https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/issue/feed Revista Mundos do Trabalho 2021-05-14T16:44:44+00:00 Aldrin Castellucci revistamundosdotrabalho@gmail.com Open Journal Systems <p>A Revista Mundos do Trabalho (e-ISSN: 1984-9222) é uma publicação digital da <a href="https://gtmundosdotrabalho.org/" target="_blank" rel="noopener">Associação Nacional de História do Trabalho - "GT Mundos do Trabalho/ANPUH"</a>. Tem por objetivo a divulgação da produção acadêmica brasileira e internacional da área de História Social do Trabalho.</p> <p>A revista adota a publicação contínua desde 2019. O tempo médio entre o início do processo de submissão e a publicação é de <strong>oito </strong>semanas. Possui avaliação provisória <strong>A3</strong> na Área de História do sistema brasileiro de avaliação de periódicos Qualis/CAPES. Seu conteúdo está catalogado em diversos indexadores de metadados, buscadores, bibliotecas virtuais, repositórios e serviços de preservação de conteúdo digital (<a style="background-color: #ffffff;" title="indexadores" href="https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/indexadores" target="_blank" rel="noopener">confira aqui</a>).</p> <p>A revista recebe artigos em fluxo contínuo para seção livre e artigos para dossiês temáticos, além de resenhas, entrevistas, comentários sobre fontes primárias inéditas, debates e conferências, em português (Brasil), espanhol ou inglês. As submissões são examinadas pela Equipe Editorial e avaliadas por pareceristas externos. A titulação mínima exigida para a submissão de artigos é a de doutor. Excepcionalmente e a critério da Equipe Editorial, manuscritos excelentes podem ser submetidos por autores com grau acadêmico inferior.</p> <p>A revista não cobra taxas e o conteúdo é disponibilizado em Acesso Livre.</p> <p>Mundos do Trabalho recebe o apoio da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), com a hospedagem de seus serviços no <a title="Portal de Periódicos UFSC" href="http://periodicos.bu.ufsc.br/" target="_blank" rel="noopener">Portal de Periódicos UFSC</a>. A revista é financiada pelos Programas de Pós-Graduação em História da <a title="PPGH - UNEB" href="http://www.poshistoria.uneb.br/" target="_blank" rel="noopener">Universidade do Estado da Bahia</a> (UNEB), da <a title="PPGH - Unicamp" href="https://www.ifch.unicamp.br/ifch/pos/historia" target="_blank" rel="noopener">Universidade Estadual de Campinas</a> (UNICAMP) e da <a href="http://cursos.ufrrj.br/posgraduacao/pphr/" target="_blank" rel="noopener">Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro</a> (UFRRJ).</p> https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/81103 A história social sul-africana dos anos 1980 e a obra de E. P. Thompson: o caso do Wits History Workshop 2021-05-14T16:44:44+00:00 Francisco Barbosa Macedo francisco.macedo@ifmg.edu.br <p>O artigo analisa a história social sul-africana dos anos 1980, centrando-se na produção do <em>Wits History Workshop </em>(<em>WHW</em>), instituição amplamente reconhecida como o principal polo produtor e difusor da nova abordagem historiográfica no país. Além de ressaltar as condições de emergência, as principais temáticas e os eixos analíticos recorrentes da história social sul-africana dos anos 1980, o artigo destaca, também, a centralidade da obra de E. P. Thompson nessa produção, particularmente naquela vinculada ao <em>WHW</em>.</p> 2021-06-23T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Mundos do Trabalho https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/74609 Eleitoras: participação política e comportamento eleitoral feminino nos anos 1950 em São Paulo 2020-08-01T12:37:37+00:00 Murilo Leal Pereira Neto mlealpereira@terra.com.br <p>O texto analisa a participação política das mulheres em sindicatos, associações femininas, sociedade amigos de bairro e, destacadamente, seu comportamento como eleitoras nas eleições de 1954. São ponderados fatores como escolaridade, participação no mercado de trabalho e estatuto da mulher no código civil buscando-se compreender as possibilidades de participação feminina nos espaços formais da política e as consequências de suas ações coletivas na criação de novas formas e espaços.