Aplicação do modelo SWAT como ferramenta para análises hidrossedimentológicas na bacia hidrográfica do Rio Mutum Paraná – RO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2177-5230.2021.e66199

Palavras-chave:

Produção de sedimento, Modelagem hidrológica, Amazônia

Resumo

O uso de modelos na previsão de produção de água e sedimento apresenta um grande potencial para serem utilizados no planejamento dos recursos hídricos, sendo que através desta ferramenta é possível estimar impactos causados pelas atividades antrópicas. Com base nessa premissa, utilizamos o modelo SWAT (Soil and Water Assessment Tools) em uma bacia rural (771,2 km²) localizada nos municípios de Porto Velho e Nova Mamoré, denominada Sub bacia Mutum Paraná. Sua área tem influência direta da usina hidrelétrica de Jirau, e seu exutório localiza-se à montante da barragem. Neste contexto, o monitoramento e a modelagem fornecem suporte ao manejo hidrossedimentológico de bacias hidrográficas. Os métodos aplicados foram monitoramento hidrológico, geração de dados matriciais e tabulares, delimitação de sub bacias, validação do modelo, análises estatísticas e avaliação espacial da produção de água e sediment. O modelo SWAT gerou dados simulados que representaram os processos observados em campo, como de produção de água e sedimento. A partir das simulações foi possível conhecer as sub bacias que produziram maior quantidade de água e sedimentos. Os valores de escoamento superficial e sedimento máximos respectivamente encontrados são de 96,7 (mm/ano) e 3,35(ton/ha/ano).

Biografia do Autor

Janielson da Silva Lima, UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDONIA

Iniciou a trajetória na pesquisa em 2009 como Bolsista de Iniciação cientifica PIBIC durante a graduação, no ano de 2012 formou-se e tornou-se bacharel e licenciado em geografia, após a conclusão do curso iniciou o mestrado em geografia paralelamente atuou como analista ambiental e pesquisador no Sistema de Proteção da Amazonia – SIPAM durante 2 anos. Atualmente é docente e pesquisador da Faculdade de Rondônia – FARO nos cursos de Engenharia Civil e Florestal ministrando as disciplinas de Hidrologia, Cartografia, sensoriamento remoto e Geoprocessamento.

 

Dorisvalder Dias Nunes, Universidade Federa de Rondônia

Possui Licenciatura e Bacharelado em Geografia pela Universidade Federal de Rondônia - UNIR (1990), Mestrado em Geografia Física pela Universidade de São Paulo - USP (1996) e Doutorado em Desenvolvimento Sócioambiental pelo Núcleo de Altos Estudos Amazônicos  NAEA/UFPA (2004). Pós-Doutorado pelo Instituto de Geociências ? IGC/UFMG. Ocupou entre 1999-2000 o cargo de Pró-Reitor de Graduação da Universidade Federal de Rondônia e por duas vezes o cargo de Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa (2004-2005; 2007-2009). Eleito duas vezes membro do Conselho Superior na área de Pesquisa e Pós-Graduação. Compôs o quadro de Consultores do Comitê Técnico Científico do PIBIC/UNIR/CNPq. É professor Associado IV do Departamento de Geografia da UNIR onde coordena desde 2002 o Laboratório de Geografia e Planejamento Ambiental - LABOGEOPA. É docente permanente nos programas de pós-graduação: Mestrado e Doutorado em Geografia (UNIR) e Mestrado e Doutorado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente (UNIR). Desenvolve pesquisas em temas relacionados ao Meio Ambiente, Gestão, Planejamento e Análise Ambiental, Vulnerabilidade à Erosão, Gestão e Planejamento de bacias hidrográficas, Impacto Ambiental e Unidades de Conservação. É pesquisador do Centro de Estudos Geográficos e Sócio-Ambientais da Amazônia Aziz Ab'Saber CEGEA e membro do Conselho Consultivo das Revistas RA'EGA e Geografar. Consultor da CAPES na Área de Geografia para avaliação Quadrienal 2013-2016, Qualis-Periódicos e Qualis-Livros.

Tatiane Emilio Checchia, Universidade Federal de Rondônia

Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (1998), mestrado em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal de Santa Catarina. Atualmente é professora do curso de Engenharia Civil da Universidade Federal de Rondônia, coladoradora do GEOPLAM/UNIR e do Instituto Nacional de Hidrologia da Amazônia e doutorando do Programa de Pós graduação em Geografia da Universidade Federal do Paraná. Desenvolve atividades relacionadas ao monitoramento e modelagem hidrossedimentológica. Tem experiência na área de Recursos Hídricos, atuando principalmente nos seguintes temas: monitoramento e modelagem hidrossedimentológica e gerenciamento de bacias hidrográficas.

Referências

ARNOLD, J. G.; SRINIVASAN, R.; MUTTIAH, R. S. & WILLIAMS, J. R. Large area hydrologic modeling and assessment - Part I: model development. Journal of the American Water Resources Association, v. 34, n. 1, p. 73-89, 1998.

