Reconhecimento e mapeamento sísmico de paleocanais ao largo da Plataforma Continental Interna da ilha de Santa Catarina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2177-5230.2020v35n76p107

Palavras-chave:

Paleocanais, Levantamento Sísmico, Plataforma Continental Interna da ilha de Santa Catarina

Resumo

As características do fundo e da sub-superfície rasa da plataforma continental interna adjacente à ilha de Santa Catarina foi mapeada a partir da interpretação de 27 perfis sísmicos os quais evidenciaram 8 estruturas sedimentares correlacionadas a antigos sistemas fluviais, logo, considerados como paleocanais. Os refletores acústicos identificados, que representam contatos entre estratos sedimentares, denominados de R1, R2 e R3, delimitam antigos cenários deposicionais e representam sistemas pretéritos de drenagem. Os paleocanais identificados mostraram-se fortemente associados às flutuações do nível do mar desde a fase transgressiva que teve início após o Último Máximo Glacial através do afogamento de desembocaduras fluviais e da planície costeira pretérita, até o posterior recobrimento por um lençol de areias transgressivas que conformou a atual plataforma continental adjacente à ilha de Santa Catarina.

Biografia do Autor

Marina Ghedin Jerônimo, Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI)

Possui graduação em Oceanografia pela Universidade do vale do Itajaí (2011), desenvolvendo atividades de pesquisa na área da oceanografia geológica, com ênfase em geofísica marinha aplicada. Possui experiência em geociência e geotecnologia, envolvendo serviços na área da Geofísica Marinha (Interpretador Sísmico) e de Geoprocessamento (Mapeamento Geológico e desenvolvimento de arquivos vetoriais em ambiente SIG). Mestre em Ciência e Tecnologia Ambiental pela Universidade do Vale do Itajaí (Bolsista CAPES - PROSUC). Tem experiência na área de Oceanografia, com ênfase em Oceanografia Geológica, atuando principalmente nos seguintes temas: Oceanografia Geológica de Ambientes Costeiros e Oceânicos, Geofísica de Planície Costeira e Águas rasas e Recursos Minerais Marinhos - Siliciclásticos.

José Gustavo Natorf de Abreu, Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI)

Doutor em Geociências pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) desde 2010, Mestre em Geologia e Geofísica Marinha pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 1998. Especialista em Geologia e Geofísica Marinha pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 1997. Graduado em Oceanologia pela Fundação Universidade Federal do Rio Grande (FURG) em 1984. Professor titular da Universidade do Vale do Itajaí. (UNIVALI) no curso de graduação em Oceanografia desde 1995. Atua na área de Oceanografia, com ênfase em Geofísica Marinha, Sedimentologia, Plataforma Continental, Recursos Minerais do Mar, Plataforma Continental Jurídica do Brasil, