Etnobotânica das plantas medicinais no município de Parari, Paraíba, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2177-5230.2021.e67196

Palavras-chave:

Fitoterapia, Caatinga, Medicamentos

Resumo

O presente trabalho teve como objetivo realizar um levantamento florístico das plantas medicinais nativas e exóticas utilizadas pelos munícipes de Parari- PB, além de realizar um estudo socioeconômico da população. Para isso foi realizada entrevista semiestruturada tanto no que concerne aos vegetais cultivados, quanto a situação socioeconômica da família. Os resultados apontaram que a população do município é composta, principalmente, por agricultores, aposentados e funcionários públicos municipais. No que diz respeito às plantas medicinais, foram registradas 13(treze) famílias botânicas utilizadas para no controle de afecções respiratórias, gastrointestinais e urinárias. Além disso, as indicações terapêuticas das plantas, realizadas pelos raizeiros, são cientificamente pertinentes.

Biografia do Autor

Amanda Miguel de Araújo, Universidade Estadual da Paraíba- UEPB

Licenciada em Geografia- Universidade Federal de Campina Grande- UFCG.

 

Erimágna de Morais Rodrigues, Universidade Estadual da Paraíba

Licenciada em Geagrafia- Universidade Federal de Campina Grande.

Mestra em Ecologia e Conservação- Universidade Estadual da Paraíba.

Débora Coelho Moura, Universidade Federal de Campina Grande- UFCG

Bacharel em Geografia- Universidade Federal de Alagoas

Mestra em Desenvolvimento e Meio Ambiente -Universidade Federal de Pernambuco

Doutora em Biologia Vegetal - Universidade Federal de Pernambuco 

Professora Associada do Departamento de Geografia- Universidade Federal de Campina Grande

Referências

AB’SABER, A. N. Os Domínios de Natureza no Brasil: Potencialidades Paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

AGRA, M. F. Medicinal and poisonous diversity of the flora of “Cariri paraibano”. Brazilian Journal of Ethnopharmacology, v. 111, p.383–395, 2017.

AGUIAR, L. C. G. G.; BARROS, R. F. M. Plantas medicinais cultivadas em quintais de comunidades rurais no domínio do cerrado piauiense (Município de Demerval Lobão, Piauí, Brasil). Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 14, p. 419-434, 2012.

ALBUQUERQUE, U. P.; LUCENA, R. F. P. Métodos e técnicas de pesquisa etnobotânica. Recife: Livro Rápido/ NUPEEA, 2004.

AMOROZO, M. M C. Uso e diversidade de plantas medicinais em Santo Antônio do Leverger, MT, Brasil. Acta bot. bras, v. 16, p. 189-203, 2002.

An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society, v. 181, p. 1-20, 2016.

ARAÚJO, J. S. Medicina tradicional: as plantas medicinais no contexto de vida e trabalho dos agentes comunitários de saúde do município de Juiz de Fora. 2017.Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Medicina, 2017.

ARAÚJO, M. S.; LIMA, M. M. O. O uso de plantas medicinais para fins terapêuticos: os conhecimentos etnobotânicos de alunos de escolas pública e privada em Floriano, Piauí, Brasil. Revista de Educação em Ciências e Matemática, v.15, p. 235-250, 2019

ARNOUS, A. H. Plantas medicinais de uso caseiro - conhecimento popular e interesse por cultivo comunitário. Revista Espaço para a Saúde, v.6, p.1-6, 2013.

BAILEY, K. Methods of social research. 4.ed.:The Free Press, 1994.

BRAGA, P. M. S. et al. Análise fitoquímica, toxicidade, potencial antioxidante e atividade antibacteriana da Ceiba speciosa (A. St.-Hil.) Ravenna. Revista Fitos, v. 13, p. 9-21, 2019.

BESSA, NGF de et al. Prospecção fitoquímica preliminar de plantas nativas do cerrado de uso popular medicinal pela comunidade rural do assentamento vale verde–Tocantins. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 15, p. 692-707, 2013.

BRAVO FILHO, E. S. et al. Levantamento etnobotânico da família Cactaceae no estado de Sergipe. Revista Fitos, v. 12, p. 41-53, 2018.

BRASIL- IBGE- INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA. Estimativa da população de Parari-PB. Brasil - IBGE, 2017. Disponível em:<https://www.google.com.br/search?rlz=1C1AVFA_enBR804BR804&ei=djJRW4ymMcGc5wKl_qbIDg&q=ibge+2017+popul> . Acesso em: 12 de jun. 2018.

BRASIL. MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL. Nova delimitação do |Semiárido brasileiro, Brasília, p.32, 2017.

