Caracterização socioeconômica e ambiental da população das comunidades rurais da chapada do Apodi/RN

Jorge Luís de Oliveira Pinto Filho, Gustavo Leite Gonçalves, Anderson Rodrigo da Silva Lunes

Resumo


Este trabalho tem por objetivo analisar os aspectos socioeconômicos e ambientais da população das comunidades rurais da Chapada do Apodi/RN. Para isso, identificou-se com entrevistas o perfil socioeconômico e ambiental da população e, determinou-se com matriz de interação os conflitos existentes na área de estudo. Contatou-se que a maioria da população tem ensino fundamental incompleto, desenvolve atividades de agricultura, pecuária e produção de mel, que proporcionam renda familiar de até um salário mínimo. Evidenciou-se conflitos socioeconômicos e ambientais entre agronegócio e a agricultura familiar. Portanto, para atenuar a problemática investigada faz se necessário desenvolver diretrizes de Gestão Ambiental. 

 


Palavras-chave


Agronegócio; Agricultura familiar; Conflitos socioambientais

Texto completo:

PDF/A

Referências


ARAÚJO, M. J. Fundamentos dos agronegócios. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

ARRUDA, A. A. Entre a Ordem e a Des(Ordem): A Construção doTerritório Matogrossense para/pelo Agronegócio. Baru, V. 2(1), pp.45-70, 2016.

BABBIE, E. Métodos de Pesquisas de Survey. 1. ed. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

BEZERRA, J. E. Redes de supermercados e a governança do setor agroalimentar: a produção de frutas no Nordeste brasileiro. RAEGA: o espaço geográfico em análise, Curitiba, v. 42, n. 58, p.104-119, dez. 2017.

BOLFARINE, H.; BUSSAB, W.O. Elementos de Amostragem. São Paulo: Blucher, 2005.

BALASSIANO, M.; SEABRA, A. A.; LEMOS, A. H. Escolaridade, salários e empregabilidade: tem razão a teoria do capital humano? RAC, v.9, n.4, p.31-52, 2005.

CARNEIRO, F. F.; RIGOTTO, R. M.; PIGNATI, W. Frutas, cereais e carne do Sul: agrotóxicos e conflitos ambientais no agronegócio no brasil. RAEGA: O espaço geográfico em análise, Curitiba, v. 17, p.10-30, 2012.

CARVALHO, H. G.; TORRES, M. B. Horizontalidades e resistência: perspectivas para a construção cidadã das comunidades rurais Da chapada do APODI – RN. Revista IDeAS, v. 9, n. 2, p. 74-97, 2015.

CARVALHO, A. de P.; RODRIGUES, M. A. N. Percepção Ambiental De Moradores No Entorno Do Açude Soledade No Estado Da Paraíba. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, Santa Maria, v. 19, n. 3, p.25-35, dez. 2015.

CORLETO, F. A micro bacia do Passa Vinte, Palhoça - SC e o problema das inundações. Dissertação (Mestrado em Engenharia Sanitária e Ambiental) Universidade Federal de Santa Catarina, 1998.

DERÍSIO, J. C. Introdução ao controle da poluição ambiental. 4. ed. São Paulo. Editora: Oficina de Textos, 2012, 224.

DOLINSKA, A.; D’AQUINO, P. Farmers as agents in innovation systems. Empowering farmers for innovation through communities of practice. Agricultural System, Nº 142, 122–130 p, 2016.

FAURO, J. C. da S.; TONIOL, F. P. da F.; SERRA, E. Técnicas agrícolas, preservação e impactos ambientais na região oeste do Paraná. RAEGA: o espaço geográfico em análise, Curitiba, v. 36, p.302-321, abr. 2016.

FERREIRA, M. J. M. et al. Gestão e uso dos recursos hídricos e a expansão do agronegócio: água para quê e para quem? Ciência & Saúde Coletiva, [s.l.], v. 21, n. 3, p.743-752, mar. 2016. FapUNIFESP (SciELO).

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza:UEC, 2002. Apostila.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social.6. ed. São Paulo: Editora Atlas S.A., 2008.

GUILHOTO, J. J. M. et al. A Importância da Agricultura Familiar no Brasil e em seus Estados. NEAD-FIBE, 2007.

HOLANDA, F. S. R. et al. Percepção dos ribeirinhos sobre a erosão marginal e a retirada da mata ciliar do rio São Francisco no seu baixo curso. Raega: O Espaço Geográfico em Análise, [S.l.], v. 22. ISSN 2177-2738. Curitiba, PR, Brasil, 2011.

HOSHINO, A. C. H. et al. Auto-perception of auditory and vestibular health in workers exposed to organophosphate. Rev CEFAC, 11(4):681–687, 2009.

IANNI, A. M. Z. A produção social do ambiente na periferia da metrópole: o caso da capela do Socorro, São Paulo, in: JACOBI, Pedro Roberto. Ciência ambiental: os desafios da interdisciplinaridade. São Paulo: Annablume - Fapesp, 2000.

IBGE. Panorama: Apodi-RN. 2018. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2018.

IDEMA (Rio Grande do Norte). Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos HÍdricos – Semarh. PERFIL DO SEU MUNICÍPIO: Apodi. 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2018.

LIMA, G. P. A produção do território no perímetro irrigado Curu-Pentecoste. 2005. 185 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestrado em Geografia, UECE, Fortaleza-Ce, 2005.

