Violência contra mulheres nos livros didáticos de História (PNLD 2018)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2019v27n358426

Palavras-chave:

Violência, Mulheres, Interseccionalidades, Livros didáticos, Ensino de história

Resumo

No artigo são analisadas as representações de violência contra mulheres em cinco livros
didáticos de História, aprovados no PNLD de 2018 para o Ensino Médio. Trata-se de uma abordagem discursivadas representações, atenta à historicidade de suas elaborações, discursos, valores, sentidos e modos de funcionamento no conhecimento histórico a ser ensinado e aprendido nas escolas. A ordem discursiva e epistêmica em que se inscrevem tais representações promove modos de subjetivação e maneiras ver, pensar, sentir e tratar essa violência no tempo presente. Baseando-se em estudos feministas interseccionais, propõe leituras e abordagens possíveis das narrativas didáticas em sala de aula, tendo em vista um ensino de História para o combate à violência contra mulheres.

Biografia do Autor

Susane Rodrigues de Oliveira, Universidade de Brasília

É historiadora e professora do Departamento de História da Universidade de Brasília (UnB) desde 2009. Leciona no curso de graduação em História e no Programa de Pós-Graduação em História. Fez mestrado (2002) e doutorado (2006) em História na UnB. Realizou estágio pós-doutoral no Departamento de História da Unicamp (1º/2018) e no Instituto de Investigações Feministas da Universidad Complutense de Madrid (2º/2018). É coordenadora do Laboratório de Ensino de História da UnB e líder do grupo de pesquisa Vozes Femininas (Cnpq/UnB).

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Edital de convocação para o processo de inscrição e avaliação de obras didáticas para o Programa Nacional do Livro Didático – PNLD 2018. Brasília: MEC/SEC/SECADI; FNDE, 2015.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB - Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais Ensino Médio (PCN+ Ensino Médio). Brasília: MEC, 2002.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CAIMI, Flávia Eloisa; STAMATTO, Maria Inês Sucupira. “O Livro Didático de História do Ensino Médio: critérios de avaliação e documentos curriculares”. Revista Educação em Questão, Rio Grande do Norte, v. 54, n. 41, mai/ago. 2016.

CAMPOS, Flávio de; PINTO, Júlio Pimentel; CLARO, Regina. Oficina de História. 2ª ed., São Paulo: Leya, 2016.

CHOPPIN, Alain. “História dos livros e das edições didáticas: sobre estado da arte”. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, p. 549-566, set./dez. 2004.

COELHO, Mauro César. “A história, o índio e o livro didático: apontamento para uma reflexão sobre o saber histórico escolar”. In: ROCHA, Helenice Aparecida Bastos; REZNIK, Luís; MAGALHÃES, Marcelo de Souza. A História na Escola: autores, livros e leituras. Rio de Janeiro: FGV, 2009. p. 263-280.

COLLINS, Patricia Hill. “Em direção a uma nova visão: raça, classe e gênero como categorias de análise e conexão”. In: MORENO, Renta (org.). Reflexões e práticas de transformação feminista. São Paulo: SOF, 2015, p. 13-42.

COSTA, Fernando Sánchez. “La cultura histórica. Una aproximación diferente a la memoria colectiva”. Pasado y Memoria: Revista de Historia Contemporánea, Alicante, n. 8, p. 267-286, 2009.

COTRIM, Gilberto. História global. 3ª ed., São Paulo: Saraiva Educação, 2016.

DAVIS, Angela. Mulher, raça e classe. Tradução Livre. Lisboa: Plataforma Gueto, 2013.

FOUCAULT, Michel. “O retorno da moral. Barbedette, Gilles e Scala, André”. Entrevista de Michel Foucault. Les Nouvelles, em 29/5/1984. In: ESCOBAR, Carlos Henrique (org.). Michel Foucault (1926-1984). O Dossier: últimas entrevistas. Rio de Janeiro, Livraria Taurus Editora, 1984. p. 128-138.

GRANGEIRO, Cândido. Cenas da história. 1ª ed., Palavras Projetos Editoriais, 2016.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Rio de Janeiro: PUC-Rio; Apicuri, 2016.

HOOKS, Bell. Não sou eu uma mulher. Mulheres negras e feminismo. 1ª ed. 1981. Lisboa: Tradução livre para a Plataforma Gueto, 2014.

LAURETIS, Teresa de. “A tecnologia de gênero”. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. p. 206-242.

LOURO, Guacira Lopes. “Pedagogias da sexualiade”. In: LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado. Pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p. 07-34.

LUGONES, Maria. “Rumo a um feminismo descolonial”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 935-952, set. 2014.

MONTEIRO, Ana Maria. “Professores e livros didáticos: narrativas e leituras no ensino de história”. In: ROCHA, Helenice Aparecida Bastos; REZNIK, Luís; MAGALHÃES, Marcelo de Souza. A História na Escola: autores, livros e leituras. Rio de Janeiro: FGV, 2009. p. 177-2009.

MUNAKATA, Kazumi. “Devem os livros didáticos de história ser condenados?” In: ROCHA, Helenice; MAGALHÃES, Marcelo; GONTIJO, Rebeca (orgs.). A escrita da história escolar: memória e historiografia. Rio de Janeiro: FGV, 2009. p. 281-292.

OLIVEIRA, Susane Rodrigues de. “Ensino de história das mulheres: reivindicações, currículos e potencialidades”. In: STEVENS, Cristina; OLIVEIRA, Susane Rodrigues de; ZANELLO, Valeska. Estudos Feministas e de Gênero: Articulações e Perspectivas. Santa Catarina: Editora Mulheres, 2014. p. 276-291.

OLIVEIRA, Susane Rodrigues de. “O dispositivo amoroso e o assujeitamento das mulheres nas histórias que os livros didáticos ensinam”. In: STEVENS, Cristina; OLIVEIRA, Susane de; ZANELLO, Valeska; SILVA, Edlene; PORTELA, Cristiane (orgs.). Mulheres e violências: interseccionalidades. Brasília: Technopolitik, 2017a. p. 205-225.

PINTO, Ana Flávia Magalhães. Escritos de liberdade: literatos negros, racismo e cidadania no Brasil oitocentista. Campinas: EDUnicamp, 2018.

SANTOS, Georgina Silva dos; FERREIRA, Jorge; VAINFAS, Ronaldo; FARIA, Sheila de Castro. História. 3.ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2016.

SEGATO, Rita Laura. La guerra contra las mujeres. Madri: Traficante de Sueños, 2016.

SILVA, Cristiani Bereta. “Gênero e sexualidade nos livros didáticos de História: algumas questões sobre produções de subjetividades”. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero, 7, 2006, Florianópolis, UFSC. Anais eletrônicos, Florianópolis: UFSC, p. 1-8, 2006.

SMITH, Andréa. “A Violência Sexual como uma Ferramenta de Genocídio”. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 8, n. 1, p. 195-230, 2014.

VICENTINO, Bruno; VICENTINO, Cláudio. Olhares da História: Brasil e Mundo. 1ª ed. São Paulo: Editora Scipione, 2016.

VIGOYA, Mara Viveros. “La interseccionalidad: una aproximación situada a la dominación”. Debate Feminista, Ciudad de México, v. 52, p. 1-17, out. 2016.

Downloads

Publicado

2019-12-20

Edição

Seção

Artigos