Que horas são? Roberto Schwarz e a crítica do contemporâneo

Leonardo Octavio Belinelli de Brito

Resumo


O artigo analisa as formulações de Roberto Schwarz a respeito da contemporaneidade mundial e brasileira, as quais são inseparáveis. Tomaremos como objetos de análise alguns dos ensaios que o crítico publicou em diversos de seus livros, desde O pai de família e outros estudos, passando por Que horas são?, por Sequências brasileiras e chegando até Martinha versus Lucrécia. A proposta interpretativa do texto é a de que a obra de Schwarz pode ser interpretada como uma reflexão constante – portanto, sempre atualizada - sobre os impasses da modernização brasileira Neste sentido, o trabalho também buscará observar como a dialética materialista, método utilizado por Schwarz, pode indicar as conexões entre os diversos planos que compõem a vida nacional.


Palavras-chave


Roberto Schwarz; tradição crítica brasileira; dialética materialista; modernização brasileira

Texto completo:

PDFA

Referências


ADORNO, Theodor. Teoria Estética. Lisboa, Edições 70. 2015.

ALAMBERT, Francisco. Realidade Tropical. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. São Paulo, Nº54, p.139-150, 2012. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rieb/article/view/49116/53194, consultado em 16/05/2016

ARANTES, Paulo. Sentimento da dialética na experiência intelectual brasileira – dialética e dualidade segundo Antonio Candido e Roberto Schwarz. São Paulo, Paz e Terra. 1992.

ARANTES, Otília Beatriz Fiori e ARANTES, Paulo Eduardo. O sentido da formação hoje. Praga – estudos marxistas. Nº4, P. 95-107. Dezembro de 1997.

CEVASCO, Maria Elisa. Modernização à brasileira. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. São Paulo, nº59, p.191-212, Dezembro de 2014. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rieb/article/view/89042/91945 consultado em 16/05/2016

GIL, Gilberto e VELOSO, Caetano. Debate na FAU. In: Cohn, Sérgio e Coelho, Frederico (orgs). Tropicália. Rio de Janeiro, Azougue Editorial. 2012.

GONÇALVES, Anderson; OTSUKA, Edu Teruki e RABELLO, Ivone Daré. O retratista e os intelectuais às voltas com 1964. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. São Paulo, n.57, p.327-348, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0020-38742013000200014, consultado em 16/05/2016

MOURA, Flávio. Um crítico no redemoinho. Tempo Social (Revista de Sociologia da USP), vol. 23, nº2, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0020-38742013000200014, consultado em 16/05/2016.

OLIVEIRA, Francisco. De novo, o apocalipse, ou da inutilidade de (o) ser humano. Novos Estudos CEBRAP, nº46, Julho de 1993. Disponível em: http://novosestudos.uol.com.br/v1/files/uploads/contents/70/20080625_o_colapso_da_modernizacao.pdf, consultado em 16/05/2016.

OLIVEIRA, Francisco. Crítica à razão dualista/O ornitorrinco. São Paulo, Boitempo Editorial. 2003.

OLIVEIRA, Francisco. “Um crítico na periferia do capitalismo” in: CEVASCO, Maria Elisa e OHATA, Milton (orgs). Um crítico na periferia do capitalismo: reflexões sobre a obra de Roberto Schwarz. São Paulo, Companhia das Letras. 2007. pp. 149-152.

RABELLO, Ivone. O som ao redor: sem futuro, só revanche? Novos Estudos CEBRAP, nº101, Março de 2015. Disponível em: http://novosestudos.uol.com.br/v1/files/uploads/contents/content_1590/file_1590.pdf, consultado em 16/05, 2016.

RODRIGUES, Lidiane. Leitores e leituras acadêmicas de Karl Marx (São Paulo, 1958-1964). Intelligere, Revista de História Intelectual – v.2, n.1 [2], 2016.

SCHWARZ, Roberto. Sequências brasileiras. São Paulo, Companhia das Letras. 1999.

SCHWARZ, Roberto. O pai de família e outros estudos. São Paulo, Companhia das Letras. 2008.

SCHWARZ, Roberto. Um mestre na periferia do capitalismo. São Paulo, Editora 34. 2008b.

SCHWARZ, Roberto. Martinha versus Lucrécia. São Paulo, Companhia das Letras. 2012.

SCHWARZ, Roberto. Ao vencedor as batatas. São Paulo, Editora 34. 2012b.

SCHWARZ, Roberto. Que horas são?. São Paulo, Companhia das Letras. 2012c.

VELOSO, Caetano. Verdade Tropical. São Paulo, Companhia das Letras. 2008.

VELOSO, Caetano. Proibido proibir. In: Cohn, Sérgio e Coelho, Frederico (orgs). Tropicália. Rio de Janeiro, Azougue Editorial. 2012.

WAIZBORT, Leopoldo. A passagem do três ao um. São Paulo, Cosac Naify. 2007.

WAIZBORT, Leopoldo (2009).Roberto Schwarz: entre forma literária e o processo social in: BOTELHO, André; SCHWARCZ, Lilia (org). Um enigma chamado Brasil – 29 intérpretes e um país. São Paulo, Companhia das Letras. 2009. P. 406-417.




DOI: http://dx.doi.org/10.5007/2178-4582.2017v51n2p289

Direitos autorais 2017 Leonardo Octavio Belinelli de Brito

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Ci. Hum. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe 2178-4582

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

 

.