Justiça nas organizações: um modelo tetra-dimensional

Arménio Rego, Maria Tereza Carvalho, Regina Leite, Carla Freire, Armando Vieira

Resumo


O estudo expõe evidência empírica atinente à dimensionalização do construto das percepções de justiça organizacional. A amostra é composta por 366 indivíduos, que foram convidados a reportar as suas percepções de justiça e os seus níveis de comprometimento afectivo. As análises factoriais confirmatórias sugerem que o modelo de quatro dimensões de justiça (distributiva, procedimental, interpessoal, informacional) se ajusta melhor aos dados do que o modelo de três dimensões (em que as vertentes interpessoal e informacional são agregadas numa mesma componente interaccional) e o de duas dimensões (as vertentes procedimentais e interaccionais foram agregadas num só factor). A consideração separada das quatro dimensões também faculta poderes explicativos superiores para o comprometimento afectivo. Os resultados sugerem que o instrumento de medida das percepções de justiça denota boas propriedades psicométricas, e que o modelo tetra-dimensional merece ser considerado mais atentamente em estudos posteriores.

Palavras-chave


Justiça distributiva. Justiça procedimental. Justiça interpessoal. Justiça informacional. Comprometimento organizacional afectivo. Distributive justice. Procedural justice. Interpersonal justice. Informational justice. Affective organizational commitm

Texto completo:

PDF


Rev. Psi: Org e Trab R. Eletr. Psico., ISSN 1984-6657, Brasília, Brasil.