumento de uma Antropologia como educação
dialoga com o entendimento de Ingold (2008; 2018) sobre a Antropologia como um processo educativo
que envolve múltiplos aprendizados. Nesse sentido, proponho uma discussão sobre as características
dos processos de ensino/aprendizagem e a formação de pesquisadores que se dão nos cursos de Ciências
Sociais. A análise ocorrerá a partir de minha experiência como docente da disciplina de Antropologia
da Educação, para os cursos de Licenciatura e Bacharelado em Ciências Sociais, e do Programa de Pós-
Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) – Rio Grande do Sul,
Brasil, entre 2006 e 2021, tendo como contraponto minha também experiência de ensino de Antropologia da Educação para os cursos de Pedagogia e Educação Especial do Centro de Educação da UFSM. Esta discussão igualmente ocorrerá a partir de minha atuação como pesquisadora e orientadora de pesquisas em nível de graduação e pós-graduação em Antropologia da Educação.

Biografia do Autor

Ceres Karam Brum, Universidade Federal de Santa Maria

Professora do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de Santa Maria.

Referências

ANDERSON-LEVITT, Kathryn M. Les divers courants en anthropologie de l’éducation. Dossier Anthropologie de l’éducation, pour un tour du monde. Éducation et Societé, [s.l.], n. 17, p. 7-27, 2006. https://doi.org/10.3917/es.017.07

BRANDÃO, C. Rodrigues. O que é educação. São Paulo: Ática, 1989. (Coleção Primeiros Passos).

BRANDÃO, C. Rodrigues. A educação como cultura. Campinas: Mercado das Letras, 2002.

BRASIL. Lei n. 11.684, de 2 de junho de 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11684.htm. Acesso em: 15 jun. 2014.

BRASIL. Resolução CNE/CP n. 1, de 15 de maio de 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdfDOU. Acesso em: 7 jun. 2014.

BRUM, Ceres karam. (org.). Dossiê de Antropologia da Educação. Educação, [s.l.], v. 34, n. 1, jan.-abr. 2009.

BRUM, Ceres karam. (org.) Dossiê Educação Indígena: abordagem antropológica. Revista Século XXI, [s.l.], nov. 2013. Disponível em: http://cascavel.ufsm.br/revistas/ojs-2.2.2/index.php/seculoxxi/issue/view/623. Acesso em: 30 maio 2018.

BRUM, Ceres karam. Programa de Antropologia da Educação: PPC Curso de Licenciatura em Ciências Sociais. Santa Maria, RS, UFSM, 2014.

BRUM, Ceres karam. Programa da disciplina de Antropologia & Educação: Disciplina Optativa para Mestrado em Ciências Sociais, 2013/2.

BRUM, Ceres karam. Maison du Brésil: um território brasileiro em Paris. Porto Alegre: Evangraf, 2014.

BRUM, Ceres. K.; PERURENA, Fátima C. V.; OLIVEIRA, Rubia. M. A construção e a implantação dos cursos de Licenciatura em Sociologia na UFSM. Saberes em Perspectiva, [s.l.], v. 4, p. 51, 2014.

BRUM, C. K.; JESUS, Suzana C. Mito, diversidade cultural e educação: notas sobre a invisibilidade guarani no Rio Grande do Sul e algumas estratégias nativas de superação. Revista Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, n. 44, Dossiê Cultura e Aprendizagem, p.201-227, 2015.

BRUM, C. K.; JESUS, Suzana C. Antropologia como educação: um diálogo sobre experiências de ensino da antropologia em cursos de formação de professores e seus desafios. Ciências Sociais Unisinos, [s.l.], v. 54, p. 217-228, 2018.

CARVALHO DA ROCHA, A. L.; ECKHERT, C. Etnografia: saberes e práticas. Porto Alegre: Iluninuras, 2011.

CUNHA, Manuela C. Relações e dimensões entre saberes tradicionais e saberes científicos. In:

CUNHA, Manuela C. Cultura com aspas. São Paulo: Cosac Naify, 2009a. p. 301-310.

CUNHA, Manuela C. Cultura e culturas: conhecimentos tradicionais e direitos intelectuais. In:

CUNHA, Manuela C. Cultura com aspas. São Paulo: Cosac Naify, 2009b. p. 311-373.

DAMATTA, Roberto. Relativizando: uma introdução à Antropologia Social. Rio de Janeiro: Rocco, 1987.

FONSECA, Claudia. Quando cada caso NÃO é um caso: pesquisa etnográfica e educação. In: XXI REUNIÃO ANUAL DA ANPED, Caxambu, setembro de 1998. Anais [...]. Caxambu, 1998. Disponível em: http://www.anped.org.br/rbe/rbedigital/RBDE10/RBDE10_06_CLAUDIA_FONSECA.pdf. Acesso em: 10 abr. 2019.

GOMES, Ana; LUCE, Patrícia C.; DEBORTOLI, J. Experiência, Performance e Práticas de Aprendizagem. Licere, Belo Horizonte, v. 13, n. 2, jun. 2010. 26p.

