Análise da atividade cemiterial na qualidade da água no município de Presidente Prudente-SP

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2177-5230.2020v35n76p298

Palavras-chave:

Cemitérios, Impacto Ambiental, Qualidade de Água, Necrochorume, Contaminação Ambiental

Resumo

Os cemitérios são essenciais à sociedade e precisam ser analisados a fim de que possam proporcionar uma relação harmoniosa com o meio ambiente, minimizando os impactos que essa atividade pode gerar. De acordo com a potencialidade de contaminação dos cemitérios, e as alterações nos meios físico e biótico, é atribuída à atividade cemiterial um potencial impacto ambiental. O líquido liberado pela decomposição dos cadáveres, o necrochorume, é a principal causa da poluição ambiental. O presente trabalho teve como objetivo analisar a qualidade da água superficial próximo aos cemitérios do município de Presidente Prudente- SP. As análises físico-químicas e microbiológicas foram executadas em amostras de água superficiais, em pontos próximos dos cemitérios. A partir dos resultados obtidos foi possível identificar que os cemitérios do município podem proporcionar impactos ambientais negativos ao meio ambiente, causando contaminação dos recursos hídricos superficiais.

Biografia do Autor

Letícia Aparecida Costa, Universidade do Oeste Paulista

Possui graduação em Engenharia Ambiental pela Universidade do Oeste Paulista (2014) e mestrado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional pela Universidade do Oeste Paulista (2017). Atualmente cursa pós-graduação em Avaliação de Impacto Ambiental e Processos de Licenciamento Ambiental e Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional.  É engenheira ambiental na indústria Prolub e consultora ambiental na Embaúba Agroambiental. Tem experiência na área de Engenharia Sanitária, atuando principalmente nos seguintes temas: impacto ambiental, meio ambiente, cemitérios, processos de licenciamento ambiental, e educação ambiental.

Paulo Antonio da Silva, Universidade do Oeste Paulista

Graduei-me em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Cursei o Mestrado e Doutorado em Ecologia e Conservação de Recursos Naturais pela Universidade Federal de Uberlândia. Atualmente sou Docente Permanente da Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional na Universidade do Oeste Paulista, onde também ministro aulas de Biogeografia e Ecologia Geral, Ecologia de Populações e Comunidades, Zoologia e Biologia da Conservação e Etologia na Graduação em Ciências Biológicas. Sou membro ativo do Grupo de Pesquisa sobre Populações de Aves Frugívoras atuante no Centro-Leste de Mato Grosso do Sul, cujo foco é identificar fortes interações aves-plantas. Também sou Pesquisador Doutor junto ao Núcleo de Estudos Ambientais e Geoprocessamento (NEAGEO - UNOESTE). Tenho interesse na vida selvagem em ambiente antropogênico. Um dos meus grandes desafios é produzir dados consistentes, no sentido de conciliar o desenvolvimento humano com a conservação de animais silvestres, sobretudo na área urbana e agrícola. Trabalho no desenvolvimento da linha Reflorestamento e Arborização Funcional. Encontrar espécies vegetais chaves na manutenção de populações de animais e usá-las para a recomposição vegetal e arborização urbana é a tônica do meu trabalho. O maior desafios que eu tenho é fomentar o pensamento conservacionista e colocá-lo em prática de forma efetiva, buscando difundir os benefícios dessa boa prática Sócio-Ambiental, dentre eles o Pagamento por Serviços Ambientais.

Patricia Alexandra Antunes, Universidade do Oeste Paulista

Possui graduação em Bacharel em Química com atribuições tecnológicas pela Universidade de São Paulo, IQSC, (1994), Mestrado em Ciências (Química Analítica) pela Universidade de São Paulo, IQSC, (1998), Doutorado em Ciências (Química Analítica) pela Universidade de São Paulo, IQSC, (2002) e estágio doutoral na Universidade de Windsor (2000), Canadá em Espectroscopia Vibracional e Eletrônica . Realizou um pós doutorado na Universidade de Valladolid, Espanha, no período de agosto de 2007 a janeiro de 2008. Atualmente é professora da graduação e pós graduação (Lato Sensu), e coordenadora dos cursos de Licenciatura e Bacharelado em Química na Universidade do Oeste Paulista, Presidente Prudente, SP. Tem experiência na área de Química, com ênfase em Química Analítica e Espectroscopia Vibracional, atuando principalmente nos seguintes temas: fabricação de filmes, caracterização de materiais, poluição ambiental, e formação profissional

 

Referências

ALMEIDA, F. R; ESPÍNDULA, J. C; VASCONCELOS, U; CALAZANS, G. M. T. Avaliação da ocorrência de contaminação microbiológica no aquífero freático localizado sob o cemitério da várzea em Recife-PE. Águas Subterrâneas, v.20, n.2, 2006, p.19-26.

