(Re)pensando a História a partir da Literatura: Meu querido canibal, de Antônio Torres

Luciana Wrege Rassier

Resumo


O presente artigo analisa a articulação entre discurso historiográfico e discurso literário feita por Antônio Torres em Meu querido canibal (2000). Nesse romance, o autor resgata a figura de Cunhambebe, líder indígena da Confederação dos Tamoios, ao mesmo tempo em que denuncia aspectos nada heroicos de personagens consagradas pela história oficial. Ao “canibalizar” o discurso histórico, Torres desconstrói estereótipos e leva o leitor a refletir sobre o Brasil colonial e contemporâneo.


Palavras-chave


Literatura e história; Alteridade; Identidades.

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/29650

Revista Fragmentos, ISSNe 2175-7992, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.