</p> 2021-01-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Mundos do Trabalho https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/74503 Nos limites da civilização: história e historiografia da classe trabalhadora no Mato Grosso do Sul 2020-08-11T13:01:16+00:00 Vitor Wagner Neto de Oliveira vitorwagnern@yahoo.com.br <p>Neste artigo apresentamos levantamento da historiografia produzida nas últimas quatro décadas sobre o mundo do trabalho no Mato Grosso do Sul, destacando a diversidade de temas, sujeitos e fontes, que tem contribuído para ampliar e aprofundar a interpretação da região como constituinte do todo nacional em interfaces com a transnacionalidade, em vista de suas características fronteiriças que demarcam especificidades na formação da classe trabalhadora. Partimos de um debate sobre as noções – nem sempre explícitas e nem sempre publicamente admitidas – de centro e de periferia nas historiografias nacionais que contagiam, também, a historiografia social do trabalho. Para tanto, inicialmente, faz-se breve incursão sobre as fontes e a historiografia do movimento operário em países da Bacia Platina (Argentina, Uruguai e Paraguai), com foco na compreensão de dicotomias sintetizantes de regiões interioranas, presentes em parte do movimento operário e da historiografia desses países, tais como: ocidente/oriente, civilização/barbárie, centro/periferia, litoral/sertão.</p> 2021-01-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Mundos do Trabalho https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/76413 Cabezas de playa: los inicios del movimiento obrero en Entre Ríos, Argentina, 1893-1916 2020-09-19T09:50:04+00:00 Rodolfo Matías Leyes rodolfoleyes@yahoo.com.ar <p>La historia de la clase obrera se ha abierto como un campo historiográfico propio en los estudios históricos argentinos. Este prolífico desarrollo, que abarcó la historia de sus organizaciones, luchas y disputas políticas-ideológicas, contrasta con la falta de estudios sobre el interior del país. No porque no existan, sino porque existe en el interior del país un terreno inexplorado hasta en sus aspectos más básicos, desentonando con el grado de desarrollo de la historiografía sobre Buenos Aires. El presente trabajo reconstruye una de aquellas faltantes, los inicios del movimiento obrero en Entre Ríos. Para explicar el desarrollo particular debemos reconstruir parcialmente el incremento de la economía capitalista asociada a la actividad agrícola y al abasto local, luego se mostrará el avance de las primeras organizaciones obreras impulsadas por socialistas y anarquistas para finalizar con un repaso de las principales luchas económicas del periodo.</p> 2021-02-10T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Mundos do Trabalho https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/75523 Los desafíos de la construcción sindical en tiempos de prohibición de demandas salariales. Un estudio de caso: la Juventud Trabajadora Peronista en Argentina (1973-1974) 2020-07-25T16:43:09+00:00 Guido Lissandrello g.lissandrello@hotmail.com <p>En este artículo nos proponemos estudiar el desarrollo de la Juventud Trabajadora Peronista (JTP), organización sindical adscripta a la organización peronista Montoneros, durante los años 1973 y 1974. En aquellos años estuvo en vigencia el Pacto Social del gobierno peronista que prohibía las negociaciones salariales. Nos interesa estudiar cómo se desarrolló la construcción sindical en dicho contexto. Sostenemos como hipótesis que la JTP se construyó impulsando los reclamos en torno a la salubridad y la higiene en el proceso de trabajo y que, para ello, se desarrolló una particular articulación con el Instituto de Medicina del Trabajo (IMT) de la Universidad de Buenos Aires, que le permitió estar en mejores condicionespara impulsar esa estrategia.</p> 2021-02-10T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Mundos do Trabalho https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/79922 O crime de redução de pessoa livre à escravidão no Brasil oitocentista 2021-03-10T15:58:20+00:00 Beatriz Gallotti Mamigonian bgmamigo.ufsc@gmail.com Keila Grinberg keila.grinberg@gmail.com <p>Este artigo discute a maneira como a escravização de pessoas livres foi criminalizada e julgada no Brasil ao longo do século XIX. Baseado em processos ocorridos no Rio Grande do Sul de “redução à escravidão de pessoas livres”, analisamos, de maneira preliminar, a aplicação do artigo 179 do código criminal de 1830. Queremos chamar atenção para o perfil das vítimas, o contexto em que os casos ocorreram e as decisões tomadas. Os casos foram divididos em três grupos, de acordo com as circunstâncias da escravização: o primeiro diz respeito aos africanos trazidos ilegalmente, depois da proibição do comércio atlântico, e seus descendentes; o segundo compreende os libertos, cujas alforrias foram desconsideradas por diferentes razões; e o terceiro grupo é composto por negros livres ou libertos, que foram sequestrados e vendidos como escravos.</p> 2021-04-26T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Mundos do Trabalho https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/79516 Índios e africanos livres nas obras públicas, Manaus, Século XIX 2021-03-10T16:47:55+00:00 Patricia Maria Alves de Melo patriciamsampaio@gmail.com <p>Este artigo se propõe a lançar luz sobre as trajetórias e as relações entre africanos livres e índios na Manaus do século XIX, dando ênfase ao compartilhamento de experiências em espaços sociais marcados pela multietnicidade e pela existência de fronteiras nebulosas entre a liberdade e a escravidão nesse mundo do trabalho não livre.