ARNOLD, J.G.; KINITY, J.R.; SRINIVASAN, R.; WILLIAMS, J.R.; HANEY, E.B. & NEITSCH, S.L. SWAT input/output file Documentation version 2009. Texas, Grassland Soil and Water Research Laboratory, 2011. 643p.

BONUMÁ, N.B.; REICHERT, J.M.; MINELLA, J.P.; JACOMET, L.; OLIVEIRA, A. & RODRIGUES, M.F. Simulação da produção de sedimentos em uma pequena bacia hidrográfica rural no sul do Brasil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO, n. 32, Fortaleza, 2009.

BORTOLOTTO, N.L. Avaliação hidrossedimentológica da Bacia do Rio Cunha, município de Rio Dos Cedros, Santa Catarina com o modelo SWAT. Graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Federal de Santa Catarina, Trabalho de Conclusão de Curso, 2011. 101p.

BRAVO, J.M.; PICCILLI, D.G.A.; COLISCHONN, W.; TASSI, R.; MELLER, A. & TUCCI, C.E.M. Avaliação visual e numérica da calibração do modelo hidrológico IPH II com fins educacionais. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HÍDRICOS, n17. São Paulo, ABRH, 2007.

BRASIL. IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e estatística. Manual técnico de uso da terra. Rio de Janeiro, 2006.

CASTRO, K.B. Avaliação do modelo SWAT na simulação da vazão em bacia agrícola do cerrado intensamente monitorada. Mestrado em Geociências, Universidade de Brasília, Brasília, 2013. 122p.

CARVALHO, N. de O. Hidrossedimentologia prática. Rio de Janeiro: CPRM, 1994. 372 p.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solos. Súmula da 10. Reunião Técnica de Levantamento de Solos. Rio de Janeiro:1979. 83p.

KUHNLE, R.A.; BINGER, R.L.; FOSTER, G.R. & GRISSINGER, E.H. Effect of land use changes on sediment transport. Water Resources Research, 32. p. 3189-3196, 1996.

LINO, João Félix de Luca. Análise da dinâmica hidrossedimentológica da Bacia Hidrográfica do Rio Preto (SC) com o modelo SWAT. Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Dissertação de Mestrado, 2009. 150f.

MARCHIORO, E. Modelagem hidrossedimentológica na bacia do córrego Santa Maria: subsídios à aplicação de práticas de conservação de água e solo no noroeste Fluminense. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Geografia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2008. 196f.

NEITSCH, S. L.; ARNOLD J. G.; KINIRY J. R.; WILLIAMS J. R. Soil and water assessment tool. Theoretical Documentation, Version 2005. Temple, Texas: Blackland Research Center, Texas Agricultural Experiment Station, 2005.

PESSOA, M. C. P. Y.; LUCHIARI, A. J.; FERNANDES, E. N. & LIMA, M. A. Principais modelos matemáticos e simuladores utilizados para análise de impactos ambientais das atividades agrícolas. Jaguariúna, EMBRAPA/CNPMA, 1997. 83p.

RODRIGUES, L. C.; BOVO-SCOMPARIN, V. M.; TRAIN, S.; SUSICLEY, J.; BORTOLINI, J. C.; PAULA, A. C. M.; REIS, L. M. Grupos morfológicos funcionais da planicie de inundação do alto rio Paraná. In XIV CONGRESSO BRASILEIRO DE FICOLOGIA, 14, 2012, João Pessoa, Anais..., Paraíba: SBFIC, 2012.

RONDÔNIA. Plano Agroflorestal de Rondônia – PLANAFLORO. Porto Velho: TECNOSSOLOS, Relatório Técnico, 2002.

RUTHES, J.M.; TOMAZONI, J.C. & GOMES, T.C. Propriedades do solo da Bacia Hidrográfica do Rio Catorze que contribuem no processo erosivo laminar. In: SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA UTFPR, 17, Anais do SICITE 2012. Curitiba: Editora da UTFPR, 2012.

SHAWUL, A.A.; ALAMIREW, T.; DINKA, M.O. Calibration and validation of SWAT model and estimation of water balance components of Shaya mountainous watershed, Southeastern Ethiopia. Hydrology and Earth System Sciences, 2013. p.13955-13978.

Soil Conservation Service (SCS). Hydrology. In: National engineering handbook. Washington: USDA, 1972. p.101-1023.

TUCCI, C. E. M. Modelos Hidrológicos. 2. Ed. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2005. p. 104.

UZEIKA, T. Aplicabilidade do modelo SWAT (Soil and Water Assessment Tool) na simulação da produção de sedimentos em uma pequena bacia hidrográfica rural. Programa de Pós-graduação em Recursos Hidráulicos e Saneamento Ambiental, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Dissertação de Mestrado, 2009. 132f.

WISCHMEIER, W.H.; SMITH, D.D. Predicting rainfall erosion losses: a guide to conservation planning. Agriculture Handbook N° 537. Washington, U.S. Government Printing Office, 1978. 69 p.

Downloads

Publicado

2021-04-08

Edição

Seção

Artigos