A terapêutica da lepra no século XIX

Autores

  • Dilma Cabral UFF

Resumo

Na primeira metade do século XIX, a lepra foi integrada à pauta da pesquisa científica no Brasil, com estudos sobre a etiologia e a distinção clínica. A complexidade de elementos que compunham o quadro etiológico da lepra se expressaria, no plano terapêutico, pela adoção de remédios debilitantes, parte de uma estrutura cognitiva em que o restabelecimento da saúde se daria a partir da desobstrução e equilíbrio do organismo. Nas décadas finais do século XIX, o tratamento da lepra sofre significativas transformações, a bacteriologia criara novos valores científicos, conferindo um novo papel ao médico e a reorientação da terapêutica da lepra.

Publicado

2007-10-23

Edição

Seção

Dossiê