Faoro, Weber e a articulação das dimensões da realidade social na explicação do atraso brasileiro

Autores

  • Hélio Afonso de Aguilar Filho Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7984.2014v13n27p37

Palavras-chave:

Max Weber, Raymundo Faoro, Imbricamento, Instituições, Atraso Econômico

Resumo

O pensamento de Max Weber, no momento em que economistas e sociólogos buscam fazer convergir os seus trabalhos, apresenta-se como uma alternativa plausível para se pensar a inter-relação entre os vários domínios das Ciências Sociais. No Brasil, as ideias de Weber influenciaram várias gerações de pensadores, ocupando lugar de destaque na construção da história do pensamento social e econômico do país. Seguindo esta linha, o presente trabalho tem por objetivo analisar em “Os donos do poder” de Raymundo Faoro, um intérprete weberiano do Brasil, a articulação entre os distintos domínios do econômico, do social e do político. A hipótese fundamental é que, analisadas à luz de Weber, as formulações de Faoro subsumem toda a ação social em uma dimensão exclusiva, a da política, promovendo uma explicação monocausal do “atraso” e da dinâmica da realidade brasileira.

Biografia do Autor

Hélio Afonso de Aguilar Filho, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutor em Economia pela UFRGS – Ênfase em Economia do Desenvolvimento. Professor Adjunto da UFRGS. E-mail: haaf73@yahoo.com.br.

Downloads

Publicado

2014-09-29

Edição

Seção

Artigos