O que se aprende com as princesas da DISNEY?

Autores

  • Michelle Brugnera Cruz Cechin Faculdade Porto-Alegrense

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2014n29p131

Palavras-chave:

Educação Infantil, Princesas, Disney, Pedagogias Culturais, Subjetivação, Early Childhood Education, Princesses, Cultural pedagogies, Subjectivity

Resumo

Neste artigo, problematiza-se os modos como as imagens femininas são produzidas pelas grandes corporações de brinquedos, focalizando as bonecas princesas da Disney. Discute-se o modo como essas imagens estereotipadas produzem efeitos nas subjetividades infantis. A criação dessas personagens está ligada a uma representação do ideal de feminilidade da cultura contemporânea: brancas, ocidentais, heterossexuais, ostentando os ideais da nobreza e da burguesia. Por estarem presentes na cultura lúdica infantil, é preciso que se problematize a pedagogia cultural dessas personagens, que apresentam modos de subjetivação das crianças, ensinando-as sobre o “mundo encantado Disney”.

 

Biografia do Autor

Michelle Brugnera Cruz Cechin, Faculdade Porto-Alegrense

Graduada em Pedagogia (2005) pela Faculdade Porto-Alegrense. Especialista em Psicopedagoga (2007), Neuropsicopedagogia (2013) e Educação Especial (2013)

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Vida para Consumo. São Paulo: Zahar, 2008.

CANTON, Kátia. E o Príncipe Dançou... O conto de fadas, da tradição oral à dança contemporânea. São Paulo: Ática,1994.

CORSO, Diana. CORSO, Mário. A Psicanálise na Terra do Nunca. Porto Alegre: Artmed, 2011.

COSTA, Jurandir Freire. Sem Fraude nem Favor, estudos sobre o amor romântico. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

CUNHA, Susana R. Vieira da. As Transformações da Imagem na Literatura Infantil. In: Pillar, Analice Dutra (org.) A Educação do Olhar. Porto Alegre: Mediação, 1999.

DELEUZE, Gilles. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 1998.

DISNEY CONSUMER PRODUCTS. Toys. 2007. Disponível em: http://licensing.disney.com/Home/display.jsp?contentId=dcp_home_ourbusinesses_toys&forPrint=false&language=en&preview=false&region=0 . Acesso em: 10 de out. de 2011.

FELIPE, Jane. Afinal, quem é mesmo pedófilo? Cadernos Pagu, n. 26. Campinas, 2006. P. 201-223.

FOUCAULT, Michel. A Hermenêutica do Sujeito: curso dado no Collège de France (1981-1982). São Paulo: Martins Fontes 2004.

FOUCAULT, Michel. O cuidado de si. In: FOUCAULT, M. História da sexualidade. V. 3: Rio de Janeiro, Graal,1998b.

GABLER, Neil. Walt Disney: o triunfo da imaginação americana. Tradução Ana Maria Mandim. Osasco: Novo Século, 2009.

GIROUX, Henri. A Disneyzação da Cultura Infantil. In: Silva, Tomaz Tadeu; Moreira, Antônio Flávio. Territórios contestados. Campinas: Mercado das Letras, 1995a.

GIROUX, Henri. Memória e Pedagogia no Maravilhoso Mundo Disney. In: Silva, Tomás Tadeu da. Alienígenas em sala de aula. Petrópolis, Vozes, 1995b.

GIROUX, Henri. Os filmes da Disney são bons para seus filhos? In: STEINBERG, Shirley R. KINCHELOE, Joe L. Cultura Infantil: a construção corporativa da infância. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

HURLEY, D. L. Seeing White: Children of Color and the Disney Fairy Tale Princess. The Journal of Negro Education; Summer 2005; 74, 3; Research Library

p. 221.

LACROIX, Celeste. Images of Animated Others: The Orientalization of Disney's Cartoon Heroines From The Little Mermaid to The Hunchback of Notre Dame. DepartmenI of Communication. College of Charleston. Geori-e Street. Charleston, 2004.

LARROSA, Jorge. Tecnologias do eu e educação. In: Silva, T. T. da (org.). O sujeito da educação: estudos foucaultianos. Petrópolis: Vozes, 1996.

MALFROID, Kirstein. Gender, Class, and Ethnicity in the Disney Princesses Series. Universiteit Gent Faculteit Letteren en Wijsbegeerte, 2009.

MATYAS, Vanessa. Tale As Old As Time: A Textual Analysis of Race and Gender in Disney Princess Films. Graduate Major Research Papers and Multimedia Projects, 2010.

ROZARIO, Rebecca-Anne. C. The Princess and the Magic Kingdom: Beyond Nostalgia, the Function of the Dis...Women's Studies in Communication, 2004; 27, 1; Research Library pg. 34.

SILVA, Tomaz Tadeu. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

SILVERMAN, Rachel Anne. New Dreams, Old Endings: Searching for “A Whole New World” in Disney Second-Wave Animated Romance Films. Faculty of Wesleyan University. Departmental Honors in Sociology, 2009.

WARNER, Marina. Da Fera à Loira: sobre contos de fadas e seus narradores. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

WOHLWEND, Karen E. Damsels in Discourse: Girls Consuming and Producing Identity Texts Through Disney Princess Play Reading. Research Quarterly 44(1) p. 57–83, 2008.

Downloads

Publicado

2014-01-09