Análise da evolução do índice municipal industrial de Santa Catarina entre os anos de 2002 e 2016

Autores

  • Thiago Pegoretti Moser
  • Marcia Regina Gabardo da Camara Universidade Estadual de Londrina
  • Carlos Caldarelli Departamento de Economia, UEL

DOI:

https://doi.org/10.5007/2177-5230.2021.e67545

Palavras-chave:

Autocorrelação espacial, Indústria Catarinense, Cluster

Resumo

O objetivo do estudo é examinar a evolução da distribuição do setor industrial nos municípios de Santa Catarina e suas transformações recentes para os anos de 2002, 2009 e 2016. Foram utilizadas duas metodologias: análise de componentes principais para a construção de um Índice Municipal Industrial (IMI) e, a partir deste, a ferramenta de análise exploratória de dados espaciais. A estatística Local de Moran permitiu identificar clusters industriais cujos resultados apontam regiões específicas de concentração industrial, as quais estão autocorrelacionadas. A análise dos resultados revelou que houve aumento do IMI médio, mas as regiões mais industrializadas registraram redução, a exemplo das cidades de Joinville, Jaraguá do Sul, Blumenau e Brusque.

Biografia do Autor

Thiago Pegoretti Moser

Mestre em Economia Regional (UEL, 2019) e bacharel em Economia (FURB, 2011)

Marcia Regina Gabardo da Camara, Universidade Estadual de Londrina

Departamento de Economia, UEL

Carlos Caldarelli, Departamento de Economia, UEL

Doutor em Economia aplicada (ESALQ-USP).

Referências

ANSELIN, L. Exploring Spatial Data with GeoDa: A Workbook. Illinois: Center For Spatially Integrated Social Science, 2005. 226 p. Disponível em: <http://www.csiss.org/clearinghouse/ GeoDa/geodaworkbook.pdf>. Acesso em: 05 set. 2018.

ANSELIN, L. GeoDa Documentation. 2018. Disponível em: <http://geodacenter.github.io/ documentation.html>. Acesso em: 05 set. 2018.

BARBOSA FILHO, F. H.; PESSÔA, S. A. Pessoal ocupado e jornada de trabalho: uma releitura da evolução da produtividade no Brasil. Revista Brasileira de Economia, [s.l.], v. 68, n. 2, p.149-169, jun. 2014. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0034-71402014000200001.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Doença Holandesa e sua neutralização: Uma abordagem ricardiana. Dez. 2007. Disponível em: <http://www.bresserpereira.org.br/view.asp? cod=2470>. Acesso em: 01 out. 2018.

CARVALHO, M. A.; SILVA, C. R. L. Mudanças na pauta das exportações agrícolas brasileiras. Revista de Economia e Sociologia Rural, [s.l.], v. 46, n. 1, p.53-73, mar. 2008. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0103-2003200 8000100003.

CONCEIÇÃO, O. A. C.. A dimensão institucional do processo de crescimento econômico: inovações e mudanças institucionais, rotinas e tecnologia social. Economia e Sociedade, Campinas, v. 17, n. 132, p.85-105, abr. 2008.

CROCCO, M. A.; GALINARI, R.; SANTOS, F.; LEMOS, M. B.; SIMÕES, R. Metodologia de identificação de aglomerações produtivas locais. Nova Economia, [s.l.], v. 16, n. 2, p.211-241, ago. 2006. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0103-63512006000200001.

CRUZ, B. O.; SANTOS, I. R. S. Dinâmica do emprego industrial no Brasil entre 1990 e 2009: uma visão regional da desindustrialização. Texto para Discussão, Rio de Janeiro, v. -, n. 1673, p.1-49, nov. 2011. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br>. Acesso em: 15 abr. 2019.

CURADO, M. Industrialização e desenvolvimento: uma análise do pensamento econômico brasileiro. Econ. soc., Dez 2013, vol.22, no.3, p.609-640. ISSN 0104-0618

FIESC (Ed.). Santa Catarina em Dados. Florianópolis: Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina, 2015. 192 p. Publicação Anual. Disponível em: <http://fiesc.com.br /sites/default/files/inlinefiles/sc_em_dados_site_2015.pdf>. Acesso em: 01 out. 2018.

FIESC (Ed.). Santa Catarina em Dados. Florianópolis: Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina, 2017. 240 p. Disponível em: <http://fiesc.com.br/economia/santa-catarina-dados>. Acesso em: 01 out. 2018.

