Traduzir o queer: uma opção viável?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2020v28n260099

Palavras-chave:

Teoria queer, Tradutologia, Gênero, Sexualidade

Resumo

O objetivo do presente ensaio é discutir como (se possível) deveríamos traduzir a ideia de ‘queer’ (tal como no sintagma ‘teoria queer’), do inglês para o português. Nosso interesse não é simplesmente o de traduzir o termo ‘queer’, mas sim discutir o que podemos ganhar e/ou o que podemos perder no processo de tradução e adaptação da teoria queer, deslocando-a de seu contexto anglófono e realocando-a em um contexto lusófono, em especial quando se leva em consideração a articulação da teoria na análise cultural e na crítica literária fora de contextos anglófonos.

Biografia do Autor

Anselmo Peres Alós, Universidade Federal de Santa Maria

Doutor em Literatura Comparada pelo PPG-Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFSM). Pós-doutor pelo PPG-Letras da UFPE. Professor do Departamento de Letras Vernáculas da Universidade Federal de Santa Maria, e do PPG-Letras da mesma instituição. E-mail: anselmoperesalos@gmail.com.

Referências

A QUEER MANIFESTO, 1990. Disponível em https://www.historyisaweapon.com/defcon1/queernation.html. Acesso em 20/08/2018.

ALÓS, Anselmo Peres. A letra, o corpo e o desejo: masculinidades subversivas no romance latinoamericano. Florianópolis: Mulheres, 2013.

ALÓS, Anselmo Peres. “Prolegomena queer: gênero e sexualidade nos estudos literários”. Cadernos de Letras da UFF, n. 42, p. 199-217, 2011. Disponível em http://www.cadernosdeletras.uff.br/joomla/images/stories/edicoes/42/cotidiano3.pdf. Acesso em 20/09/2018.

ALTHUSSER, Louis. Ideologia e aparelhos ideológicos do Estado. Lisboa: Presença; Martins Fontes, 1974.

ALTHUSSER, Louis. Posições-1. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

ANDRADE, Oswald de. “O manifesto antropófago”. In: TELES, Gilberto Mendonça (Org.). Vanguarda européia e modernismo brasileiro: apresentação e crítica dos principais manifestos vanguardistas. 3. ed. Petrópolis: Vozes; Brasília: INL, 1976. p. 293-300.

ANZALDÚA, Gloria. Borderlands/La Frontera: The New Mestiza. San Francisco: Aunt Lute Books, 1987.

BERLIN, Brent; KAY, Paul. Basic Color Terms: their universality and evolution. Berkeley: The University of California Press, 1969.

BUTLER, Judith. Gender Trouble. London: Routledge, 1990.

BUTLER, Judith. Bodies that Matter. London: Routledge, 1993.

Cf. http://daspu.com.br/. Acesso em 20/09/2018. Cf. também LENZ, Flávio. Daspu, a moda sem-vegonha. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2008.

BUTLER, Judith. The Psychic Life of Power. London: Routledge, 1997.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, Judith. Undoing Gender. London: Routledge, 2004.

CAMPOS, Haroldo de. Metalinguagem e outras metas. 2. ed. 4. Reimpressão. São Paulo: Perspectiva, 2006.

CAMPOS, Augusto de; CAMPOS, Haroldo de. Traduzir e trovar. Campinas: Papirus, 1968.

CONNELL, Robert William. Masculinities. Berkeley: The University of California Press, 1995.

CONNOR, Steven. Teoria e valor cultural. São Paulo: Loyola, 1992.

CRIMP, Douglas (Ed.). AIDS: Cultural Analysis/Cultural Activism. Cambridge: MIT Press, 1988.

CRIMP, Douglas; ROLSTON, Adam. AIDS Demo Graphics. Seattle: Bay Press, 1990.