AMORIM, M. C. C. T.; MONTEIRO, A. As temperaturas intraurbanas: exemplos do Brasil e de Portugal. Confins. Revista franco-brasilera de geografia, n. 13, 2011.

AMORIM, M. C. C. T.; DUBREUIL, V.; DOS SANTOS CARDOSO, R. Modelagem espacial da ilha de calor urbana em Presidente Prudente (SP) – BRASIL. Revista Brasileira de Climatologia. v. 16, 2015.

DOS SANTOS CARDOSO, R.; AMORIM, M. C. C. T. Características do clima urbano em Presidente Prudente/SP a partir de dados de temperatura e umidade relativa do ar e técnicas de sensoriamento remoto. Revista do Departamento de Geografia, v. 28, 2015, p. 39-64.

ANA. Indicadores de qualidade- índice de qualidade das águas (IQA). Disponível em: http://portalpnqa.ana.gov.br/indicadores-indice-aguas.aspx#_ftn3. Acesso em: 17.set.2018.

AQUINO, José Rembrant; CRUZ, Manoel Jerônimo Moreira. Os riscos ambientais do cemitério do Campo Grande, Salvador, Bahia, Brasil. CADERNOS DE GEOCIÊNCIAS. v. 13, n. especial, 2016, p. 1-12.

BERGAMO, H. Os cemitérios: um problema de engenharia sanitária. In: CONGRESSO INTERAMERICANO DE ENGENHARIA SANITÁRIA. IV, 1954. São Paulo. Anais... São Paulo: AIES, 1954. p.333-339.

BRAGA, B; CUNHA REBOUÇAS, A.D; TUNDISI, G. Águas doces no Brasil: capital ecológico, uso e conservação. 4.ed. São Paulo: Escrituras, 2015, 703 p.

BRASIL. Fundação Nacional de Saúde. Cemitérios como fonte potencial de contaminação das águas subterrâneas. Região de Cuiabá e Várzea Grande – MT – Brasília: Funasa, 2007.

BRASIL. Portaria do Ministério da Saúde nº 2914, de 12 de dezembro de 2011. Dispõe sobre os procedimentos de controle e vigilância da qualidade da água para o consumo humano e seu padrão de potabilidade. Ministério da Saúde. Brasília, DF, 12 dez. 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2914_12_12_2011.html. Acesso em: 10 jun. 2017.

BRASIL. Resolução n. º 335, de 3 de abril de 2003. Dispõe sobre o licenciamento ambiental de cemitérios. Ministério do Meio Ambiente. Brasília, DF, 28 mai. 2003. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=359. Acesso em: 19 jun. 2017.

BRASIL. Resolução n. º 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Ministério do Meio Ambiente, Brasília, DF, 18 mar. 2005. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res05/res35705.pdf. Acesso em: 16 jun. 2017.

BRASIL. Resolução n. º 430, de 13 de maio de 2011. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução no 357, de 17 de março de 2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA. Ministério do Meio Ambiente – Conselho Nacional do Meio Ambiente. Brasília, DF, 16 mai. 2011. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=646. Acesso em: 12 set. 2017.

CETESB. Norma Técnica - Implantação de Cemitérios. L1.040. São Paulo, 1999.

CETESB. Qualidade das águas interiores no estado de São Paulo. Série Relatórios. 2013.

CLESCERI, L. S; GREENBERG, A. E; EATON, A. D; Standard methods for the examination of water & wasterwater. 20ª edição. Washington: American Public Health Association, 1998.

COSTA DA SILVA, R. W; MALAGUTTI FILHO, W. Cemitérios – Fontes potenciais de contaminação. Revista Ciência Hoje, v.24, 2009, p.24-29.

ESPINDULA, C. J. Caracterização bacteriológica e físico-química das águas do aquífero freático do cemitério da Várzea - Recife. 2004. 131f. Dissertação (Mestrado em Geociências)- Centro de Tecnologia e Geociências, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.

