Mudanças na espacialidade da estrutura produtiva do Ceará: um estudo de suas microrregiões nos anos de 2007 e 2017

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2177-5230.2020v35n76p398

Palavras-chave:

Estrutura Produtiva, Análise Fatorial, IEPC, Microrregiões, Ceará

Resumo

Este estudo tem por objetivo estimar um Índice de Estrutura Produtiva do Ceará (IEPC) e identificar os principais fatores que explicam as características da estrutura produtiva do estado. Metodologicamente, foi utilizada a técnica estatística multivariada de análise fatorial, pelo método dos componentes principais. Os dados são de origem secundária da RAIS, IBGE e MDIC, para os anos de 2007 e 2017. Constataram-se importantes modificações na estrutura produtiva, observando uma ampliação de uma para quatro no número de microrregiões com alto grau de crescimento econômico no período, a saber: Fortaleza, Litoral de Camocim e Acaraú, Sobral e Cariri. O IEPC identificou que houve um processo de interiorização e crescimento das estruturas produtivas das microrregiões, embora ainda existam disparidades entre o interior e o litoral do estado.

Biografia do Autor

Denis Fernandes Alves, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Doutorando em Economia pelo Programa de Pós-Graduação em Economia da Universidade Federal de Pernambuco PIMES/UFPE.

Francisco do O' de Lima Júnior, Universidade Regional do Cariri - URCA

Economista. Doutor em Desenvolvimento Econômico pela Universidade Estadual de Campinas (IE/UNICAMP). Professor do Dep. de Economia (URCA), e do Programa de Pós-Graduação em Planejamento e Dinâmicas Territoriais no Semiárido da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (PLANDITES/UERN). 

Wellington Ribeiro Justo, Universidade Regional do Cariri - URCA

Economista. Doutor em Economia pelo PIMES/UFPE. Professor do Dep. de Economia (URCA), e do Programa de Pós-Graduação em Economia (PPGECO/UFPE). 

Referências

ACCIOLY, V. M. A metrópole e o impacto das políticas públicas na expansão urbana: Fortaleza entre 1980 e 2008. Artigo apresentado no Encontro de Geógrafos da América Latina (EGAL), Montevideo. 2009.

ALVES, Denis Fernandes. Estrutura produtiva e desigualdade intermunicipal de renda no Brasil: uma abordagem regional. 2020. 204f. Dissertação (Mestrado em Economia) - Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2020.

ALVES, Denis Fernandes et al. Estrutura Produtiva nas Mesorregiões do Nordeste Brasileiro: uma análise fatorial. Informe Gepec, v. 22, n. 2, p. 81-98, 2018.

ALVES, Denis Fernandes et al. Desenvolvimento Humano do estado do Ceará: uma análise territorial a partir do IDHM. Economia & Região, v. 5, n. 2, p. 23-41, 2017.

AMORA. Z. B. Aspectos históricos da industrialização do Ceará. In: SOUZA, S. (org.) História do Ceará. Fortaleza: Fundação Demócrito Rocha. 1994.

BRANDÃO, C. A.; OLIVEIRA, H. S. Divisão inter-regional do trabalho no Brasil nos anos 90: perdas de quantidade e qualidade nos investimentos, empregos e instrumentos de regulação. RIBEIRO, ACT et al, p. 355-389. 2005.

CANO, W. Desequilíbrios regionais e concentração industrial no Brasil, 1930-1995. 2. ed. Campinas, SP: UNICAMP, 1998. 421p.

DEDECCA, C. S.; ROSANDISKI, E. N. Recuperação econômica e geração de empregos formais. Parcerias Estratégicas, 22:169-190. 2006.

FERREIRA JÚNIOR, S.; BAPTISTA, A. J. M. S.; LIMA, J. E. A modernização nas microrregiões do Estado de Minas Gerais. RER, Rio de Janeiro, v. 42, n. 01, p. 73-89, jan/mar. 2004.

FIGUEIREDO FILHO, D. B.; SILVA JÚNIOR, J. A. Visão além do alcance: uma introdução à análise fatorial. OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, v. 16, n. 1, p. 160-185. 2010.

GUIMARÃES NETO, L. Introdução à formação econômica do Nordeste. Recife, Fundaj/Massangana. 1989.

HADDAD, P. R. Os novos polos regionais de desenvolvimento. Rio de Janeiro: INAE. 1989.

HAIR, J. F. et al. Analise Multivariada de dados. 5ª Ed. São Paulo: Brookman. 2007.

HOFFMAN, R. A dinâmica da modernização da agricultura em 157 microrregiões homogêneas do Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural. Brasília, v.30, n.4, p.271-290, out-dez, 1992.

IPECE - Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Ipece Conjuntura 2017. Boletim da Conjuntura Econômica cearense, referente aos resultados do 4 o trimestre de 2017. Fortaleza/CE. v.6, n.4, 2017.