</p> 2021-04-26T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Mundos do Trabalho https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/76398 Espasmo e estagnação: um século de escravidão em Curitiba (1765-1862) 2020-08-16T18:57:57+00:00 Carlos Alberto Medeiros Lima carlima3@gmail.com <p>Neste artigo, busca-se utilizar registros de óbito a fim de descrever algumas características básicas da população escrava de Curitiba, estudando a evolução das atividades econômicas para as quais era destinado o trabalho cativo. Observaram-se duas situações muito distintas: um espasmo ocorreu durante o último quarto do século XVIII, e a ele se seguiu uma longa estagnação iniciada nos anos 1800. Os assentos de sepultamento mostram igualmente que distribuições desequilibradas dos adultos por ambos os sexos eram relativamente frequentes, que as condições de estabelecimento de famílias escravas declinaram fortemente ao longo do século estudado e que as posses de escravos declinaram consistentemente quanto a seu tamanho e sua importância.</p> 2021-02-10T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Mundos do Trabalho https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/74817 Dos trilhos aos tribunais: ferroviários em luta por direitos 2020-09-08T11:30:17+00:00 Isabella Villarinho Pereyra isabellavillarinho@gmail.com <p>A crescente organização da classe trabalhadora entre os anos 1950 e 1960 é considerada um dos fatores que desencadearam o golpe civil-militar de 1964. Entre os trabalhadores urbanos, a classe ferroviária foi duramente reprimida pelo Estado e pela Rede Ferroviária Federal: arrocho salarial, mudanças na legislação trabalhista, controle do movimento sindical e vigilância nas oficinas. Para lutarem contra a sistemática perda de direitos, os ferroviários cariocas recorreram à Justiça do Trabalho. Este artigo busca analisar os impactos da ditadura civil-militar no cotidiano de trabalho, e a luta dos ferroviários na justiça pela garantia de seus direitos trabalhistas.</p> 2021-02-10T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Mundos do Trabalho https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/75656 Reivindicar e resistir: conflitos coletivos de trabalho de Juiz de Fora (MG) na Justiça do Trabalho durante a ditadura brasileira (1964-1974) 2020-07-24T14:22:40+00:00 Paulo Henrique Silveira Damião paulohenriquesd@hotmail.com <p>Este artigo trata do uso da Justiça do Trabalho pelos trabalhadores da cidade de Juiz de Fora (MG) e suas representações sindicais durante a ditadura militar brasileira. Busca-se compreender o ato de reivindicar por direitos dentro dos tribunais trabalhistas como uma forma de ação e resistência da classe trabalhadora frente às políticas autoritárias da ditadura. Neste sentido, foram utilizados como fontes documentais os processos coletivos de trabalho julgados pelo Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (TRT3) entre os anos de 1964 e 1974, período em que por muito tempo a produção acadêmica dedicada aos mundos dos trabalhadores vinculou uma imagem de passividade e subordinação à classe trabalhadora. Dentro desse espectro, o instrumento do poder normativo torna-se fundamental para se pensar em como se deu a acolhida das demandas trabalhistas pelo TRT3.</p> 2021-03-01T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Mundos do Trabalho https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/75447 “Serás Estropiado, Maltratado e Triturado na Amazônia”: trabalhadores cearenses na Campanha Nacional da Borracha, zona noroeste do Ceará (1942-1945) 2020-08-15T16:34:54+00:00 Carlos Augusto Pereira Santos augustus474@hotmail.com <p>Apesar de os trabalhadores chamados de “Soldados da borracha” não terem participado propriamente das grandes construções de modernização econômica global, posto que atuaram no contexto da Segunda Guerra Mundial trabalhando nos seringais da Amazônia numa atividade quase que exclusivamente extrativa, merece atenção da análise histórica o processo de recrutamento, treinamento e as condições de vida e trabalho a que esses trabalhadores estiveram sujeitos durante a Campanha Nacional da Borracha, feito pelo Serviço Especial de Mobilização de Trabalhadores para a Amazônia – SEMTA. Longe de casa, milhares de nordestinos seguiram para os seringais do norte do Brasil, buscando fugir da seca e do front da guerra, aliciados com promessas de ganho e riquezas. Este artigo procura evidenciar as trajetórias de vida desses homens, especialmente da região noroeste do estado do Ceará, ainda pouco mencionados na historiografia cearense, numa perspectiva da história social.