As experiências das Oficiais da Marinha do Brasil no exercício do comando

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2020v28n61934

Palavras-chave:

mulheres nas Forças Armadas, cargo de direção, estudos feministas, história oral

Resumo

No presente artigo analisamos o acesso e a constituição da liderança das Oficiais da Marinha do Brasil no cargo de direção. O suporte teórico está ancorado nos estudos feministas. Para a construção e análise dos dados foi utilizada a abordagem metodológica de história oral. As sujeitas da pesquisa são as Oficiais que foram Diretoras de Organizações Militares entre 2002 e 2015. A liderança das entrevistadas evidenciou suas características, desenvolvidas ao longo de suas vidas e potencializadas (ou adquiridas) no exercício do comando, como racionalidade, competência, autoridade e voz de comando, proximidade com o efetivo, saber ouvir, buscar apoio.

Biografia do Autor

Vanessa Coelho dos Reis, Instituto Federal Catarinense - Campus Brusque

Mestra em Serviço Social pelo Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Assistente Social do Instituto Federal Catarinense (IFC) - Campus Brusque. Integrante do Grupo de Pesquisa Ciências e Desenvolvimento Social (IFC - Campus Brusque), Brusque, Santa Catarina, Brasil.

Luciana Patrícia Zucco, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher do Instituto Fernandes Figueira da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ). Professora Associada do Departamento de Serviço Social (DSS/UFSC), do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social (PPGSS/CSE/UFSC) e do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas (PPGICH/CFH/UFSC) da Universidade Federal de Santa Catarina . Coordenadora do Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Saúde, Sexualidades e Relações de Gênero (NUSSERGE/UFSC) e integrante do Instituto de Estudos de Gênero (IEG/UFSC), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Referências

ALBERTI, Verena. Manual de história oral. Rio de Janeiro: FGV, 2013.

ALBERTI, Verena. Ouvir contar: textos em história oral. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

ALMEIDA, Mariza Ribas D’Ávila de. Batalhas culturais de gênero: a dinâmica das relações de poder no campo militar naval. 2008. Dissertação (Mestrado) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Política Social, Escola de Serviço Social da Universidade Federal Fluminense, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

BOFF, Leonardo. “O cuidado essencial: princípio de um novo ethos”. Inclusão Social, Brasília, v. 1, n. 1, p. 28-35, out./mar. 2005.

BOURDIEU, Pierre. Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense, 2004.

BRASIL. Poder Naval (Comando da Marinha). Brasília: Action, 1997.

CARNEIRO, Sueli. “Enegrecer o Feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero”. Geledés: Instituto da Mulher Negra, São Paulo, 2011. Disponível em https://www.geledes.org.br/enegrecer-o-feminismo-situacao-da-mulher-negra-na-americalatina-partir-de-uma-perspectiva-de-genero. Acesso em 04/10/2019.

CARREIRAS, Helena. “Diversidade social nas Forças Armadas: gênero e orientação sexual em perspectiva comparada”. Nação e Defesa, Lisboa, n. 107 – 2ª série, p. 61-68, primavera 2004.

CASTRO, Celso. O espírito militar: um antropólogo na caserna. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

CASTRO, Silvia Elaine Santos de. “Marcadores sociais da diferença: sobre as especificidades da mulher negra no Brasil”. In: XXIV SEMANA DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA UEL. CIÊNCIAS SOCIAIS: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS, 24, 2013, Londrina, Universidade Estadual de Londrina. Anais… Londrina: Universidade Estadual de Londrina, 2013. p. 1-10.

COLLINS, Patricia Hill. “Se perdeu da tradução? Feminismo negro, interseccionalidade e política emancipatória”. Parágrafo, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 6-17, 2017. Disponível em http://revistaseletronicas.fiamfaam.br/index.php/recicofi/article/view/559/506. ISSN: 2317-4919. Acesso em 04/10/2019.

DELGADO, Lucília de Almeida Neves. História oral: memória, tempo, identidades. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

FONTENELE-MOURÃO, Tânia Maria. Mulheres no topo de carreira: flexibilidade e persistência. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2006.

FOUCAULT, Michel. “Michel Foucault, uma entrevista: sexo, poder e a política da identidade”. Verve, São Paulo, n. 5, p. 260-277, 2004. Disponível em https://revistas.pucsp.br/verve/article/view/4995/3537. ISSN: 1676-9090. https://doi.org/10.23925/verve.v0i5.4995. Acesso em 04/20/2019.

FOUCAULT, Michel. “O sujeito e o poder”. In: DREYFUS, Hubert L.; RABINOW, Paul (Orgs.). Michel Foucault: uma trajetória filosófica. Para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009. p. 231-249.

FREITAS, Lucas Bueno de; LUZ, Nanci Stancki da. “Gênero, ciência e tecnologia: estado da arte a partir de periódicos de gênero”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 49, e174908, 2017. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/cpa/n49/1809-4449-cpa-18094449201700490008.pdf. Epub 13/03/2017. ISSN 1809-4449. http://dx.doi.org/10.1590/1809444920170049 0008. Acesso em 04/10/2019.

GOMES, Romeu; NASCIMENTO, Elaine Ferreira do; ARAÚJO, Fábio Carvalho de. “Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior”. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 3, p. 565-574, mar. 2007.

