Análise de sobrevivência de empresas: um estudo longitudinal da coorte de 2007 no Rio Grande do Sul

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2177-5230.2020v35n76p557

Palavras-chave:

Demografia de Empresas, Sobrevivência, Kaplan-Meier, Modelo de Cox

Resumo

Este trabalho propõe uma pesquisa empírica sobre a sobrevivência das empresas do Rio Grande do Sul para o período 2007-2013. É aplicado o procedimento de Kaplan-Meier para obter as funções de sobrevivência das empresas, conforme o local, a atividade econômica e o tamanho. Da mesma forma, aplica-se o procedimento de Cox, com a finalidade de determinar o efeito do tamanho das empresas sobre o tempo de sobrevivência. Os resultados obtidos mostram que a sobrevivência é relativamente maior: nas empresas com maior número de pessoas ocupadas; no setor da indústria de transformação e atividades financeiras; e localizadas na região Nordeste do Rio Grande do Sul.

Biografia do Autor

Carlos Hernán Rodas Céspedes, Universidade Federal do Pampa

Professor do Curso de Economia da UNIPAMPA

Adelar Fochezatto, Professor Titular da PUCRS. Pesquisador do CNPq

Professor e Pesquisador do Curso de Pós-Graduação em Economia da PUC-RS

Leandro Justino Pereira Veloso, PPGI/UFRJ

Estatístico e mestre em Informática pelo PPGI/UFRJ

Referências

AUDRETSCH, D. New-firm survival and the technological regime. The Review of Economics and Statistics, 73, N. 3, p.441-450, 1991.

AUDRETSCH, D.; MAHMOOD, T. The rate of hazard confronting new firm and plants in US manufacturing. Review of Industrial Organization, Volume 9, Issue 1, p. 41–56, 1994.

CALLEJON, M.; SEGARRA, A. Business dynamics and efficiency in industries and regions. The case of Spain. Small Business Economics. 13(4), p.253-271, 1999.

CALLEJON, M.; ORTÚN, V. La caja negra de la dinámica empresarial. Investigaciones Regionales. Asociación Española de Ciencia Regional. n.15 p.167-189, 2009.

CARVALHO, K.; FONSECA, L.F. O perfil da Demografia de Empresas no Brasil. Texto para discussão UFF/Economia. Universidade Federal Fluminense. TD 248, 2008.

CARVALHO, M.; ANDREOZZI, V.; CODEÇO, C.; CAMPOS, D.; BARBOSA, M.T.; SHIMAKURA, S. Análise de sobrevivência. Teoria e aplicações em saúde. Editora Fiocruz. Rio de Janeiro, 2011.

CONCEIÇÃO, O.C.; SARAIVA, M.V.; FOCHEZATTO, A.; FRANÇA, M.T.A. Brazil’s Simplified Tax Regime and the longevity of Brazilian manufacturing companies: A survival analysis based on RAIS microdata, Economia, V.19(2), p.164-186, 2018.

FOTOPOULOS, G.; LOURI, H. Location and Survival of New Entry. Small Business Economics. N.4, p.311-321, 2000.

FUENTELSAZ, L.; GÓMEZ, J.; POLO, Y. Aplicaciones del análisis de supervivencia a la investigación en economía de la empresa. Cuadernos de Economia y Dirección de la Empresa. N.19, pp.81-114. 2004.

GUERRA, O.; TEIXEIRA, F. A sobrevivência das pequenas empresas no desenvolvimento capitalista. Revista de Economia Política, vol.30, n. 1(117), pp. 124-139, janeiro-março/2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA – IBGE. Demografia das empresas. Estudos e pesquisas. Informação econômica. N. 25, 2013.

KAPLAN, E. L.; MEIER, P. Nonparametric Estimation from Incomplete Observations. Journal of the American Statistical Association, V. 53, N. 282, p. 457-481, 1958.

KLEINBAUM, D.; KLEIN, M. Survival Analysis. A Self-Learning Text. Springer, Terceira edição, 2012.

LOPEZ-GARCIA, P; PUENTE, S. Business Demography in Spain: Determinants of firm survival. Banco de España. Documentos de Trabajo, No 0608. 2006.

MARTINEZ, A. F. Determinantes de la supervivencia de empresas industriales en el área metropolitana de Cali 1994-2003. Centro Regional de Estudios Económicos. Cali. n.41, pp.1-39, 2006.

MOLINERO, LUIS. Modelos de regresión de Cox para el tiempo de supervivencia. Sociedad española de hipertensión. Liga española para la lucha contra la hipertensión arterial, 2001.

RESENDE, M., CARDOSO, V., FAÇANHA, L.O. Determinants of survival of newly created SMEs in the Brazilian manufacturing industry: an econometric study. Empirical Economics. v. 50 p.1255-1274. 2016.

SARMENTO, E.; NUNES, A. Análise comparativa de sobrevivência empresarial: o caso da região norte de Portugal. Estudos Regionais. Revista portuguesa de estudos regionais. n. 25/26, 2011.

SEGARRA, A.; CALLEJON, M. New firms survival and market turbulence: new evidence from Spain. Review of Industrial Organization, No. 20(1), p.1-14, 2002.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS –SEBRAE. Sobrevivência das empresas no Brasil. Outubro, 2016.

SUAZO, G.; PÉREZ, J. Demografia de Empresas em Chile. Estudios económicos estadísticos. Banco Central de Chile, No108, 2014.

TSVETKOVA, A.; THILL, J.C. Metropolitan innovation, firm size, and business survival in high-tech industry. Small Business Economics. N.43 p. 661-676, 2014.

VALOR ECONOMICO. IBGE: Metade das empresas fecha as portas no Brasil após quartos anos. 04 de setembro de 2015.

WENNBERG, K.; LINDQVIST, G. The effect of cluster on the survival and performance of new firms. Small Business Economics. N.34. p.221-241, 2010.

Downloads

Publicado

2020-10-27

Edição

Seção

Artigos