Educação ambiental efetiva: a relação do homem com a natureza e a necessária mudança de atitudes e de valores éticos e morais

Vinicius Diniz e Almeida Ramos, Márcio Oliveira Portella

Resumo


Desde a antiguidade, a filosofia procura compreender e interpretar a relação do homem com a natureza. A teoria socrática, por exemplo, introduz a ideia da moral, sobre a qual se edificam a ética e o direito. O racionalismo, por sua vez, domina os séculos XVII e XVIII, disseminando a ideia da natureza como máquina. Na contemporaneidade, a moralidade é vista como a capacidade, própria do homem, em controlar seus impulsos e desejos: o homem racional molda seus desejos à razão. Nesse espeque, é preciso repensar a educação ambiental (já consagrada em normas constitucionais e infraconstitucionais) como meio de promover uma nova relação do ser humano com a natureza, a partir das mudanças de atitudes e dos valores éticos e morais. Para tanto, imprescindível que o meio ambiente seja visto como parte integrante de um escopo maior, no qual estão presentes outros valores sociais, como a cultura, a política e a economia. Este é o papel da educação ambiental: promover mudanças de atitudes e de valores éticos e morais, desencadeando novos comportamentos, mais alinhados à preservação ambiental e à sobrevivência da própria espécie humana.


Palavras-chave


Educação Ambiental; Ética; Moral

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-8951.2016v17n110p27

Direitos autorais 2017 Vinicius Diniz e Almeida Ramos, Márcio Oliveira Portella

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada sob uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.

 

Cad. de Pesq. Interdisc. em Ci-s. Hum-s., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1984-8951.