</p> 2021-03-10T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Mundos do Trabalho https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/76816 Mutualismo e Loteria no Rio de Janeiro Imperial (1850-1889) 2021-01-29T13:48:31+00:00 Ronaldo Pereira de Jesus jp.ronaldo9999@gmail.com <p>O artigo apresenta um panorama das associações de ajuda mútua que se organizaram na cidade do Rio de Janeiro entre 1850 e 1880 com objetivo de comprar bilhetes de loteria. Utiliza como fontes os processos de criação ou adequação dos estatutos enviados para apreciação ao Conselho de Estado. Tem como objetivo dimensionar com maior precisão a experiência associativa entre libertos e trabalhadores livres, nacionais e imigrantes, residentes na Corte no século XIX. Com destaque para a Sociedade Lotérica Beneficente dos Calábrias, que delimitava um espaço de construção e reprodução de laços de solidariedades horizontais, permeados pelo sentimento de identidade étnica e de nacionalidade.</p> 2021-02-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Mundos do Trabalho https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/75378 Salvador das comerciantes: as mulheres na praça da Bahia (1872-1889) 2021-02-03T15:04:36+00:00 Adriano Ferreira de Sousa adriano25sousa@hotmail.com <p>Ao longo de praticamente todo século XIX, o comércio formal em Salvador e nas principais praças mercantis do país era essencialmente masculino e majoritariamente composto por portugueses. Quer fossem patrões ou trabalhadores, os homens dominavam esse importante setor econômico. No entanto, em comparação com outras grandes cidades, tanto numericamente como proporcionalmente, a capital da Bahia contava com uma significativa presença de mulheres atuando no comércio. O presente artigo visa examinar essa presença feminina no comércio formal de Salvador entre 1872 e 1889. Ademais, salienta a importância das fontes provenientes da Junta Comercial do Estado da Bahia (JUCEB) para a pesquisa e análise histórica da sociedade baiana oitocentista. A despeito da preponderância masculina, o artigo revela que, apesar de raramente atuarem como trabalhadoras do comércio, algumas baianas tiveram fundamental importância como comerciantes e/ou fornecedoras de capitais necessários para a criação de lojas mercantis e das incipientes indústrias.</p> 2021-04-26T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Mundos do Trabalho https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/80902 O historiador mais conhecido do mundo: a vida de Eric Hobsbawm 2021-04-23T21:00:03+00:00 Barbara Weinstein bw52@nyu.edu <p>Resenha: EVANS, Richard J. <strong>Eric Hobsbawm: A Life in History</strong>. New York: Oxford University Press, 2019, 785 p.</p> 2021-05-07T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Mundos do Trabalho https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/79670 Uma onda de direitos no campo: justiça social em tempos de peronismo e a regulação do trabalho rural na Argentina, 1943-1955 2021-02-25T13:58:57+00:00 Larissa Rosa Corrêa larissarosacorrea@hotmail.com <p>Resenha: PALACIO, Juan Manuel. <strong>La justicia peronista</strong>. La construcción de um nuevo orden legal em la Argentina. Buenos Aires: Siglo XXI Editores Argentina, 2018.</p> 2021-05-20T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Mundos do Trabalho https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/76908 Para além do eurocentrismo: reconstruindo a teoria das greves 2020-09-06T16:46:55+00:00 Ruy Gomes Braga ruy.braga@usp.br Alexandre Guelerman alexandre_egramos@usp.br <p>Resenha: NOWAK, Jörg. <strong>Mass Strikes and Social Movements in Brazil and India</strong>: Popular Mobilisation in the Long Depression. New York: Springer, 2019.</p> 2021-05-20T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Mundos do Trabalho https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/76480 Imaginação e criação históricas na história global: combates pela história social dos protestos e movimentos sociais na América Latina 2020-09-06T16:51:29+00:00 Luiz Felipe Cezar Mundim luizmundim@gmail.com <p>Resenha: ANDUJAR, Andrea &amp; BOHOSLAVSKY, Ernesto (ed.). <strong>Todos estos años de gente</strong>: historia social, protesta y política en América Latina. Los Polvorines: Universidad Nacional de General Sarmiento, 2020.</p> 2021-05-20T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Mundos do Trabalho https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/75045 Uma história da esquerda brasileira a partir de seus livros 2020-09-06T16:59:50+00:00 Carlos Fernando de Quadros carlosfquadros@gmail.com <p>Resenha: SECCO, Lincoln. <strong>A batalha dos livros</strong>. Formação da esquerda no Brasil. Cotia: Ateliê Editorial, 2017.</p> 2021-05-20T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Mundos do Trabalho