O problema da parceria entre o Parque Nacional do Monte Roraima e o povo indígena Ingarikó na Amazônia setentrional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2177-5230.2020v35n76p252

Palavras-chave:

Parque nacional, Território indígena, Conservação da biodiversidade, Segurança alimentar, Parceria

Resumo

Em face da situação de sobreposição, determinadas mudanças no cotidiano do povo Ingarikó acabam influenciando a conservação da biodiversidade na área também afetada ao Parque Nacional do Monte Roraima. Ao ignorar essas alterações, o órgão ambiental tem desperdiçado oportunidades de construção de soluções conjuntas com os indígenas. Essa realidade suscitou o objetivo de analisar a invisibilização do aumento da demanda do povo Ingarikó por bens naturais. A construção da reflexão foi possibilitada pelo cruzamento de informações oriundas de levantamento bibliográfico, análise documental, entrevistas e observações. Os dados indicaram que a escassez de bens naturais suscitou o aumento da pressão sobre determinados componentes da biosfera. Essa situação passou a demandar do órgão ambiental a adoção de um processo de gestão abrangente.

Biografia do Autor

Oseias Cordeiro Sartori, Universidade Federal do Amazonas

Bacharel em Gestão Ambiental (UFRR), Mestre em Geografia (UFRR) e Doutorando em Ciências do Ambiente (UFAM)

Henrique dos Santos Pereira, Universidade Federal do Amazonas

Graduado em Agronomia (UFAM), Mestre em Ecologia (INPA), Doutor em Ecologia (Pennsylvania State University), Professor Titular da Universidade Federal do Amzonas

Referências

ABI-EÇAB, P. Presença indígena em unidades de conservação. 2008. 159 p. Dissertação (Mestrado em Direito das Relações Internacionais) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008.

ACTON, R. The density syndrome. Rio de Janeiro: Eu e Você, 1984. 104 p.

BANIWA, G. Um “olhar indígena” sobre assistência técnica e extensão rural. In: VERDUM, Ricardo. (Org.). Assistência técnica e financeira para o desenvolvimento indígena: possibilidades e desafios para políticas públicas. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 2005. 162 p.

BARBOSA, J. B. F. Padrões de auto-regeneração de espécies dominantes em áreas de savana aberta em Roraima. In. BARBOSA, Reinaldo Imbrozio; MELO, Valdinar Ferreira. (Org.). Roraima: homem, ambiente e ecologia. Boa Vista: FEMACT, 2010. 644 p.

BONDÍA, J. L. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Trad. João Wanderley Geraldi. Revista Brasileira de Educação, n. 19, p. 20-28, jan./abr. 2002.

BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 19 ago. 2000.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. SOS Monte Roraima: Informações Gerais e Institucionais. Brasília: IBAMA, 2004. 91 p.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Plano de Administração da Área sob Dupla Afetação pelo Parque Nacional Monte Roraima e a Terra Indígena Raposa Serra do Sol – Plano Pata Eseru. ICMBio: Brasília, 2008. 54 p.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Povos indígenas, quilombolas, comunidades tradicionais, assentados da reforma agrária e unidades de conservação federais: diagnóstico e plano de ação para a gestão dos conflitos territoriais. Brasília: ICMBio, 2012. 109 p. Documento não publicado.

BRASIL. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. Territórios de povos e comunidades tradicionais e as unidades de conservação de proteção integral: alternativas para o asseguramento de direitos socioambientais. Brasília: MPF, 2014. 117 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Especial de Saúde Indígena. Distrito Sanitário Especial Indígena do Leste de Roraima. Censo Populacional. Boa Vista: DSEI Leste Roraima, 2017.

BUTTO, A. Segurança alimentar indígena em dados. In: VERDUM, Ricardo. (Org.). Assistência técnica e financeira para o desenvolvimento indígena: possibilidades e desafios para políticas públicas. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 2005. 162 p.

CITTADINO, G. Igualdade e “invisibilidade”. Ciência Hoje, Rio de Janeiro, v. 37, p. 28-33. 2005.

