O sentimento de pertencimento social como um direito básico e universal

Rosana Carneiro Tavares

Resumo


Este trabalho apresenta o estudo da condição humana, elaborado por Doyal e Gough (1994), fazendo interface com a Psicologia Social Crítica. Esses autores propõem uma compreensão objetiva e universal das necessidades humanas, e incluem, na esfera dos direitos sociais, que devem ser providos pelo Estado, necessidades que extrapolam a necessidade material. Os referenciais sócio-históricos da desigualdade social, pela perspectiva dialética, são estruturantes das discussões aqui desenvolvidas. A interface com a Psicologia Social Crítica é possível quando os autores incluem fatores psicossociais nas necessidades básicas de todo ser humano, evidenciando que o enfrentamento da desigualdade social deve superar o modelo de política pública, que transforma perversamente a exclusão social em inclusão, sem considerar as diversas formas de legitimação social que determinam ou que são determinadas pela desigualdade.


Palavras-chave


Autonomia pessoal; Desigualdade social; Psicologia social; Políticas públicas

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-8951.2014v15n106p179

Direitos autorais 2014 Rosana Carneiro Tavares

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada sob uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.

 

Cad. de Pesq. Interdisc. em Ci-s. Hum-s., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1984-8951.