A sobrevivência como estratégia para suportar o sofrimento no trabalho bancário

Sonia Resende, Ana Magnólia Mendes

Resumo


O artigo relata a investigação das vivências de prazer e sofrimento e suas relações com os valores individuais no trabalho bancário. O foco recai sobre a representação do valor do trabalho, no sentido de verificar se o trabalho promove identidade e realização ou se tem um significado de sobrevivência, considerando a falta de opção no mercado e o medo da exclusão. São utilizadas as teorias da Psicodinâmica do Trabalho e da Estrutura Universal dos Valores Humanos. Participaram da pesquisa 210 bancários da função de atendimento ao público, 51,9% do sexo masculino e 48,1% do sexo feminino, de instituições públicas (61,3%) e privadas (38,7%), com idade até 30 anos (59,2%); tempo de serviço de até 5 anos (57,2%), nível universitário (75,2%), remuneração entre 1 e 5 salários mínimos (48,3%). Foram aplicados o Inventário de Valores de Schwartz e a Escala de Indicadores de Prazer-Sofrimento no Trabalho, ambos validados. Utilizou-se estatística descritiva, teste “t” e regressões lineares. Os resultados apontam que os bancários vivenciam prazer e sofrimento de forma moderada. A correlação entre os fatores de prazer-sofrimento e valores é frágil, levando a concluir que o sofrimento desses trabalhadores não está sendo influenciado pelas características individuais, mas possivelmente, segundo postulados da Psicodinâmica do Trabalho, pela organização do trabalho.

Palavras-chave


Psicodinâmica. Prazer-sofrimento no trabalho. Valores humanos. Psychodynamics. Pleasure-suffering in the work fiel. Human values.

Texto completo:

PDF


Rev. Psi: Org e Trab R. Eletr. Psico., ISSN 1984-6657, Brasília, Brasil.