CRUZ, M. O. S. Fonologia e Gramática Ingarikó. Amsterdam: Vrije Universiteit Amsterdam, 2005. 464 p.

DORST, J. Antes que a natureza morra. Trad. Rita Buongermino. São Paulo: Edgard Blucher, 1973. 394 p.

FALCÃO, M. T. et al. Aptidão e uso agrícola na área Ingarikó – Terra Indígena Raposa Serra do Sol – Roraima. Revista Brasileira de Pós-Graduação. Brasília, v. 13, n. 32, p. 733-749, set./dez. 2016.

FALEIRO, R. P. Alegorias das políticas de territorialidade: uma análise comparada da sobreposição do Parque Nacional do Monte Roraima e a Terra Indígena Raposa Serra do Sol em terras Ingarikó. 2015. 188 p. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Centro de Pesquisa e Pós-Graduação sobre as Américas, Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

FICKE, A. D.; MYRICK, C. A.; HANSEN, L. J. Potential impacts of global climate on freshwater fisheries. Washington: Colorado State University, 2007. 33 p.

FRANK, E. H.; CIRINO, C. A. Des-territorialização e re-territorialização dos indígenas de Roraima: uma revisão crítica. In. BARBOSA, Reinaldo Imbrozio; MELO, Valdinar Ferreira. (Org.). Roraima: homem, ambiente e ecologia. Boa Vista: FEMACT, 2010. 644 p.

FUNDAÇÃO ECOAMAZÔNIA. Evolução da população Ingarikó no norte e nordeste de Roraima. Boa Vista: Ecoamazônia, 2018. Disponível em: www.ecoamazonia.org.br. Acesso em 15 ago. 2018.

GRUPIONI, L. D. B. Do nacional ao local, do federal ao estadual: as leis e a educação escolar indígena. In: Congresso Brasileiro de Qualidade na Educação, 1, 2002, Brasília. Anais... Brasília: MEC, 2002. p. 129-203.

HONNETH, A.; MARGALIT, A. Invisibility: on the epistemology of recognition. Aristotelian Society, n. 1, v. 75, p. 111-126, jul. 2015.

INGARICÓ, D. D. Saúde e nutrição nas comunidades indígenas: uma breve reflexão sobre a influência dos costumes não indígenas no cotidiano do povo Ingarikó. 2008. 51 p. Monografia (Graduação) – Curso de Licenciatura Intercultural, Universidade Federal de Roraima, Boa Vista, 2008.

INGARICÓ, L. M. S. Wekuik: o calendário cultural do povo Ingarikó. Boa Vista: UFRR, 2012. 70 p. Monografia (Graduação) – Curso de Licenciatura Intercultural, Universidade Federal de Roraima, Boa Vista, 2012.

INGARICÓ, S. S. E. Estratégia de etnodesenvolvimento do povo Ingarikó: estudo de caso do Centro de Referência de Produção Animal e Vegetal (NUTRIR). 2018. 39 p. Monografia (Graduação em Gestão Territorial) – Instituto Insikiran de Educação Superior Indígena, Curso de Gestão Territorial Indígena, Boa Vista, 2018.

LEFF, E. Epistemologia ambiental. Trad. Sandra Valenzuela. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2007. 239 p.

MELO, V. F. et al. Aspectos pedológicos e de manejo dos solos de Roraima. In. BARBOSA, Reinaldo Imbrozio; MELO, Valdinar Ferreira. (Org.). Roraima: homem, ambiente e ecologia. Boa Vista: FEMACT, 2010. 644 p.

MERIGUETI, D. S. Da invisibilidade ao reconhecimento: o processo como instrumento de luta dos refugiados pela efetividade de seus direitos. 2017. 188 p. Dissertação (Mestrado em Direito) – Programa de Pós-Graduação em Direito Processual, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2017.

