Circuito de equações: uma estratégia para a aprendizagem ativa

Cassiano Scott Puhl, Thaísa Jacintho Müller, Isolda Gianni de Lima

Resumo


Este artigo apresenta e discute uma estratégia de aprendizagem ativa aplicada como experimento para a construção de significados no estudo de equações, em uma turma de 9° ano do Ensino Fundamental. A atividade proposta aos estudantes compreende um circuito de questões sobre equações quadráticas, biquadradas e irracionais, e objetiva integrar a turma, atribuindo aos estudantes funções específicas e complementares. Tais funções definem papeis que aqui são chamados de solucionador, orientador e analisador de resoluções de equações. A proposta é fundamentada na teoria da aprendizagem de Vygotsky e na teoria do desenvolvimento cognitivo de Piaget, e, portanto, pretende propiciar momentos de interação, de cooperação e de pensamento coletivo, caracterizando-se como uma estratégia de aprendizagem ativa. Na prática, a turma é separada em equipes, sendo cada uma delas formada por três grupos, que se revezam na realização das atividades da seguinte maneira: um grupo sorteia uma equação e deve resolvê-la no quadro; outro precisa estar atento à resolução de forma a poder auxiliar os colegas em caso de dificuldade, e o terceiro grupo tem de analisar a resolução da equação sorteada, atentando à exatidão dos resultados e à adequação da linguagem matemática. Assim, a realização dos exercícios e a sua avaliação pelos pares promovem aprendizagem, e o caráter lúdico é o motor afetivo que incentiva as discussões e as reflexões para a construção do significado na experiência com equações. Além disso, a atividade oportuniza aos estudantes o desenvolvimento de habilidades de comunicação e de trabalho em equipe, que incluem respeito, cooperação e participação ativa. O resultado é o aprimoramento de conhecimentos, à medida que aprendem com os colegas e compartilham o que sabem

Palavras-chave


Circuito de questões; Aprendizagem ativa; Interação; Ensino Fundamental

Texto completo:

PDF/A

Referências


Barros, C. S. G. (1996). Psicologia e construtivismo. São Paulo: Ática.

Becker, F. (2015). Educação e construção do conhecimento: revista e ampliada. 2. Porto Alegre: Penso.

Brasil. (2018). Base Nacional Comum Curricular: Educar é a base. Brasília: MEC.

Brasil. (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF.

Castelo, J. A. M. (2013). Resolução de equações quadráticas: um resgate histórico dos métodos e uma proposta de aplicação da Sequência Fedathi no seu ensino (Dissertação de Mestrado em Ensino de Matemática). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

Castorina, J. A. (2000). O debate Piaget-Vygotsky: a busca de um critério para sua avaliação. In: Castorina, J. A. Piaget-Vygotsky: novas contribuições para o debate. 6.ed. São Paulo: Ática.

Filho, M. L. de S. (2008). Relações entre aprendizagem e desenvolvimento em Piaget e em Vygotsky: dicotomia ou compatibilidade?. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 8(23), 265-275.

Franco, S. R. K. (2000). O construtivismo e a educação. 8.ed. rev. e ampl. Porto Alegre: Mediação.

Kuroiwa, E. T. N. (2016). Uma abordagem peculiar da equação do segundo grau (Dissertação de Mestrado em Matemática). Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Presidente Prudente.

Lefrançois, G. R. (2016). Teorias da aprendizagem: o que o professor disse. 6. ed. São Paulo: Cengage Learning.

Lerner, D. (2000). O ensino e o aprendizado escolar: argumentos contra uma falsa oposição. In: Castorina, J. A. Piaget-Vygotsky: novas contribuições para o debate. 6.ed. São Paulo: Ática.

Lima, I. G. de & Sauer, L. Z. (2015). Active learning based on interaction and cooperation motivated by playful tone. In: Anais da XIII Active Learning in Engineering Education Workshop (pp. 374-379). Espanha: Aalborg University Press.

Modtkoski, H. M. (2016). Conceito matemática x algoritmo: construção do conhecimento ou simples mecanização? (Dissertação de Mestrado em Educação). Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Moreira, M. A. (2011). Teorias de aprendizagem. 2. ed. ampl. São Paulo: EPU.

Motta, J. M. (2000). Abordagem da equação do 2º grau através da resolução de problemas: uma aplicação no ensino fundamental (Trabalho de conclusão de curso em Licenciatura em Matemática). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Oliveira, M. K. de. (2000). Pensar a educação: contribuições de Vygotsky. In: Castorina, J. A. Piaget-Vygotsky: novas contribuições para o debate. 6.ed. São Paulo: Ática.

Oliveira, M. K. de. (1992). Vygotsky e o processo de formação de conceitos. In: La Taille, Y. de; Oliveira, M. K. de & Dantas, H. Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus.

Puhl, C. S. (2016). Números complexos: interação e aprendizagem (Dissertação de Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática). Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul.

Santana, L. T. de. (2013). A inserção da História da Matemática no ensino da equação do 2º grau (Trabalho de conclusão de curso em Matemática). Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande.




DOI: https://doi.org/10.5007/1981-1322.2019.e57310

Indexadores, diretórios e base de dados:

                                                                     

 

REVEMAT: R. Eletr. Educ. Mat., UFSC/MTM/PPGECT, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1981-1322.
 
 

 Licença Creative Commons
Está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.