Pontos (in)comuns nos processos de formação de professores de matemática identificados ao longo de quase duas décadas (2000-2017)

Marlubia Corrêa de Paula, Caroline da Silva Petró, Alessandra Fabian Sostisso, Reinaldo Feio Lima

Resumo


Neste artigo foram contabilizados artigos publicados em quatro revistas eletrônicas com Qualis A-1 e B-1. Nessas revistas procurou-se quais seriam as questões (in)comuns que têm norteado os processos de formação de professores. Trata-se, assim, de uma pesquisa qualitativa com abordagem fenomenológica, realizada por meio de busca documental e bibliográfica. O método de análise utilizado foi a meta-análise. Para esse fim, selecionou-se um total de 40 artigos, tendo sido localizados, entre estes, sete artigos de universidades da Espanha e um de Honduras. Dado o número de trabalhos selecionados, foi possível determinar o quanto as publicações de diferentes revistas apontavam, naquele momento, para diferentes ações formativas. Conclui-se que foram constatadas 30 características nos 40 artigos analisados. Alguns temas foram identificados simultaneamente em diferentes revistas, o qual referia-se ao modo como o professor se comunica em sala de aula. Políticas públicas voltadas às ações dos professores estiveram presentes numa ocorrência de dois artigos. O uso de tecnologias pelos professores em formação foi uma questão abordada em quatro dos 40 artigos selecionados. O tema apresentado numa maior frequência entre as publicações dessas revistas foi a preocupação em desenvolver conteúdos matemáticos. Essa questão foi manifestada em seis artigos (estudo sobre funções, geometria, números decimais e conjuntos numéricos na educação básica; estatística, limites e continuidades no ensino superior). Pode-se afirmar, também, que a característica da formação de professores, realizada no período referente à década de 60, onde havia uma preocupação conteudista, é ainda a maior presença, devido aos dados levantados neste artigo.


Palavras-chave


Processos de formação de professores; Matemática; Pontos incomuns

Texto completo:

PDF/A

Referências


Almeida, M.G., & Fernandes, J.A. (2010) A comunicação promovida por futuros professores na aula de matemática. Zetetike: Revista de Educação Matemática, v.18(34), 109-154. Recuperado de http://www.fae.unicamp.br/revista/index.php/zetetike/article/view/2818/ 2475

Almouloud, Sado Ag. et al. (2008). Formação de professores de matemática e apreensão significativa de problemas envolvendo provas e demonstrações. Educação Matemática Pesquisa, v. 10(1), 217-246.

Baumann, A.P.P., & Bicudo, M.A.V. (2009). Características da formação de professores de matemática dos anos iniciais do ensino fundamental com foco nos cursos de pedagogia e matemática. Bolema, v.22(32), [s.p.].

Cardim, V.R.C., & Grando, R.C. (2011) Saberes sobre a docência na formação inicial de professores de matemática. Educação Matemática Pesquisa, v. 13(1),1-34.

Carneiro, V.C.G. (2008). Contribuições para a formação do professor de matemática pesquisador nos mestrados profissionalizantes na área de ensino. Bolema, v.21(29), 199-222.

Carneiro, V.C.G. (2005). Engenharia didática: um referencial para ação investigativa e para formação de professores de matemática. Zetetike: Revista de Educação Matemática, v.13(23), 87-120. Recuperado de http://www.fae.unicamp.br/revista/index.php/zetetike/ article/view/2458/2220

Climent, N., Romero-Cortés, J.M, Carrillo, J., Muñoz-Catalán, M.C., & Contreras, L.C. (2013). ¿Qué conocimientos y concepciones movilizan futuros maestros analizando un vídeo de aula? Relime, v. 16(1), 3-26.

Corredor, O.L.L., & Calderón, D.I. (2001). Validación y argumentación de lo matemático en el aula. Relime, v. 4(1), 5-21.

Costa, V.G., & Scriptori, C.C. (2011). Professor formador e a ludicidade no curso de licenciatura em matemática: reflexões advindas de uma pesquisa empírica. Educação Matemática Pesquisa, v. 13(1), 51-71.

Costa, V.G., & Passos, L.F. (2009). O professor formador e os desafios da formação inicial de professores de matemática. Educação Matemática Pesquisa, v. 13(1), 597-623.

