Problematizações das práticas de promoção da saúde a partir do biopoder

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2178-4582.2019.e39080

Palavras-chave:

Biopoder, Promoção de Saúde, Medicalização, Segurança, Dispositivo

Resumo

Este artigo aborda a emergência da promoção de saúde como dispositivo de biopoder, que opera pela medicalização da população, pela educação em saúde, pela economia política e pela segurança. O texto é fruto de um recorte de parte de uma pesquisa histórica e documental, realizada como Tese de Doutorado em Psicologia. Os estudos de Michel Foucault a respeito do biopoder nos auxiliaram a analisar as práticas de promoção de saúde, em seus efeitos de saber e de poder, em um entrecruzamento de forças múltiplas. A prevenção e a promoção de saúde colocam os corpos em uma condição de controle minucioso e totalizante das condutas, compondo um dispositivo. Concluímos, afirmando que a salvação da saúde passa a ser uma verdadeira religião, na atualidade, em um crescente mercado de consumo de tecnologias sociais, com o empresariamento da vida, no neoliberalismo.

Biografia do Autor

Flávia Cristina Silveira Lemos, Universidade Federal do Pará, Belém/PA, Brasil

Psicóloga/UNESP. Mestre em Psicologia Social/UNESP. Doutora em História/UNESP. Bolsista de produtividade em pesquisa CNPQ2. Profa. adjunta IV de psicologia social/UFPA.

Ana Lopes, Universidade Federal do Sul de Santa Catarina, Florianópolis/SC, Brasil

Psicóloga/UFSC. Mestre em Psicologia/UFSC. Doutora em Psicologia/UFSC. Professora de Psicologia na Universidade do Sul de Santa Catarina, Florianópolis/SC, Brasil.

Dolores Galindo, Universidade Federal do Mato Grosso, Cuiabá/MT, Brasil

Psicóloga/UFPE. Mestre e Doutora em Psicologia Social/PUC-SP. Professora adjunta IV em Psicologia Social/UFMT.

Kleber Prado Filho, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis/SC, Brasil

Psicólogo/UFMG. Doutor em sociologia/USP. Professor de Psicologia/UFSC.

Rachel Siqueira Dias, Universidade Federal do Pará, Belém/PA, Brasil

Psicóloga. Mestranda em Psicologia/UFPA.

Referências

AROUCA, Sérgio. (2003). O dilema preventivista: contribuição para a compreensão e crítica da medicina preventiva. São Paulo: UNESP; Rio de Janeiro: FIOCRUZ.

BRASIL. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988. Brasília, DF, 5 de outubro de 1988.

BRASIL. (1986a). Ministério da Saúde. Anais da VIII Conferência Nacional de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2010). Ministério da Saúde. Consolidado Histórico de Cobertura de Saúde da Família. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/abnumeros.php. Acesso em: 12 fev. 2010.

BRASIL. (2006c). Ministério da Saúde. Diretrizes operacionais dos Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão. Brasília: Ministério da Saúde.

BRASIL. (2006b). Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/webpacto/text_atencao.pdf. Acesso em: 09 mar. 2009.

BRASIL. (2006a). Ministério da Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/webpacto/volumes/07.pdf. Acesso em: 09 mar. 2009.

CANGUILHEM, Georges. (2002). O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232003000100010&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 15 maio 2008.

COSTA, Jurandir Freire. (1983). Ordem médica e norma familiar. (2a.ed.) Rio de Janeiro: Graal.

COSTA, Jurandir Freire. (1990) ¿Qué es un dispositivo? In Ernest Balbier et al. Michel Foucault, filósofo. (2a. ed.) (pp. 155-163). Barcelona: Gedisa.

FOUCAULT, Michel. (2008a). A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

FOUCAULT, Michel. (2011). Crise da medicina ou crise da anti-medicina. In Manoel Barros da Motta (Org.) Foucault: arte, epistemologia, filosofia, história da medicina. (Ditos e Escritos VII). (pp.374-373). Rio de Janeiro: São Paulo: Forense Universitária.

FOUCAULT, Michel. (1999). Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes.

FOUCAULT, Michel. (2004). Ética do cuidado de si como prática de liberdade In Manoel Barros da Motta (Org.) Foucault: ética, sexualidade e política. (Ditos e Escritos VII). (pp.264-287). Rio de Janeiro: São Paulo: Forense Universitária.

FOUCAULT, Michel. (1988a). História da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal.

FOUCAULT, Michel. (1988c). História da sexualidade: o cuidado de si. Rio de Janeiro: Graal.

FOUCAULT, Michel. (1988b). História da sexualidade: o uso dos prazeres. Rio de Janeiro: Graal.

FOUCAULT, Michel. (1992). Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal.

FOUCAULT, Michel. (2008c). Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes.

FOUCAULT, Michel. (1994). O nascimento da clínica. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

FOUCAULT, Michel. (1995a). O sujeito e o poder. In Hubert Dreyfus & Paul Rabinow. Michel Foucault: uma trajetória filosófica. (pp.231-251). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

FOUCAULT, Michel. (1995b). Sobre a genealogia da ética: uma revisão do trabalho. In Hubert Dreyfus & Paul Rabinow. Michel Foucault: uma trajetória filosófica. (pp.231-251). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

FOUCAULT, Michel. (2008b). Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes.

FOUCAULT, Michel. (1997a).Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes.

KUJAWA, Henrique; BOTH, Valdevir; BRUTSCHER, Volmir. (2003). Direito à saúde com controle social. Passo Fundo: Fórum Sul de Saúde; CEAP.

LOPES, Ana Maria. (2010) Saúde no processo de democratização brasileiro: promoção da saúde, biopolíticas e práticas de si na constituição de sujeitos da saúde. Tese de Doutorado, defendida no Programa de Pós-graduação em Psicologia – UFSC.

MACHADO, Roberto et al. (1978). Danação da norma: a medicina social e constituição da psiquiatria no Brasil. Rio de Janeiro: Graal.

NUNES, João Arriscado. (dez. 2009). Saúde, direito à saúde e justiça sanitária. Revista Crítica de Ciências Sociais, 87: 143-169.

PRADO-FILHO, Kleber. (2006). Michel Foucault: uma história da governamentalidade. Rio de Janeiro: Insular; Achiamé.

PRADO-FILHO, Kleber. (2010). Uma genealogia das práticas de normalização nas sociedades ocidentais modernas. In Caponi, Sandra (Org). Medicalização da vida: ética, saúde pública e indústria farmacêutica. (pp. 183-191). Palhoça: Unisul, 2010.

ROSE, Nikolas. (2011). Inventando nossos selfs. Psicologia, poder e subjetividade. Rio de Janeiro: Vozes.

ROSEN, George. (1994). Uma história da saúde pública. São Paulo: Hucitec; UNESP; Rio de Janeiro: ABRASCO.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. (1984). Discussion document on the concept and principles. In Health promotion: concepts and principles, a selection of papers presented at working group on concepts and principles. (pp. 20-24). Copenhagen: Regional Office for Europe.

Downloads

Publicado

2019-12-16

Edição

Seção

Artigos