Quem habita o corpo trans?

Patricia Porchat, Maria Caroline Ofsiany

Resumo


Neste artigo são comparados os discursos produzidos pelo movimento transfeminista, pela medicina e pela psicanálise, buscando pontos de encontro e de divergência em relação à questão do corpo em pessoas trans. Realizamos uma revisão bibliográfica através da Análise de Conteúdo de Laurence Bardin. As categorias que se destacaram foram: saúde/doença (medicina), autonomia (movimento transfeminista) e subjetividade (psicanálise). Os três discursos, articulados através dessas categorias, tornaram evidente a existência de diferentes sentidos atribuídos ao corpo, a partir da produção de verdades de cada um. O diálogo, necessário quando se trata de intervenções corporais, reivindicação de direitos ou compreensão do eventual sofrimento, pode ou não ocorrer, a depender do regime discursivo em que o sentido ao corpo é atribuído.


Palavras-chave


Transexualidade; Corpo; Psicanálise; Transfeminismo; Transidentidades

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Hailey Kaas. “O que é e porque precisamos do transfeminismo”. In: SAKAMOTO, Leonardo; MANO; Maíra Kubik (Orgs.). A quem pertence o corpo da mulher? Reportagens e ensaios. São Paulo: Repórter Brasil, 2013. Disponível em http://transfeminismo.com/o-que-e-transfeminismo-umabreve-introducao/. Acesso em 15/09/2016.

ALVES, Hailey Kaas; JESUS, Jaqueline Gomes de. “Feminismo transgênero e movimentos de mulheres transexuais”. Revista Cronos, Natal, v. 11, n. 2, p. 8-19, nov. 2012.

AMBRA, Pedro. O que é um homem? Psicanálise e história da masculinidade no Ocidente. São Paulo: Annablume, 2015.

ARÁN, Márcia. “A transexualidade e a gramática normativa do sistema sexo-gênero”. Revista Ágora, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 49-63, jan./jun. 2006.

ARÁN, Márcia. “A psicanálise e o dispositivo diferença sexual”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 17, n. 3, p. 653-673, set./dez. 2009.

AYOUCH, Thamy. “Da transexualidade às transidentidades: psicanálise e gêneros plurais”. Revista Percurso 54, São Paulo, p. 23-32, jun. 2015.

AYOUCH, Thamy. “Quem tem medo dos saberes T.? Psicanálise, estudos transgêneros, saberes situados”. Revista Periódiocus, Salvador, v. 1, n. 5, p. 3-6, maio/out. 2016.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70-Brasil, 2011.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

CFM. Resolução CFM nº 1.482/97. Brasília: Conselho Federal de Medicina, 1997. p. 20944. Disponível em http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/CFM/1997/1482_1997.htm.

COSSI, Rafael Kalaf. Corpo em obra: contribuições para a clínica psicanalítica do transexualismo. São Paulo: Nversos, 2011.

CZERMARK, Marcel. “Précisions sur la clinique du transsexualisme”. In: FIERENS, Christian. Le discours psychanalytique: Une deuxième lecture d l’Etourdit de Lacan, n. 3, 1982. p. 16-22.

DUMARESC, Leila. “Ensaio (travesti) sobre a escuta (cisgênera)”. Revista Periodicus, v. 1, n. 5, p. 121-131, maio-out. 2016.

FERNANDES, Maria Helena. Corpo. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003. (Coleção Clínica psicanalítica/dirigida por Flávio Carvalho Ferraz)

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FREUD, Sigmund. “Estudos sobre a histeria”. In: FREUD, Sigmund. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 2006a [1895].

FREUD, Sigmund. “Três ensaios sobre a teoria da sexualidade”. In: FREUD, Sigmund. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 2006b [1905].

FREUD, Sigmund. “O ego e o id”. In: FREUD, Sigmund. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 2006c [1923].

FREUD, Sigmund. “O mal-estar da civilização”. In: FREUD, Sigmund. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 2006d [1930].

GROSSI, Miriam Pillar. “A Revista Estudos Feministas faz 10 anos: uma breve história do feminismo no Brasil”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, p. 211, jan. 2004. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2004000300023/9519. Acesso em 20/12/2018. ISSN 1806-9584.