MLYNARZ, R. B. Processos Participativos em Comunidade Indígena: um estudo sobre a ação política dos Ingarikó face à conservação ambiental do Parque Nacional do Monte Roraima. 2008. 141p. Dissertação (Mestrado em Ciência Ambiental) – Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

NOGUEIRA, E. M. Etnodesenvolvimento e educação indígena: problemas e perspectivas para a implantação do etnoturismo na Terra Indígena Raposa Serra do Sol (TIRSS), Região Ingarikó, Wîi Tîpî. 2013. 158 p. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Programa de Pós-Graduação em Educação Agrícola, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

NOGUEIRA, E. M.; FALCÃO, M. T. Serra do Sol: o turismo de base local como fonte de desenvolvimento das comunidades. Revista Geográfica de América Central, Costa Rica, número especial, p 1-13, jul./dez. 2011.

PAGLIARO, H. A revolução demográfica dos povos indígenas: a experiência dos Kaiabi do Parque Indígena do Xingu, Mato Grosso. In: PAGLIARO, H.; AZEVEDO, M. M.; SANTOS, R. V. (Org.). Demografia dos povos indígenas no Brasil. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2005. 192 p.

RODRIGUES, E. S. Economia e Produção Ingarikó. 2013.160 p. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2013.

RODRIGUES, P. C.; FERREIRA, R. R. Sobreposição de unidades de conservação em terras indígenas no estado de Roraima. In: VITA, Jonathan Barros.; NASCIMENTO, Valéria Ribas do.; RIBEIRO, Daniela Menengoti. (Org.). Direitos fundamentais e democracia II. Florianópolis: FUNJAB, 2013. p. 303-317.

RORAIMA. Secretaria de Desenvolvimento e Planejamento. Base cartográfica. Boa Vista: SEPLAN, 2018.

SCHMIDT, P. M.; PETERSON, M. J. Biodiversity Conservation and Indigenous Land Management in the Era of Self-Determination. Consevation Biology, n. 6, v. 23, p. 1458-1466. 2009.

SILVA, E. L. S. Plano de uso público do Parque Nacional do Monte Roraima: proposta de estruturação de uma cadeia produtiva de ecoturismo na calha do rio Cotingo, com base nos princípios da Economia Ecológica. 2009. 106 p. Dissertação (Mestrado em Economia) – Programa de Pós-Graduação em Economia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

SIMIM, T. A. Invisibilidade social a partir do filme “O som ao redor”: uma análise honnethiana das patologias sociais no Brasil. Ciências Sociais Unisinos, v. 51, n. 1, p. 52-60, jan./abr. 2015.

SIMÕES-FILHO, F. L.; TURCQ, B.; SIFEDDINE, A. Mudanças paleoambientais do contato floresta-savana de Roraima durante o holoceno. In. BARBOSA, Reinaldo Imbrozio; MELO, Valdinar Ferreira. (Org.). Roraima: homem, ambiente e ecologia. Boa Vista: FEMACT, 2010. 644 p.

SOUZA, M. A. O PRONAF e os povos indígenas. In: VERDUM, Ricardo. (Org.). Assistência técnica e financeira para o desenvolvimento indígena: possibilidades e desafios para políticas públicas. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 2005. 162 p.

STRONG, J. N.; FRAGOSO, J. M. V.; OLIVEIRA, L. F. B. Padrões de uso e escolha de caça pelos índios Macuxi em Roraima. In. BARBOSA, Reinaldo Imbrozio; MELO, Valdinar Ferreira. (Org.). Roraima: homem, ambiente e ecologia. Boa Vista: FEMACT, 2010. 644 p.

TEIXEIRA, M. Educação escolar na comunidade de Serra do Sol. Boa Vista: UFRR, 2008. 39 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Curso de Licenciatura Intercultural, Universidade Federal de Roraima, Boa Vista, 2008.

TOMÁS, J. C. P. A invisibilidade social: uma perspectiva fenomenológica. IV Congresso Português de Sociologia, Lisboa, jun. 2008.

WILLIAMS, S. C. A valorização de conhecimentos tradicionais do povo Ingarikó. Boa Vista: UFRR, 2012. 47 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Curso de Licenciatura Intercultural, Universidade Federal de Roraima, Boa Vista, 2012.

WHITEHEAD, N. L. Dark Shamans: kanaima and the poetics of violent death. Durham/NC: Ducke University, 2002.

Downloads

Publicado

2020-10-27

Edição

Seção

Artigos