FURTADO, C. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1961.

FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. 8. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1968.

HIRATUKA, C.; SARTI, F. Transformações na estrutura produtiva global, desindustrialização e desenvolvimento industrial no Brasil: uma contribuição ao debate. Texto Para Discussão, Campinas, v. -, n. 255, p.1-22, jun. 2015.

IBGE (Brasil). Produto Interno Bruto dos Municípios. 2019. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/pib-munic/tabelas>. Acesso em: 01 fev. 2019. (a)

IBGE (Brasil). Tabela 3653: Produção Física Industrial, por seções e atividades industriais. Disponível em: < https://sidra.ibge.gov.br/tabela/3653>. Acesso em: 28 abr. 2019. (b)

IBGE (Brasil). Tabela 5642: Índice de Gini da Distribuição do rendimento mensal das pessoas com 15 anos ou mais de idade, com rendimento. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/tabela/5642#notas-tabela>. Acesso em: 28 abr. 2019. (c)

KALDOR, N. A Model of Economic Growth. The Economic Journal, v. 67, n. 268, p. 591-624. Dez. 1957. Disponível em: < http://www.jstor.org/stable/2227704>. Acesso em: 14 set. 2018.

LANGONI, C. G. A economia da transformação. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1976. 213 p. 135 v. (Coleção General Benício).

MARSHALL, A. Principles of economics. Vol. 1. Macmillan And Co., Limited; Londres, 1898.

MDIC (Brasil). ComexStat: Exportação e Importação Municípios. 2019. Disponível em: <http://comexstat.mdic.gov.br/pt/municipio>. Acesso em: 01 fev. 2019.

MTE (Brasil). Bases Estatísticas RAIS e CAGED. 2019. Disponível em: <http://bi.mte.gov.br/bgcaged/inicial.php>. Acesso em: 01 fev. 2019.

MORCEIRO, P. C.; GUILHOTO, J. J. M. Desindustrialização setorial e estagnação de longo prazo da manufatura brasileira. Working Paper Series, São Paulo, p.1-28, jan. 2019. Disponível em: <http://www.repec.eae.fea.usp.br/documentos/Morceiro_ Guilhoto_01WP.pdf>. Acesso em: 15 abr. 2019.

OECD (Ed.). Handbook on Constructing Composite Indicators: Methodology and User Guide. Paris: OECD Publications, 2008. 158 p. Disponível em: <https://www.oecd.org/sdd/42495745.pdf>. Acesso em: 03 set. 2018.

OREIRO, J. L.; FEIJÓ, C. A. Desindustrialização: conceituação, causas, efeitos e o caso brasileiro. Revista de Economia Política, [s.l.], v. 30, n. 2, p.219-232, jun. 2010. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0101-31572010000200003.

PEROBELLI, F. S. ; BASTOS, S. Q. A.; OLIVEIRA, J. C. Avaliação sistêmica do setor industrial brasileiro: 1995-2009. Estudos Econômicos (São Paulo), [s.l.], v. 47, n. 1, p.125-152, mar. 2017. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/ 0101-416147151fsj.

PREBISCH, Raúl. O Desenvolvimento Econômico da América Latina e seus Principais Problemas . Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 3, n. 3, p. 47-111, jul. 1949. ISSN 1806-9134. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rbe/ article/view/2443/1767>. Acesso em: 07 Set. 2018.

ROWTHORN, R.; RAMASWAMY, R. Growth, Trade, and Deindustrialization. Imf Staff Papers: A journal of IMF, Washington, v. 46, n. 1, p.17-41, mar. 2009. Disponível em: <https://www.imf.org/external/Pubs/FT/ staffp/1999/03-99/pdf/rowthorn.pdf>. Acesso em: 01 out. 2018.

SCHUMPETER, J. A. Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1984, p. 110-116.

SOLOW, R. M. A Contribution to the Theory of Economic Growth. The Quarterly Journal Of Economics, [s.l.], v. 70, n. 1, p.65-94, fev. 1956. Oxford University Press (OUP). http://dx.doi.org/10.2307/1884513.

TREGENNA, F. Characterising deindustrialisation: an analysis of changes in manufacturing employment and output internationally. Cambridge Journal of Economics, Oxford University Press, vol. 33(3), p. 433-66, mai. 2009.

Downloads

Publicado

2021-04-08

Edição

Seção

Artigos