JORGE, Marco Antônio Coutinho; TRAVASSOS, Natália Pereira. Transexualidade: o corpo entre o sujeito e a ciência. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

JESUS, Jaqueline Gomes (Org.). Transfeminismo: teorias e práticas. 2. ed. Rio de Janeiro: Metanoia, 2015.

LACAN, Jacques. Seminário, Livro 18: de um discurso que não fosse semblante. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

LAGO, Mara C. de Souza. “A psicanálise nas ondas dos feminismos”. Repositório Institucional UFSC, 2012. Disponível em https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/1350. Acesso em 02/01/2019.

LAQUEUR, Thomas. Inventando o sexo. Corpo e gênero dos gregos a Freud. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

LEITE JR., Jorge. Nossos corpos também mudam: a invenção das categorias “travesti” e “transexual” no discurso científico. São Paulo: Annablume; FAPESP, 2011.

LUCON, Neto. “OMS irá retirar identidades trans e travestis do capítulo de transtornos mentais”. Clipping LGBT, 2018. Disponível em http://www.nlucon.com/2018/05/oms-retira-identidades-transe-travesti.html. Acesso em 07/05/2018.

MARIANO, Silvana Aparecida. “O sujeito do feminismo e o pós-estruturalismo”. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 13, n. 3, p. 483-505, 2005. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2005000300002&lng=en&nrm=iso. Acesso em 10/05/2018.

MILLOT, Catherine. Extrasexo: ensaio sobre o transexualismo. São Paulo: Escuta, 1992.

NARVAZ, Martha; KOLLER, Silvia. “Metodologias feministas e estudos de gênero: articulando pesquisa, clínica e política”. Revista Psicologia em Estudo, Maringá, v. 11, n. 3, p. 647-654, set./dez. 2006.

PINTO, Céli Regina. “Feminismo, história e poder”. Rev. Sociol. Polít., Curitiba, v. 18, n. 36, p. 15-23, jun. 2010.

PISCITELLI, Adriana. “Gênero: a história de um conceito”. In: ALMEIDA, Heloísa B.; SZWAKO, José E. (Orgs.). Diferenças, Igualdade. São Paulo: Berlendis & Vertecchia, 2009. p. 116-149.

PORCHAT, Patricia. “A transexualidade hoje: questões para pensar o corpo e o gênero na psicanálise”. Revista Brasileira de Psicanálise, São Paulo, v. 48, n. 4, p. 115-126, 2014a.

PORCHAT, Patricia. ‘“Corpo e criatividade”. Revista EPOS, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 112-130, 2014b.

PORCHAT, Patricia. “Gênero é um outro”. In: MINELLA, Luzinete Simões; ASSIS, Gláucia de Oliveira; FUNCK, Susana Bornéo (Orgs.). Políticas e Fronteiras – Desafios Feministas. v. 2. Tubarão: Copiart, 2014c.

RINALDI, Doris. “O corpo estranho”. Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., São Paulo, v. 14, n. 3, p. 440-451, set. 2011.

RODOVALHO, Amara Moira. “O cis pelo trans”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 25, n. 1, p. 365-373, abr. 2017.

SAADEH, Alexandre. Transtorno de identidade sexual: um estudo psicopatológico de transexualismo masculino e feminino. 2004. Tese (Doutorado em Psiquiatria) – Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Universidade de São Paulo, São Paulo.

SAFOUAN, Moustapha. Estudos sobre o Édipo: introdução a uma teoria do sujeito. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

SCOTT, Joan. “Gênero, uma categoria útil de análise histórica”. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995.

SPIZZIRRI, Giancarlo. “Aspectos genéticos relacionados ao transexualismo”. Diagn Tratamento, São Paulo, v. 20, n. 2, p. 76-79, 2015.

STOLLER, Robert. A experiência transexual. Rio de Janeiro: Imago, 1982.

TEIXEIRA, Marina Caldas. “Mudar de sexo: uma prerrogativa transexualista”. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 12, n. 19, p. 66-79, jun. 2006.




DOI: https://doi.org/10.1590/1806-9584-2020v28n157698

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.