Ser Operário da Construção Civil é Viver a Discriminação Social

Livia de Oliveira Borges, Tamara Palmieri Peixoto

Resumo


A pesquisa objetivou estudar as discriminações e os preconceitos sociais que afetam simultaneamente a vida do operário e as práticas de gestão na construção de edificações em Belo Horizonte. Adota-se uma
perspectiva de análise psicossociológica, estudando os fenômenos em seu contexto socioeconômico e político. Quanto ao método,  aplicaram-se três estratégias: análise de conteúdo de 22 boletins do sindicato trabalhista, um survey com aplicação de questionários estruturados em uma amostra de 361 operários e entrevistas individuais e semiestruturadas de dois operários. Os resultados apontaram o predomínio de formas veladas do preconceito e as vivências dos operários enquanto minoria social, abrangendo o desenvolvimento de atitudes de resignação que cristalizam e naturalizam a discriminação social. O saber operário é ignorado, e é enfatizada a carência do conhecimento formal que o exogrupo domina. Aponta-se a necessidade da gestão organizacional no setor de edificações incorporar e aprender práticas sociais questionadoras, contribuindo para transformar a situação social.

Palavras-chave: operários, preconceito, condições do trabalho, perspectiva psicossociológica.


Texto completo:

PDF () PDF


Rev. Psi: Org e Trab R. Eletr. Psico., ISSN 1984-6657, Brasília, Brasil.