Curi, E., & Pires, C.M.C. (2008). Pesquisas sobre a formação do professor que ensina matemática por grupos de pesquisa de instituições paulistanas. Educação Matemática Pesquisa, v. 10(1), 151-189.

D’amore, B., & Martini, B. (2000). Sobre la preparación de los maestros de matemáticas. Relime, v. 3(1), 33-45.

Demo, P. (1998). Educar pela pesquisa. 3. ed. São Paulo: Autores Associados.

Duarte, A.R.S., Oliveira, M.C.de, & Pinto, N.B. (2010). A relação conhecimento matemático versus conhecimento pedagógico na formação do professor de matemática: um estudo histórico. Zetetike: Revista de Educação Matemática, v.18(33), 103-136. Recuperado de: http://www.fae.unicamp.br/revista/index.php/zetetike/article/view/2801/2465.

Fazenda, I. (2010). Metodologia da pesquisa educacional. São Paulo: Cortez.

Fiorentini, D., & Lorenzato, S. (2009). Formação de professores de matemática: explorando novos caminhos com outros olhares. Campinas/SP: Autores Associados.

Fiorentini, D., & Lorenzato, S. (2006). Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas/SP: Autores Associados.

Fürkotter, M., & Morelatti, M.R.M. (2007). A articulação entre teoria e prática na formação inicial de professores de matemática. Educação Matemática Pesquisa, v. 9(2), 319-334.

Gama, R.P., & Fiorentini, D. (2011). Formação continuada em grupos colaborativos: professores de matemática iniciantes e as aprendizagens da prática profissional. Educação Matemática Pesquisa, v. 13(1), 441-461.

García, L., Azcárate, C., & Moreno, M. (2006). Crenças, concepções e conhecimento profissional de professores que ensinam cálculo diferencial a estudantes de ciências econômicas. Relime, v. 9(1), 85-116.

Lacasta, E.; Whihelme, M.; Belletich, O. (2009). Continuent les Petits Enfants à ne pas Savoir Faire Additions? Educação Matemática Pesquisa, v. 11(2), 303-328.

Laville, C., & Dionne, J. (1999). A construção do saber. Manual de Metodologia de Pesquisa em Ciências Humanas. Porto Alegre: Artmed.

Lopes, J.A., & Araujo, E.A. (2007). O laboratório de ensino de matemática: implicações na formação de professores. Zetetike: Revista de Educação Matemática, v.15(27), 57-70. Recuperado de http://www.fae.unicamp.br/revista/index.php/zetetike/article/view/2420/ 2182

Matheus, A.A.O., & Nacarato, A.M. (2009). As influências das políticas públicas curriculares na constituição da identidade do professor de matemática: análise de um caso. Zetetike: Revista de Educação Matemática, v. 17(n. temático), 95-122. Recuperado de http://www.fae.unicamp.br/revista/index.php/zetetike/article/view/2575/2319

Moreira, P.C. et al. (2012). Quem quer ser professor de matemática? Zetetike: Revista de Educação Matemática, v.20(37), 11-34. Recuperado de http://www.fae.unicamp.br/ revista/index.php/zetetike/article/view/ 2850/3729

Nacarato, A.M. (2010). A formação matemática das professoras das séries iniciais: a escrita de si como prática de formação. Bolema, v. 23(37), 905-930.

Ortiz, J.J., Batanero, C., & Contreras, J.M. (2012). Conocimiento de futuros professores sobre la ideia de juego equitativo. Relime, v. 15(1), 63-91.

Pamplona, A.S. (2012). A formação estatística e pedagógica do professor de matemática. Zetetike: Revista de Educação Matemática, v. 29(37), 91-105. Recuperado de http://www.fae.unicamp.br/revista/index.php/zetetike/article/view/2864/3732

Parra, H. (2005). Creencias matemáticas y la relación entre actores del contexto. Relime, v.8(1), 69-90.

Passos, C.L.B., Oliveira, R.M.M.A., & Souza, R.D. (2009). Analisando a base de conhecimento para o ensino: a conexão entre histórias infantis e matemática na formação continuada de professores. Educação Matemática Pesquisa, v. 13(1), 624-645.

Passos, M.M., Nardi, R., & Arruda, S.M. (2009). A formação do professor e seus sentidos em 23 anos do Bolema: 1985-2007. Bolema, v. 22(34), 209-236.