GUTIERREZ, Denise Machado Duran; MINAYO, Maria Cecília de Souza. “Produção de conhecimento sobre cuidados da saúde no âmbito da família”. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, supl. 1, p. 1497-1508, jan./jun. 2010.

HARDING, Sandra. “¿Existe un método feminista?”. In: BARTRA, Eli (Org.). Debates en torno a una metodología feminista. México: Universidad Autónoma Metropolitana – Unidad Xochimilco, 2002. p. 09-34.

HEILBORN, Maria Luiza. “Construção de si, gênero e sexualidade”. In: HEILBORN, Maria Luiza (Org.). Sexualidade: o olhar das Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999. p. 40-58.

HEILBORN, Maria Luiza. “Gênero, sexualidade e saúde”. In: SILVA, Dayse de Paula Marques (Org.). Saúde, sexualidade e reprodução: compartilhando responsabilidades. Rio de Janeiro: EDUERJ, 1996. p. 101-110.

HITA, Maria Gabriela. “Igualdade, identidade e diferença(s): feminismo na reinvenção de sujeitos”. In: ALMEIDA, Heloisa Buarque de; COSTA, Rosely Gomes; RAMÍREZ, Martha Celia; SOUZA, Érica Renata de (Orgs.). Gênero em matizes. Bragança Paulista: CDAPH, 2002. p. 319-351.

JÚNIOR, Hermógenes Hiron Marques. O corpo auxiliar feminino da reserva da Marinha. 1982. Especialização (Curso de Comando e Estado-Maior do Exército) – Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

LOMBARDI, Maria Rosa. “Profissão: oficial engenheira naval da Marinha de Guerra do Brasil”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 18, n. 2, p. 529-546, 2010. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-026X2010000200014&script= sci_abstract&tlng=pt. ISSN 0104-026X. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X20100002 00014. Acesso em 04/10/2019.

LOMBARDI, Maria Rosa; BRUSCHINI, Cristina; MERCADO, Cristiano M. As mulheres nas Forças Armadas brasileiras: a Marinha do Brasil. 1980-2008. São Paulo: FCC/DPE, 2009.

MORAES, Marcia. Ser humana: quando a mulher está em discussão. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

NICHOLSON, Linda. “Interpretando o gênero”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 8, n. 2, p. 09-41, jul./dez. 2000.

NOGUEIRA, Maria da Conceição de Oliveira Carvalho. “Os discursos das mulheres em posições de poder”. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 57-72, 2006. Disponível em http://www.revistas.usp.br/cpst/article/view/25965/27696. ISSN 1981-0490. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v9i2p57-72. Acesso em 04/10/2019.

PEDRO, Joana Maria. “Traduzindo o debate: o uso da categoria gênero na pesquisa histórica”. História, São Paulo, v. 24, n. 1, p. 77-98, 2005.

PISCITELLI, Adriana. “Reflexões em torno do gênero e feminismo”. In: COSTA, Claudia de Lima; SCHMIDT, Simone Pereira (Orgs.). Poéticas e políticas feministas. Florianópolis: Mulheres, 2004. p. 43-66.

PORTELLI, Alessandro. “Tentando aprender um pouquinho: algumas reflexões sobre a ética na história oral”. Projeto História, São Paulo, n. 15, p. 13-49, abr. 1997.

RAGO, Margareth. “Epistemologia feminista, gênero e história”. In: PEDRO, Joana Maria; GROSSI, Miriam Pillar (Orgs.). Masculino, feminino, plural: gênero na interdisciplinaridade. Florianópolis: Mulheres, 1998. p. 21-41.

RIBEIRO, Djamila. “Feminismo Negro para um novo marco civilizatório: uma perspectiva brasileira”. SUR: Revista Internacional de Direitos Humanos, São Paulo, v. 13, n. 24, p. 99-104, 2016. Disponível em https://sur.conectas.org/wp-content/uploads/2017/02/9-sur-24-por-djamila-ribeiro.pdf. ISSN 1983-3342. Acesso em 04/10/2019.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

ROHDEN, Fabíola. Uma ciência da diferença: sexo e gênero na medicina da mulher. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2001.

RUBIN, Gayle. O tráfico de mulheres: notas sobre a “economia política” do sexo. Recife: SOS Corpo, 1993.

SALGADO, Martha Patricia Castañeda. Metodología de la investigación feminista. Cidade do México: Centro de Investigaciones Interdisciplinarias en Ciencias y Humanidades, Universidad Nacional Autónoma de México, 2008.

SALVATICI, Silvia. “Memórias de gênero: reflexões sobre a história oral de mulheres”. História Oral, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 29-42, jan./jun. 2005.

SCOTT, Joan Wallach. “A invisibilidade da experiência”. Projeto História, São Paulo, v. 16, p. 297-325, jan./jun. 1998.

TONELI, Maria Juracy Filgueiras; SOUZA, Marina Gomes Coelho de; MÜLLER, Rita de Cássia Flores. “Masculinidades e práticas de saúde: retratos da experiência de pesquisa em Florianópolis/SC”. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p. 973-994, 2010.

Downloads

Publicado

2020-12-18

Edição

Seção

Artigos