Os livros mais vendidos: literatura juvenil e experiência estética

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-795X.2020.e67027

Palavras-chave:

Experiência estética, Fetichismo da mercadoria cultural, Literatura juvenil

Resumo

Até que ponto a experiência do leitor de livros juvenis subjuga-se ao esteticismo padrão imposto pela lógica do mercado editorial hegemônico que visa não apenas à obtenção de lucro? A hipótese deste artigo considera que o público consumidor tem sua sensibilidade estética reduzida a uma condição heterônoma. A partir de uma hermenêutica teórico-crítica, fundamentada na filosofia de Theodor Adorno, o objeto de análise é a lista (2014 a 2018) das obras “infantojuvenis” mais vendidas no Brasil, problematizada a partir do conceito de fetichismo da mercadoria cultural. Por meio de uma negação determinada da cultura afirmativa que tece loas a livros de consumo rápido, defende-se que no âmbito da dinâmica contraditória da realidade escolar residem as condições possíveis para se abalar o princípio do valor de troca, imperativo categórico que se sobrepõe à formação estética para a autonomia.

Biografia do Autor

Robson Loureiro, Universidade Federal do Espírito Santo, UFES

Professor do Departamento de Educação, Política e Sociedade da Universidade Federal do Espírito Santo, DEPS/UFES

 

Mariana Passos Ramalhete, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, IFES

Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, IFES, Campus Venda Nova do Imigrante, ES

Samira da Costa Sten, Universidade Federal da Bahia, UFBA

Professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia, Faced/UFBA

Referências

ADORNO, Theodor W. Teoria da semiformação. In: PUCCI, Bruno; ZUIN, Antonio Álvaro Soares; LASTÓRIA, Luiz Antonio Calmon Nabuco (Orgs.). Teoria crítica e inconformismo: novas perspectivas de pesquisa. Campinas: Autores Associados, 2010. p. 7-40.

ADORNO, Theodor W.; HORKHEIMER, Max. A indústria cultural: o esclarecimento como mistificação das massas. In: PUCCI, Bruno; ZUIN, Antonio Álvaro Soares; LASTÓRIA, Luiz Antonio Calmon Nabuco (Orgs.). Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985. p. 113-156.

ADORNO, Theodor. Teoria estética. Lisboa: Edições 70, 2011.

ANDRUETTO, Maria Teresa. Por uma literatura sem adjetivos. São Paulo: Pulo do Gato, 2012.

AZEVEDO, Ricardo. Livros para crianças e literatura infantil: convergência e dissonâncias. 1999. Disponível em: http://www.ricardoazevedo.com.br/wp/wp-content/uploads/Livros-para-criancas-e-literatura-infantil.pdf. Acesso em: 22 maio 2019.

BANDEIRA, Pedro. A marca de uma lágrima. São Paulo: Moderna,1986.

BARTHES, Roland. Aula (aula inaugural da cadeira de semiologia literária do Colégio de França, pronunciada no dia 7 de janeiro de 1977). São Paulo: Cultrix, 1978.

BERGALLO, Laura. Alice no espelho. São Paulo: Edições SM, 2005.

BRADBURY, Ray. Fahrenheit 451. São Paulo: Globo, 2007. BRAZ, Júlio Emílio. Longas cartas para ninguém. Rio de Janeiro: Ediouro, 1998.

CAMARGO, Maria. O medo e o mar. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

CANDIDO, Antonio. Vários escritos. 3. ed. revista e ampliada. São Paulo: Duas Cidades, 1995.

CECCANTINI, João Luis. Uma estética da formação: vinte anos de literatura juvenil premiada (1978-1997). Tese de Doutoramento. Faculdade de Ciências e Letras de Assis, Unesp, 2000.

CECCANTINI, João Luís; PEREIRA, Rony Farto. Conflito de gerações, conflito de culturas: um estudo de personagens em narrativas juvenis brasileiras e galegas. Letras de Hoje. Porto Alegre, v. 45, n.3, p. 80-85, jul./set. 2010. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/view/8125. Acesso em 12 abr 2019.

COELHO, Nelly Novaes. Literatura infantil: teoria, análise, didática. São Paulo: Moderna, 2000.