Pérez, L.D.M. (1998). Modelos para la representación y procesamiento del conocimiento pedagógico em tutoriales inteligente. Relime, v. 1(2), 51-52.

Ponte, J.P.M., & Viseu, F. (2012). A formação do professor de matemática apoiada pelas TIC no seu estágio pedagógico. Bolema, v. 26(42), 329-357.

Rehder, J.G., & Passos, L.F. (2007). O ensino noturno como palco para a formação de licenciatura em matemática. Bolema, v. 20(27), [s.p.].

Reis, M.E.T., & Fiorentini, D. (2009). Formação profissional de professores de matemática em serviço e políticas públicas. Zetetike: Revista de Educação Matemática, v.17(n. temático), 123-150. Recuperado de http://www.fae.unicamp.br/revista/index.php/zetetike/article/ view/2576/2320

Ribeiro, C.M. (2009). Conhecimento matemático para ensinar: uma experiência de formação de professores no caso da multiplicação de decimais. Bolema, v. 19(26), 1-26, 21.

Ribeiro, M.C., & Carrillo, J.M.R. (2012). Cognições e tipo de comunicação do professor de matemática: exemplificação de um modelo de análise num episódio dividido. Relime, v. 15(1), 93-121.

Richit, A. (2006). A formação matemática do professor: licenciatura e prática docente escolar. Bolema, v. 19(25), 1-7.

Richit, A., & Maltempi, M.V. (2010). Desafios e possibilidades do trabalho com projetos e com tecnologias na licenciatura em matemática. Zetetike: Revista de Educação Matemática, v.18(33), 15-42. Recuperado de http://www.fae.unicamp.br/revista/index.php/zetetike/ article/view/2796/2460.

Rodrigues, C.G. (2010). Em que a filosofia da diferença e a arte contemporânea podem servir à formação de professores de matemática? Zetetike: Revista de Educação Matemática, v.18(n. temático), 245-256. Recuperado de http://www.fae.unicamp.br/revista/index.php/ zetetike/article/view/2834/2491

Rodrigues, C. (2009). A abordagem processual no estudo da tradução: uma meta-análise qualitativa. Cadernos de Tradução, v. 2(10).

Rosenthal, R. (1995). Writing meta-analytic reviews. Psychological Bulletin, v.118(2), 183-192.

Rossini, R. (2007). Evolução das organizações matemáticas e didáticas construídas em torno do conceito de função em uma formação de professores. Educação Matemática Pesquisa, v. 9(2), 205-247.

Sanhueza, S., Penalva, M.C., & Fritz, M. (2013). Identidades y competencias profesionales de estudiantes para maestro de la educación infantil relativas a la enseñanza de la geometría. Relime, v. 16(1), 99-125.

Serrazina, L. (1999). Reflexão, conhecimento e práticas letivas em matemática num contexto de reforma curricular no 1º ciclo. Quadrante, (8), 139-168.

Silver, E. (2008). Formação de professores de matemática: desafios e direções. Bolema, v. 19(26), 1-24.

Tardif, M.(2003). Saberes Docentes e Formação Profissional. Pretópolis: Vozes.

Thompson, A. (1992). Teachers’ beliefs and conceptions: a synthesis of the research. In D.A. Grouws, (Ed.), Handbook of research on mathematics teaching and learning. (pp.127-146). New York: Macmillan.

Vasconcellos, M., & Bitar, M. (2007). A formação do professor para o ensino de matemática na educação infantil e nos anos iniciais: uma análise da produção dos eventos da área. Educação Matemática Pesquisa, v. 9(2), 275-292.

Vázquez, M.S., Astudillo, M.T.G., & Esteban, C.L. (2000). Concepciones de los alumnos de bachillerato y curso de orientación universitaria sobre limite funcional y continuidad. Relime, v. 3(1), 71-85.

Viol, J.F. (2009). Conhecimento matemático para ensinar: uma experiência de formação de professores no caso da multiplicação de decimais. Bolema, v. 22(32), 241-246.

Wolf, F.M. (1986). Meta-analysis: quantitative methods for research synthesis. Newbury Park, CA: Sage.




DOI: https://doi.org/10.5007/1981-1322.2019.e31948

Indexadores, diretórios e base de dados:

                                                                     

 

REVEMAT: R. Eletr. Educ. Mat., UFSC/MTM/PPGECT, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1981-1322.
 
 

 Licença Creative Commons
Está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.