DE LAURETIS, Teresa (Ed.). “Queer Theory: Lesbian and Gay Sexualities”. Differences: A Journal of Feminist Cultural Studies, v. 3, n. 2, Summer 1991. (Special Issue)

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva, 1973.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 8. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade II. Rio de Janeiro: Graal, 1990.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 29. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1997.

FUSS, Diana (Ed.). Inside/Out: Lesbian Theories, Gay Theories. London: Routledge, 1991.

GENETTE, Gérard. Paratextos editoriais. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009.

JAGOSE, Anamarie. Queer Theory: an introduction. New York: New York University Press, 1996.

KAY, Paul; KEMPTON, Willett. “What is the Sapir-Whorf hypothesis?”. American Anthropologist, n. 86, p. 65-79, 1984.

LACAN, Jacques. Le seminaire, livre XXI: Les non-dupes errent (1973-1974). (Inédito). Transcrição em francês disponível na internet na página do psicanalista Patrick Valas. Disponível em http://www.valas.fr/Jacques-Lacan-Les-non-dupes-errent-1973-1974,249. Acesso em 20/10/2018.

LACAN, Jacques. Conferência proferida na Faculdade Universitária de Saint-Louis, em Bruxelas, em 10/03/1960. Disponível em francês na página “Pas-tout Lacan”. Disponível em http://www.ecolelacanienne.net/bibliotheque.php?id=10. Acesso em 20/10/2018.

LACAN, Jacques. Le séminaire, livre II: Le moi dans la théorie de Freud et dans la technique de la psychanalyse (1953-1954). Paris: Seuil, 1978.

LACAN, Jacques. O seminário, livro II: O eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

LACAN, Jacques. Le seminaire, livre XXII: RSI (1974-1975). (Seminário inédito, transcrição em francês disponível na internet na página do psicanalista Patrick Valas). Disponível em http://www.valas.fr/Jacques-Lacan-RSI-1974-1975,288. Acesso em 20/10/2018.

LACAN, Jacques. Le seminaire, livre XXIII: Le sinthome (1975-1976). Paris: Seuil, 2003.

LACAN, Jacques. O seminário, livro XXIII: O sinthoma. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho: ensaios de teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

MANIFESTO QUEER NATION. Tradução de Roberto Romero. Cadernos de Leitura, Belo Horizonte, n. 53, novembro 2016. Disponível em https://chaodafeira.com/catalogo/caderno-n-53-manifesto-queernation/. Acesso em 13/08/2018.

LUGARINHO, Mário César. “Como traduzir a teoria queer para a língua portuguesa”. Gênero, Niterói, UFF, v. 2, n. 1, p. 36-46, 2001.

McGEE, Patrick. Telling the Other. Ithaca: Cornell University Press, 1992.

MISKOLCCI, Richard. O desejo de nação. São Paulo: Annablume, 2013.

PELÚCIO, Larissa. “Traduções e torções, ou o que se quer dizer quando dizemos queer no Brasil?”. Periódicus, Salvador, v. 1, n. 1, p. 1-24, 2014.

PELÚCIO, Larissa. “Subalterno quem, cara pálida? Apontamentos às margens sobre póscolonialismos, feminismos e estudos queer”. Contemporânea, São Carlos, v. 2, n. 2, p. 395-418, jul.-dez. 2012.

PERLONGHER, Nestor. O negócio do michê. 2. ed. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2008.

PRADA, Monique. Putafeminista. São Paulo: Veneta, 2018. (Coleção Baderna)

PUAR, Jasbir. Terrorist Assemblages: Homonationalism in Queer Times. Durham: Duke University Press, 2007.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2016.

SCHULMAN, Sarah. Ties That Bind: Familial Homophobia and Its Consequences. New York: The New Press, 2009.

SCHULMAN, Sarah. Israel/Palestine and the Queer Internacional. Durham: Duke University Press, 2012.

TREVISAN, João Silvério. Devassos no Paraíso. 2. ed. revista e ampliada. Rio de Janeiro: Record, 2000.

Downloads

Publicado

2020-09-16

Edição

Seção

Artigos