JOHNSON, R. A.; WICHERN, D. W. Applied multivariate statistical analysis. Prentice Hall. 1992.

LEMOS, J. J. S. Indicadores de Degradação no Nordeste Subsumido e Semiárido. Revista SOBER, p.1-10. 2000.

LIMA, V. M. A.; MAIA, K. Índice de desenvolvimento socioeconômico dos municípios sul-mato-grossenses para 2010. Revista Brasileira Eco. de Emp. n. 15, v. 2, p. 83-103. 2015.

LIMA JÚNIOR, F. O. Estrutura produtiva e rede urbana no Estado do Ceará durante o período de 1980-2010. Campinas. SP: Instituto de Economia da UNICAMP (Tese de Doutorado). 264p. 2014.

MATA, H. et al. Padrão e determinantes do desenvolvimento econômico e social dos municípios do Estado da Bahia: a dicotomia rural – urbano. In: Congresso da SOBER, XLVI, 2008. SOBER: Rio Branco, 2008.

MELO, C.; PARRÉ, J. Índice de desenvolvimento rural dos municípios paranaenses: determinantes e hierarquização. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 45, n. 02, p. 329-365. 2007.

MISSAGGIA, S. Z. Desenvolvimento humano na mesorregião centro ocidental-RS: um estudo utilizando a análise fatorial. Monografia de especialização apresentada ao curso de especialização em estatística e modelagem quantitativa da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM, RS). 2012.

MORAIS, Gabriel Alves de Sampaio; SOBREIRA, Diogo Brito; LIMA, João Eustáquio. Padrão e determinantes da infraestrutura urbana das microrregiões brasileiras. Geosul, v. 33, n. 66, p. 262-291, 2018.

MORAIS, Micaelson Lacerda; MACEDO, Fernando Cézar de; LIMA JÚNIOR, Francisco do O’ de. Ceará: Economia, Urbanização e metropolização. Crato, CE: RDS Editora, 2014

PALLANT, J. SPSS Survival Manual. Open University Press, 2007.

PEREIRA JÚNIOR, Edilson. O processo de industrialização e as novas articulações cidade–urbano–região. Anais do XII Encuentro de Geógrafos da América Latina. Montevidéo, 2009.

PEROBELLI, F. et al. Planejamento Regional e Potenciais de desenvolvimento dos municípios de Minas Gerais na região em torno de Juiz de Fora: Uma aplicação de análise fatorial. Revista Nova Economia. v. 9, n.1, jul. 1999.

PINHEIRO, Tiago Cisalpino. Hierarquia urbana e situação fiscal dos municípios brasileiros. Revista Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, v. 3, n. 1, 2009.

REZENDE, M. L.; FERNANDES, L. P. S.; SILVA, A. M. R. Utilização da Análise Fatorial para determinar o potencial de crescimento econômico em uma Região do Sudeste do Brasil. Revista Economia e Desenvolvimento, n. 19. 2007.

SENNETT, R. A corrosão do caráter: consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. 4. ed. Rio de Janeiro: Record. 2000.

SILVA FILHO, L. A.; QUEIROZ, S. N. Políticas de concentração ou desconcentração industrial no território cearense? APGS, Viçosa, v. 1, n. 4, p. 1-22, out./dez. 2009.

SILVA FILHO, L. A.; QUEIROZ, S. N. Indústria têxtil: uma análise do emprego formal em Santa Catarina vis-à-vis o Ceará – 1998/2008. Perspectiva Econômica, v. 7, n. 2, p. 64-77, jul./dez. 2011.

SOUSA, F. J. P. Transformações Políticas e Institucionais no Ceará: repercussões nas finanças públicas do Estado. Rev. Econ. do Nordeste. Fortaleza, v. 38, n. 4, out-dez. 2007.

SHIKIDA, P. F. A. Desenvolvimento socioeconômico e agroindústria canavieira no Paraná. Revista de Política Agrícola, v. 19, n. 3, p. 67-82. 2010.

VASCONCELOS, J. R.; ALMEIDA, M. B.; SILVA, A. B. Ceará: Economia, Finanças Públicas e Investimentos nos anos de 1986 a 1996. Texto para discussão, n. 627. Brasília, fev. 1999.

VERAS, Ana Odilia de Carvalho. Impactos Socioambientais no Estuário do Rio Jaguaribe: o Caso da Cidade de Aracati-Ce. 2010.

XERXENEVSKY L. L; FOCHEZATTO, A. Índice relativo de desenvolvimento socioeconômico dos municípios do litoral norte do Rio Grande do Sul: uma aplicação da análise fatorial. Boletim Geográfico do Rio Grande Do Sul. Porto Alegre (RS). Ed. 25, p. 31-55. 2015.

Downloads

Publicado

2020-10-27

Edição

Seção

Artigos