FINEZA, A. G. Avaliação da contaminação de águas subterrâneas por cemitérios: estudo de caso de tabuleiro - MG. 63f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil), Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais, 2008.

FUSHIMI, M.; NUNES, J. O. R. PRINCIPAIS CLASSES DE SOLOS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP: identificação e caracterização. Boletim Goiano de Geografia. v. 32, n. 1, 2012, p. 45-58.

GIANNETTI, B. F. ALMEIDA, C. M. V. B., BONILLA, S. H., & VENDRAMETO, O. Nosso Cromo de cada dia: Benefícios e Riscos. Revista de Graduação da Engenharia Química, Ano IV. v.8, 2001, p.55-58.

HINO, T. M. O necrochorume e a gestão ambiental dos cemitérios. Revista Especialize On-line IPOG. V.01, n. 10, 2015, p. 1-23.

IBGE. Cidades - Presidente Prudente. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=354140. Acesso em: 22 jun. 2019.

DA CUNHA KEMERICH, P. D., BIANCHINI, D. C., FANK, J. C., DE BORBA, W. F., WEBER, D. P., & UCKER, F. E. The environmental issue involving cemeteries in Brazil. Revista Monografias Ambientais, v. 13, n. 4, 2014 a, p. 3777-3785.

DA CUNHA KEMERICH, P. D., DA SILVA, J. L. S., DE BORBA, W. F., FLORES, C. E. B., BARROS, G., GERHARDT, A. E., ... & UCKER, F. E. Concentrations of metals in soil for busy cemetery-use the technique of ray fluorescence spectrometry-energy dispersive x–edxrf. Revista Monografias Ambientais, v. 13, n. 1, 2014 b, p. 2875-2889.

LELI, I. T; ZAPAROLI, F. C. M.; SANTOS, V. C.; OLIVEIRA, M.; VIEIRA, F. A. G. Estudos ambientais para cemitérios: indicadores, áreas de influência e impactos ambientais. Boletim de Geografia. v.30, n.1, 2012, p.45-54.

MACEDO, J. A. B de. Métodos laboratoriais de análises físico-químicas e microbiológicas. 2 Ed, Belo Horizonte: CRQ- MG, 2003.

MACEDO, J. Águas e águas, 2.ed. / atual. rev. Belo Horizonte: CRQ-MG, 2004.

MATOS, B. A. Avaliação da ocorrência e do transporte de microrganismos no aquífero freático do cemitério de Vila Nova Cachoeirinha, município de São Paulo. 2001. 172 f. Tese (Doutorado em Geociências) – Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, São Paulo – SP.

MIGLIORINI, R. B. Cemitérios como fonte de poluição em aquíferos. Estudo do cemitério Vila Formosa na Bacia Sedimentar de São Paulo. 1994. 74f. Dissertação (Mestrado) - Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, São Paulo.

OOCITIES. Parâmetro de qualidade das águas. 2015. Disponível em: http://www.oocities.org/wwweibull/Param.htm. Acesso em: 15. jul.2015.

OTTOMAN, F. Créer ou aménager un cimetière: geologie, techniques, hiygiène Edição, Paris: Èditions du Moniteur, 1987.

PACHECO, A. Meio Ambiente e Cemitérios. 1 ed. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2012, 192 p.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE PRUDENTE. A Cidade. Disponível em: http://www.presidenteprudente.sp.gov.br/site/acidade.xhtml. Acesso em: 16 set. 2016.

SANTOS, A. G. da S.; MORAES, L. R. S.; DE MORAIS NASCIMENTO, S. A. Qualidade da Água Subterrânea e Necrochorume no Entorno do Cemitério do Campo Santo em Salvador/BA. Revista Eletrônica de Gestão e Tecnologias Ambientais. v. 3, n. 1, 2015, p. 39-60.

SÃO PAULO, Decreto nº 10.755 de 22 de novembro de 1977. Dispõe sobre o enquadramento dos corpos de água receptores na classificação prevista no Decreto nº 8.468, de 8 de setembro de 1976, e dá providências correlatas.

SILVA, R.W. C.; MALAGUTTI FILHO, W. Cemitérios Como Áreas Potencialmente Contaminadas. Revista Brasileira de Ciências Ambientais. v. 9, 2008, p.26-35.

Downloads

Publicado

2020-10-27

Edição

Seção

Artigos