"Intimate immensity" in Emily Dickinson

Maria Lúcia Milleo Martins

Resumo


Embora o mito de Emily Dickinson como poeta do isolamento seja amplamente conhecido, não se ajusta ao modelo de Pascal em “simplesmente sentar-se quieto no quarto”. A poeta que professa levar “uma vida de vulcão manso” parece antes confirmar a teoria de Bachelard sobre “imensidão íntima”. Imensidão, diz ele, é “o movimento do homem imóvel”. É algo a ser encontrado do lado de dentro através do poder de uma consciência imaginativa. Quando isso acontece, “estamos em outro lugar”. Juntando-se ao convite de Dickinson – “Saia a viajar conosco!” –, o itinerário desse estudo inclui rotas de “êxtase” e “evanescência” na “Cápsula do Vento / Cápsula da Mente”, “um passo de lava a qualquer hora”. Depois dessa experiência, entendemos que o isolamento para Dickinson não significa cativeiro mas “viver em Possibilidade - / Uma Casa mais justa que a Prosa” com “Aposentos de Cedros - / Impregnáveis de Olho” para o que não há limites.


Palavras-chave


Emily Dickinson; Gaston Bachelard; intimate immensity

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/fragmentos.v34i0.8843

Revista Fragmentos, ISSNe 2175-7992, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.