A auto-ironia na poesia de Emily Dickinson

Carlos Daghlian

Resumo


Emily Dickinson ironiza-se de diversas maneiras e por vários motivos. A auto-ironia atinge a sua condição de mulher, inferiorizada numa sociedade eminentemente patriarcal, de pessoa incrédula e medrosa, que sente as deficiências e a pequenez dos seres humanos, e de poeta, às voltas com a precariedade do instrumento lingüístico, quando mais se evidencia sua ironia romântica. Por tratarem dos grandes temas que ela sempre abordou, como a vida, a morte, a fé e a salvação, os poemas auto-irônicos, muitas vezes de fundo biográfico, conduzem-nos à visão irônica do mundo, mas partindo sempre da auto-ironia.


Palavras-chave


Emily Dickinson; auto-ironia; ironia; ironia romântica

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/fragmentos.v34i0.8839

Revista Fragmentos, ISSNe 2175-7992, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.