Ameaças naturais e avaliação subjetiva na construção da vulnerabilidade social diante de desastres naturais no Chile e Brasil

Hugo Romero, Magaly Mendonça

Resumo


São analisados de pontos de vista objetivo e subjetivo, alguns dos fatores econômicos, políticos, sociais e culturais que participam da construção da vulnerabilidade social com que comunidades do Chile e Brasil têm enfrentado desastres naturais recentes, que incluem inundações, deslizamentos, terremotos e tsunamis. Fatores globais têm gerado restrições econômicas que se manifestam localmente em um aumento da vulnerabilidade social devido à falta de inversões públicas em obras de proteção. Adicionalmente, se observam processos de exclusão e segregação social, traduzidos em uma ocupação humana permanente e sistemática de áreas expostas às ameaças naturais, nas quais se localiza a população de menores recursos. As percepções dos riscos naturais, as formas de organização social e as expectativas e frustrações das comunidades locais constituem valiosas lições que deveriam ser bases do aprendizado social necessário para evitar que estas tragédias continuem repetindo-se em nossos países.


Palavras-chave


Riscos naturais; Vulnerabilidade social; Inundações; Tsunamis

Texto completo:

PDFA


DOI: https://doi.org/10.5007/1807-1384.2012v9n1p127

Direitos autorais



R. Inter. Interdisc. INTERthesis, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, eISSN 1807-1384

 

Licença Creative CommonsConteúdos do periódico licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.