Normalização e biopolítica em psiquiatría e saúde mental

Jorge Márquez Valderrama

Resumo


Muitas das questões desenvolvidas por Michel Foucault levantam hoje novos interrogantes sobre as sociedades nas que vivemos. Na crítica do conceito de medicalização, elaborada a partir dos anos 1970, tem se tentado projetar uma especie de superação do planteamento de Foucault acerca da sociedade que emerge com a modernidade ocidental. A ligereiza na abordagem deste tema basea-se na falta de cuidado das ciências sociais ao respeito da normalização como tal e da maneira como Foucault expôs dito conceito. Aborda-se neste artigo o trabalho do autor francês através de novas leituras que permitam dilucidar sua conceiçao da normalização. Explora-se a principal fonte deste conceito, assim como alguns dos estudos recentes, para delimitá-lo e assinalar sua atualidade para a compreensão de aspectos vitais das sociedades contemporâneas. 


Palavras-chave


Normalização; Biopolítica; Psiquiatria; Saúde mental; Risco

Texto completo:

PDF/A (Español (España))


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-8951.2014v15n107p29

Direitos autorais 2014 Jorge Márquez Valderrama

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada sob uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.

 

Cad. de Pesq. Interdisc. em Ci-s. Hum-s., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1984-8951.