CAETANO, R. S., SOUZA, A. C. R. DE, FEITOZÃO, L. F. O Uso de Plantas Medicinais Utilizadas por Frequentadores dos Ambulatórios Santa Marcelina, Porto Velho – RO. Revista Saúde e Pesquisa, v. 7, p. 55-63, 2014.

CAMPOS, M. C. C; QUEIROZ, S. B. Reclassificação dos perfis descritos no Levantamento Exploratório - Reconhecimento de solos do estado da Paraíba. Revista de Biologia e Ciências da Terra, v. 6, p. 45-50, 2006.

COSTA, J.C.; MARINHO, M.G.V. Etnobotânica de plantas medicinais em duas comunidades do município de Picuí, Paraíba, Brasil. Revista Brasileira Plantas Medicinais. Campinas, v.18, p.125-134, 2016.

CRUZ, V. M. Aspectos socioeconômicos e o cultivo de plantas medicinais em quintais agroflorestais urbanos (QAF) no município de Breu Branco, Pará, Brasil. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer v.14, p. 158-170, 2017.

FARNSWORTH, N.R. Screening plants for new medicines. In: Wilson, E.O. Biodiversity .Washington DC: Nac. Acad. Press, 1988.

FERREIRA, L. B. et al. Etnobotânica das plantas medicinais cultivadas nos quintais do bairro de Algodoal em Abaetetuba/PA. Revista Fitos, v. 10, p. 220-372, 2017.

FERREIRA, P. S. M. et al Leguminosae na APA do Cariri, Estado da Paraíba, Brasil. Hoehnea, v. 42, p. 531-547, 2015.

FERREIRA, L. B. RODRIGUES, M. O.; COSTA, J. M. Etnobotânica das plantas medicinais cultivadas nos quintais do bairro de Algodoal em Abaetetuba/PA. Revista Fitos, v. 10 p. 220-372,2017.

FRANCISCO, P. R. M.; et al. Classificação Climática de Köppen e Thornthwaite para o Estado da Paraíba. Revista Brasileira de Geografia Física. v. 08, p. 1006-1016. 2015.

BARRETO, I. F.; FREITAS, A. D. D. Etnobotânica em quintais agroflorestais na comunidade Barreiras em Almeirim, Pará. Revista de Administração e Negócios da Amazônia, v. 9, p. 45-62, 2017.

LINHARES, J. F. P. et al. Etnobotânica das principais plantas medicinais comercializadas em feiras e mercados de São Luís, Estado do Maranhão, Brasil. Revista Pan-Amazônica de Saúde, v. 5, p. 39-46, 2014.

LUCENA, R.F.P; et al. Plantas e animais medicinais: Uma abordagem Etnobiológica e Etnoecologica In: Plantas e animais medicinais da Paraíba: um olhar da etnobiologia e etnoecologia, - Cabedelo, PB: IESP, 2018.

MACÊDO, D. G; et al. Práticas terapêuticas tradicionais: uso e conhecimento de plantas do cerrado no estado de Pernambuco (Nordeste do Brasil). Boletim Latino-americano do Caribe de Plantas Medicinais e Aromáticas. v. 14, p. 491-508, 2015.

MARQUES, A. L. et al. Caracterização morfoestrutural e morfoescultural do Cariri paraibano. Acta Geográfica , v. 11, p. 231-242, 2017.

MEDEIROS, A. M. T.; BRITO, A. C. A seca no Estado da Paraíba – Impactos e ações de resiliência. Parc. Estrat. v. 22 p. 139-154, 2017.

MOREIRA, F.M.S. et al. Occurrence of nodulation in Legume species in the Amazon Region of Brazil. New Phytologist. v.121, p. 563–570. 1992.

MOURA, D. C. ; PEREIRA, T. M. S. ; RODRIGUES, E. M. ; MARQUES, A. L. . Fitogeografia das plantas medicinais comercializadas em Campina Grande- PB. In: Editora Poisson. (Org.). Semiárido brasileiro. 1 ed.Belo Horizonte: Editora Poisson, 2019.

NASCIMENTO, A. P. L.F; GONÇALVES, K. Uso de plantas cultivadas em quintais urbanos no município de campina do Monte Alegre, SP. XI Congresso de Ecologia do Brasil, Porto Seguro – BA, 2013.

NETO, F.R.G. Estudo Etnobotânico de plantas medicinais utilizadas pela Comunidade do Sisal no município de Catu, Bahia, Brasil. Rev. bras. plantas med. v. 16. p. 856- 865. 2014.

NÓBREGA, J. S. et al. Avaliação do conhecimento etnobotânico e popular sobre o uso de plantas medicinais junto a alunos de graduação. Revista Brasileira de Gestão Ambiental. v. 11, p.07 - 13, 2017.

