A construção de rotinas defensivas: um estudo das deficiências de aprendizagem de uma escola de idiomas

Marcílio Lima, Narbal Silva

Resumo


O presente trabalho aborda o tema "deficiências de aprendizagem nas organizações". O estudo foi realizado em uma escola de idiomas considerada líder de mercado em seu segmento nas localidades onde atua. A abordagem escolhida para a pesquisa de campo foi a qualitativa. Trata-se de um estudo de caso. O instrumento utilizado de coleta de conteúdos foi a entrevista frouxamente estruturada aliada à observação não estruturada dos autores do artigo, a partir de encontros informais na organização pesquisada. Os participantes da pesquisa, em número de cinco, ocupam cargos de direção e coordenação. Os modelos de Shaw e Perkins (1993) e Senge (1990), pertinentes às deficiências de aprendizagem organizacional, foram utilizados como referência para a elaboração do instrumento de coleta, como também para a acomodação dos conteúdos em categorias temáticas. As principais barreiras ao aprendizado organizacional reveladas pelo estudo foram as seguintes: ausência de espaço para livre expressão, restrição à experimentação de novas abordagens, comunicação organizacional deficiente, distância entre o discurso e as práticas e insensibilidade à percepção de mudanças sutis e graduais do ambiente externo. O estudo concluiu que, se as deficiências de aprendizagem identificadas fossem removidas ou pelo menos minimizadas, a performance da organização poderia ser significativamente ampliada.

Palavras-chave


Organizações. Organizações de aprendizagem. Deficiências de aprendizagem. Rotinas defensivas. Organizations. Leraning organization. Learning deficiencies. Defensive routines.

Texto completo:

PDF


Rev. Psi: Org e Trab R. Eletr. Psico., ISSN 1984-6657, Brasília, Brasil.