MATOS, P. F.; PESSOA, V. L. S. A modernização da agricultura no Brasil e os novos usos do território. Geo UERJ, v. 2, n. 22, p. 290 - 322, 2011.

MAZZALLI, L. O processo recente de reorganização agroindustrial: do complexo à organização “em rede”. São Paulo: Unesp, 2000, Coleção Prismas/PROPP. 175p.

MELAZO, C. G. Percepção ambiental e educação ambiental: uma reflexão sobre as relações interpessoais e ambientais no espaço urbano. Olhares e Trilhas, a.4, n.6, p. 45-51, 2005.

PESSOA, V. M.; RIGOTTO, R. M. Agronegócio: geração de desigualdades sociais, impactos no modo de vida e novas necessidades de saúde nos trabalhadores rurais. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, v. 37, n. 125, p. 65-77, 2012.

PINTO, M. do S. D. et al. O Conflito Socioambiental da Chapada do Apodi: uma análise sobre as violações de direitos do Projeto da Morte. Insurgência: revista de direitos e movimentos sociais, Brasília, v. 1, n. 2, 237-276 p, abr. 2016.

PONTES, A. G. V. et al. “Os perímetros irrigados como estratégia geopolítica para o desenvolvimento do semiárido e suas implicações à saúde, ao trabalho e ao ambiente”. Revista Ciência e Saúde Coletiva, Vol. 18, nº 11, 3213-3222 p, 2013.

PONTES, A. G. V. Saúde do Trabalhador e saúde ambiental: articulando universidade, SUS e movimentos sociais em território rural. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva). Universidade Federal do Ceará – UFC, 2012, 263 f.

PORTO, B. B. Práticas em saneamento rural: um estudo no contexto da agricultura familiar. 2016. 129 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-graduação em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos, UFMG, Belo Horizonte, 2016.

PORTO, M. F. Conferência Nacional de Saúde Ambiental: cadernos de textos. Desenvolvimento, Conflitos Socioambientais, Justiça e Sustentabilidade: desafios para a transição. In: GT Saúde e Ambiente da Abrasco, organizadores. Conferência Nacional de Saúde Ambiental: caderno de textos. Brasília: Abrasco; 2009. p. 84-91.

PORTO, M. F.; MILANEZ, B. Eixos de desenvolvimento econômico e geração de conflitos socioambientais no Brasil: desafios para a sustentabilidade e a justiça ambiental. Ciência & Saúde Coletiva, 14(6):1983-1994, 2009.

RIGOTTO, R. M. (Org.). Agrotóxicos, Trabalho e Saúde. Fortaleza-ce: UFC, 2011. 612 p.

RIGOTTO, R. M. et al. Dossiê Abrasco. Parte 3. Agrotóxicos, conhecimento científico e popular: construindo a ecologia de saberes. Porto Alegre, novembro de 2012.

RIGOTTO, R. M.; BRAGA. L. Q. V. Indígenas Tremembé e “trabalho escravo” na monocultura do coco: relatório de um estudo sobre o conflito e as suas repercussões na saúde », e-cadernos ces [Online], v. 17, 2012.

RIGOTTO, R. M.; FREITAS, B. M. C. (Org.). Perímetro Irrigado Santa Cruz de Apodi: Projeto de irrigação Santa Cruz Do Apodi – Rio Grande Do NORTE. 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2018.

RIGOTTO, R.M; TEIXEIRA A.C.A. Desenvolvimento e Sustentabilidade Socioambiental no Campo, na cidade e na Floresta In: CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL, 1. 2009, Brasília, DF. Caderno de texto. Brasília, DF: GT Saúde e Ambiente da ABRASCO, 2009.

RUIZ, J. A. Metodologia científica: guia para eficiência nos estudos. São Paulo: Atlas; 1992.

SÁNCHEZ, L. E. Avaliação de Impactos Ambientais: conceitos e métodos. 2 ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2012.

SACHS, I. Estratégias de Transição para do século XXI: Desenvolvimento e Meio Ambiente. São Paulo: Studio Nobel – Fundação para o desenvolvimento administrativo, 1993.

SANTILLI, J. Agrobiodiversidade e Direitos dos Agricultores. São Paulo: Editora Petrópolis, 2009.

SANTOS, J. C. dos. Desenvolvimento socioespacial do perímetro irrigado das Vilas I e II do Sabugi (zona rural - Caicó/RN). 2016. 104 f. TCC (Graduação) - Curso de Geografia, UFRN, Caicó-RN, 2016.

SEMARH. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos - SEMARH. Dados Setoriais 2004 -2007.Rio Grande do Norte, 2007. Acesso em: 10 dez. 2018.

SOUSA, E. M. de. O “Novo Modelo de Irrigação” e os colonos de Morada Nova: política para qual público? Dissertação. (Mestrado Acadêmico em Políticas Públicas e Sociedade) – Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2005.

WELCH, C.; FERNANDES, B. M. Agricultura e mercado: campesinato e agronegócio da laranja nos EUA e Brasil. In: PAULILO, E. T. e FABRINI, J. E. (orgs.). Campesinato e territórios em disputa. São Paulo: Expressão Popular, 2008.




DOI: https://doi.org/10.5007/1982-5153.2019v34n71p697

Geosul, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. eISSN 2177-5230

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.