GOMES, Ana; GOMES, Nilma Lino. Anthropology and education in Brazil: possible pathways. In: ANDERSON-LEVITT, Kathryn M. Anthropologies of education: a global guide of ethnographic studies of learning and schooling. Brooklyn NY: Berghahn Books, 2012. p. 111-130.

GUSMÃO, Neusa M. M. Antropologia, estudos culturais e educação: desafios da modernidade. Proposições, Campinas, v. 19, n. 3 (57), p.47-82, set.-dez. 2008.

GUSMÃO, Neusa M. M. Antropologia, Cultura e Educação na Formação de Professores. Revista Anthropológicas, Ano 20, v. 27, n. 1, p. 45-71, 2016. Disponível em: http://www.revista.ufpe.br/revistaanthropologicas/index.php/revista/article/view/688/425. Acesso em: 29 maio 2019.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. [2019]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/rs/santa-maria.html. Acesso em: 9 ago. 2020.

INGOLD, Tim. Anthropology is not ethnography. British Academy, [s.l.], 2008. Disponível em: http://proc.britac.ac.uk/tfiles/154p069.pdf. Acesso em: 30 jul. 2019.

INGOLD, Tim. Da transmissão de representações à educação da atenção. Educação, Porto Alegre, v. 33, n. 1, p. 6-25, jan.-abr. 2010.

INGOLD, Tim. O dédalo e o labirinto: caminhar, imaginar e educar a atenção. Revista Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, n 44, Dossiê Cultura e Aprendizagem, p. 21-36, 2015.

INGOLD, Tim. L’anhropologie comme éducation. Rennes: Presses Universitaires de Rennes, 2018.

JULIA, D. A cultura escolar como objeto histórico. Revista de História da Educação, Campinas, 2001.

LAVE, Jean. Aprendizagem como/na prática. Revista Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, n. 44, Dossiê Cultura e Aprendizagem, p. 37-47, 2015.

MUNANGA, Cabengele. Algumas considerações sobre a diversidade e a identidade negra no Brasil. In: MUNANGA, Cabengele. Diversidade e Educação: reflexões e experiências. [Brasília, DF]: MEC, 2003. p. 35-50.

OLIVEIRA, Amurabi. Por que Etnografia no sentido Estrito e não Estudos do Tipo Etnográfico em Educação? Revista FAEEBA, [s.l.], v. 22, p. 69-82, 2013. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/viewFile/751/524. Acesso em: 20 ago. 2019.

OLIVEIRA, Amurabi. Uma antropologia fora do lugar. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 23, n. 49, p. 233-253, set.-dez. 2017.

OLIVEN, Ruben; MACIEL, M. E.; BRUM, C. K (org.). Expressões da cultura gaúcha. Santa Maria: editora da UFSM, 2010.

ORTIZ, Renato. Estudos Culturais. Tempo Social, USP, São Paulo, p. 119-127, julho de 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttextpid=S0103-20702004000100007. Acesso em: 10 abr. 2019.

PEREZ GOMEZ. A. I. A cultura escolar na sociedade neoliberal. Porto Alegre: Artmed, 2001. p. 11-19.

PINHEIRO-MACHADO, Rosana. Precisamos falar sobre a vaidade na vida acadêmica. Carta Capital. 2016. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/sociedade/precisamos-falar-sobre-a-vaidade-na-vida-academica/. Acesso em: 24 out. 2019.

PORTAL CAPES. [2014]. Disponível em: https://www.gov.br/capes/pt-br Acesso em: 30 maio 2014.

ROCKWELL, Elsie. La experiência etnográfica – Historia y cultura en los procesos educativos. Buenos Aires: Paidós, 2009.

ROSS, Paulo Ricardo. A crise da educação especial: uma reflexão políticae antropológica. Educ. Rev., Curitiba, n. 15, jan.-dez. 1999. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0104-4060.201. Acesso em: 19 de agosto de 2019

SANABRIA, Guillermo Vega. O ensino de antropologia no Brasil: um estudo sobre as formas institucionalizadas de transmissão da cultura. Dissertação de mestrado em Antropologia Social, UFSC., 2005. Disponível em: http://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/102383. Acesso em: 30 abr. 2021.

SERRES, Michel. Habiter. Paris: Le Pomier, 2011.

THIESSE, Anne-Marie. Ensinar a nação pela região: o exemplo da Terceira República francesa. Educação, [s.l.], v. 34, n. 1, Dossiê de Antropologia da Educação, p. 13-28, jan.-abr. 2009.

TOSTA, Sandra P.; ROCHA, Gilmar. Antropologia & educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

TOSTA, Sandra; MAIA, Carla; SILVA, Weslei. Diálogos nas fronteiras: um estudo sobre educação e escola na antropologia brasileira. EDUR Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 36, e222229, 2020.

Downloads

Publicado

2022-02-07

Como Citar

BRUM, Ceres Karam. Aprendizados: uma reflexão sobre os lugares da antropologia da educação na formação de cientistas sociais: . Ilha Revista de Antropologia, Florianópolis, v. 24, n. 1, p. 95–116, 2022. DOI: 10.5007/2175-8034.2022.e80341. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/80341. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

Ensino da Antropologia em contextos interdisciplinares e interculturais