COMPAGNON, Antoine. Literatura para quê?. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

DENTZ, Volmir Von. As tendências pós-críticas na pesquisa em educação: análise filosófica e crítica ontológica. Campinas: Faculdade de Educação – Unicamp –. Tese, 2015.

DILL, Luís. Decifrando Ângelo. São Paulo: Scipione, 2012.

DILL, Luís. Sombras no asfalto. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

DUARTE, Rodrigo. Esquematismo e semiformação. Educação & Sociedade, Campinas, vol. 24, n. 83, p. 441-457, 2003.

DUARTE, Newton. Arte e educação contra o fetichismo generalizado na sociabilidade contemporânea. Perspectiva, v. 27, n. 2, p. 461-479, 2009. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175-795X.2009v27n2p461. Acesso em: 13.07.2019.

EAGLETON, Terry. Teoria da literatura: uma introdução. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

FALCÃO, Adriana; LOLLO, José Carlos. Luna Clara & Apolo onze. Rio de Janeiro: Salamandra, 2002.

FREITAS, Verlaine. Adorno e a arte. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

GOLDING, William. Senhor das moscas. São Paulo: Alfaguara, 2014.

HOBSBAWM, Eric. A era dos extremos: o breve século XX – 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

LAJOLO, Marisa. Do mundo da leitura para leitura do mundo. 6. ed. São Paulo: Ática, 2000. 112 p.

MACHADO, Ana Maria. Bisa Bia Bisa Bel. 8. ed. Rio de Janeiro: Salamandra, 1990.

MACHADO, Ana Maria. Tudo ao mesmo tempo agora. Rio de Janeiro: Ática, 1999.

MARTHA, Alice Áurea Penteado. Temas e formas da narrativa juvenil brasileira Contemporânea. 2011. Disponível em: http://www.ileel.ufu.br/anaisdosilel/pt/arquivos/silel2011/2498.pdf. Acesso em: 22 maio 2019.

MERTON, Robert K.; LAZARSFELD, Paul F. Comunicação de massa, gosto popular e a organização da ação social. In: Teoria da cultura de massa. 6. ed. Revista. São Paulo: Paz e Terra, 2000. p. 109-131.

MONTGOMERY, Lucy Maud. Anne de Green Gables. São Paulo: Martins Fontes, 2009. 480 p. Tradução de Maria do Carmo Zanini e Renée Eve Levié.

NUNES, Lygia Bojunga. A bolsa amarela. 32. ed. Rio de Janeiro: Agir, 2001.

NUNES, Lygia Bojunga. O sofá estampado. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

OZ, Amos. De repente, nas profundezas do bosque. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

PERROTTI, Edmir. A Leitura como Fetiche. In: BARZOTTO, Valdir Heitor (Org.). Estado de Leitura. Campinas: Mercado de Letras, 1999. Cap. 6. p. 125-148. (Coleção Leituras no Brasil).

PUBLISHNEWS. Lista de mais vendidos de infantojuvenil. 2019. Disponível em: https://www.publishnews.com.br/ranking/semanal/11/2018/8/17/0/0. Acesso em: 18 abr 2019.

RIOS, Rosana. Iluminuras. 2. ed. Belo Horizonte: Lê, 2018.

SEIXAS, Heloisa. Uma ilha chamada livro: contos mínimos sobre ler, escrever e contar. São Paulo: Galera Record, 2009.

TODOROV, Tzvetan. A literatura em perigo. 3. ed. Rio de Janeiro: DIFEL, 2010.

TÜRCKE, Christoph. Sociedade excitada: filosofia da sensação. Campinas: Unicamp, 2010.

TÜRCKE, Christoph. Hiperativos!: abaixo a cultura do déficit de atenção. São Paulo: Paz e Terra, 2016.

ZILBERMAN, Regina. A literatura infantil na escola. 11. ed. São. Paulo: Global, 2003.

ZILBERMAN, Regina. Como e por que ler a literatura infantil brasileira. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009. 181 p.

ZILBERMAN, Regina; MAGALHÃES, Ligia Cademartori. Literatura infantil: autoritarismo e emancipação. 3. ed., São Paulo: Ática, 1987.

ZUIN, Antônio Álvaro Soares. Sobre a atualidade do conceito de indústria cultural. Cadernos Cedes, ano XXI, nº 54, agosto/2001. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-32622001000200002&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 30.07.2019.

Downloads

Publicado

2020-03-27