Sganzerla Cover

Victor da Rosa

Resumo


 

Neste artigo, realizo uma leitura do cinema de Rogério Sganzerla, desde o clássico O bandido da luz vermelha até os documentários filmados na década de oitenta, a partir de duas noções centrais: cover e over. Para isso, parto de uma controvérsia com o ensaio de Ismail Xavier, Alegorias do subdesenvolvimento, em que o crítico realiza uma leitura do cinema brasileiro da década de sessenta através do conceito de alegoria; depois releio uma série de textos críticos do próprio Sganzerla, publicados em Edifício Sganzerla, procurando repensar as ideias de “herói vazio” ou “cinema impuro” e sugerindo assim uma nova relação do seu cinema com o tempo e a representação; então busco articular tais ideias com certos procedimentos de vanguarda, como a falsificação, a cópia, o clichê e a colagem; e finalmente procuro mostrar que, no cinema de Sganzerla, a partir principalmente de suas reflexões sobre Orson Welles, a voz é usada de maneira a deformar a interpretação naturalista.


Palavras-chave


Sganzerla; Cover; Over

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7917.2014v19n1p158

Direitos autorais 2014 Victor da Rosa

Rev. Anu. Lit. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. Santa Catarina. Brasil. ISSNe 2175-7917

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.