Avaliação formal em filosofia: considerações dirigidas ao ensino médio

Marcelo Prates, Antonio Carlos Persegueiro

Resumo


O texto aborda a avaliação formal e discute a retomada de sentido junto à elaboração e operacionalização desta atividade. Foca-se na Disciplina de Filosofia, ofertada no Ensino Médio (Educação Geral e Médio Profissionalizante) e sinaliza a condição de maior proximidade entre Conteúdos Programáticos e alunos(as). Para tanto, busca enaltecer o diálogo e a mediação, capacidades indeléveis ao docente, direcionando-as às atividades avaliativas. Assim procedendo, considerada a obrigatoriedade das referidas nesta e em demais fases da educação escolar, de que modo o docente poderá cultivar e, constantemente, atualizar o sentido das avaliações formais, sobretudo nas etapas de preparação e aplicação? No intuito de oferecer uma resposta propositiva, recorrer-se-á, de forma específica, às Orientações Curriculares Nacionais, na parte destinada à Filosofia. No entanto, para não incorrer em enunciações gerais, ou que fujam à questão, conjugar-se-ão os apontamentos decorrentes às Diretrizes Curriculares da Educação Básica/SEED-PR. Por meio da presente convergência, serão auferidos contributos voltados ao equacionamento de demandas originadas no campo avaliativo, incontornáveis aos(as) graduandos(as) e egressos das Licenciaturas em Filosofia.


Palavras-chave


Avaliação formal; Filosofia; Ensino Médio

Texto completo:

PDFA


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-795X.2017v35n4p1109



Direitos autorais 2018 Marcelo Prates, Antonio Carlos Persegueiro

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN print 0102-5473, ISSN 2175-795X.

Recomendamos o uso do browser Firefox_Mozilla como navegador do portal .

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.