OLIVEIRA, A. Princípios ativos das plantas medicinais: ações terapêuticas, 2014. Disponivel em: <https://www.cpt.com.br/cursosplantasmedicinais/artigos/principios-ativos-das-plantas-medicinais-acoes-terapeutico> Acesso em: 18 de jul de 2018.

OLIVEIRA, F.C.S.de. Conhecimento botânico tradicional em comunidades rurais do semi-árido piauiense. 2008 Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) – Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Universidade Federal do Piauí, Teresina. 2008.

QUEIROZ, L. P. The Brazilian Caatinga: phytogeographical patterns inferred from distribution data of the Leguminosae. In: Neotropical Savannas and Seasonally Dry Forests. CRC Press. p. 135-171, 2006.

REFLORA. Lista de Flora do Brasil https://www.google.com.br/search?hl=ptBR&rlz=1C1AVFA_enBR804BR804&ei=KldRW4zHE8K7sQG4i7jgAg&q=reflora&> Acesso em 07 de Jul de 2018.

RODRIGUES, E. M; et al Fabaceae Lindl. em um afloramento rochoso no Semiárido brasileiro. Rodriguésia, 2019. (Dados não Publicados).

SABÓIA, C. M. et al. Efeito alelopático de extratos de folhas frescas de Bamburral (Hyptis suaveolens L.) sobre a germinação e o desenvolvimento de plântulas de pepino (Cucumis sativus L. Revista Fitos, v. 12, p. 18-26, 2018.

SANTOS, A. B. N. et al. Plantas medicinais conhecidas na zona urbana de Cajueiro da Praia, Piauí, Nordeste do Brasil. Rev Bras Plantas Med, v. 18, p. 442-50, 2016.

SATO, T. S. et al. Proposta de formulação contendo extrato de folhas de Eugenia involucrata e análise da atividade antimicrobiana. Revista Fitos, v. 12, p. 68-82, 2018.

SILVA, M. T. N. et al. Atividade antibacteriana de óleos essenciais de plantas frente a linhagens de Staphylococcus aureus e Escherichia coli isoladas de casos clínicos humanos. Revista brasileira de plantas medicinais, v. 11, p. 257-262, 2009.

SILVA, A. B. et al. Extrato etanólico das folhas de Raphanus sativus L. var. oleifera Metzg (nabo forrageiro): efeitos anti-hiperglicêmico, antidislipidêmico e antioxidante em ratos com Diabetes Mellitus tipo 1. Revista Fitos. v.13, p. 38-48, 2019.

SILVA, C. G.; et al. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais em área de Caatinga na comunidade do Sítio Nazaré, município de Milagres, Ceará, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais. v.17, p.133-142, 2015.

SILVA, M. F. P. et al. Plantas medicinais: cultivo em quintais pela população de um município do semiárido Piauiense, Nordeste do Brasil. Revista Intertox de Toxicologia, Risco Ambiental e Sociedade, v. 7, p. 101-113, 2014.

SILVA, M.S. Plantas da Caatinga: Estudo Etnobotânico Crença ou Crise? Campina Grande: CONIDIS, 2017.

SIMPSON, M. G. Plant Systematics. Canada:Elsevier academic press, , 2006.

SOUZA, V. A.; et al, C. R. Avaliação do conhecimento etnobotânico de plantas medicinais pelos alunos do ensino médio da cidade de Inhumas, Goiás. Revista Eletrônica de Educação da Faculdade Araguaia, v. 8, p. 13 – 30, 2015.

TEIXEIRA, M. N. O sertão semiárido. Uma relação de sociedade e natureza numa dinâmica de organização social do espaço. Soc. estado. v.31, p. 769-797, 2016.

TEIXEIRA, S. A.; MELO, J. I. M. Plantas medicinais utilizadas no município de Jupi, Pernambuco, Brasil. Iheringia, Série Botânica, v. 61, p.5-11, 2006.

TOSTES, J. B; FREITAS, A. J. R.; KUSTER, R. M. Isolation and characterization of polyphenols from Euphorbia heterophylla L.(Euphorbiaceae) leaves. Revista Fitos, v. 13, p. 49-60, 2019.

TROPICOS. Disponível em: <http://www.tropicos.org/ > Acesso em: 07 de Jul de 2018.

VÁSQUEZ, S.P.F; MENDONÇA ,M. S. NODA, S.N. Etnobotânica de plantas medicinais em comunidades ribeirinhas do Município de Manacapuru, Amazonas, Brasil. Acta Amazônica. v. 44, p.457–472, 2014.

ZENI, A. L. B. et al. Utilização de plantas medicinais como remédio caseiro na Atenção Primária em Blumenau, Santa Catarina, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. [online]. v. 22, p. 2703-2712, 2017.

Downloads

Publicado

2021-04-08

Edição

Seção

Artigos