Redes sociais e mudança em um grupo de produtores rurais do planalto central

Autores

  • Elaine Rabelo Neiva UnB - Brasília - DF
  • Maria Júlia Pantoja de Brito UnB - Brasília - DF

Palavras-chave:

Mudança organizacional. Reações à mudança. Redes sociais. Organizational change. Reactions toward change. Social networks

Resumo

Vários estudos que investigam mudança nas organizações se focam nas atitudes percebidas pelos indivíduos frente à mudança. Quando os indivíduos de uma organização são informados a respeito de uma mudança, eles formam crenças e idéias que questionarão como a mudança irá afetar as características do trabalho do indivíduo, se a organização é capaz de realizar a mudança de tal forma que os objetivos principais sejam alcançados, e se a mudança casa com os valores do indivíduo. As relações sociais em que cada indivíduo está inserido podem ser vistas como uma rede. Assim, dentro de um contexto específico organizacional, o estudo das redes se torna extremamente importante na investigação de processos que envolvem relações informais, pois estes muitas vezes consolidam a dinâmica organizacional e processos de tomada de decisão. O presente estudo tem por objetivo descrever e analisar a estrutura social e as reações dos indivíduos durante a implantação de uma associação de produtores rurais do Distrito Federal. Entrevistas semi-estruturadas e um questionário para investigar as redes sociais de amizade, informação, confiança e influência foram utilizados como metodologia do estudo. Participaram do estudo 15 produtores rurais e 5 profissionais de uma empresa de extensão rural do Distrito Federal As entrevistas ressaltaram a característica solitária do trabalho do produtor, vinculado a seu pequeno negócio. Os resultados indicaram que as reações à mudança foram de desconfiança e temor. O grau de confiança do grupo no indivíduo que propõe a introdução das mudanças e as experiências anteriores com outras associações foram determinantes para a participação do produtor. Os resultados das redes sociais indicaram ainda redes com pouca interação e possibilidade de crescimento. O estudo também indicou atores importantes para melhor estruturação das redes.

Biografia do Autor

Elaine Rabelo Neiva, UnB - Brasília - DF

Graduação em Psicologia pela UnB (1995), mestrado em Psicologia pela UnB (1999), doutorado em Psicologia pela UnB (2004) e Estágio Doutoral no Exterior - Doutorado Sanduiche pela UCM (2003). Atualmente é professor da UnB.

Mais informações: Currículo Lattes - CNPq.

Downloads

Publicado

2008-12-28

Edição

Seção

Artigos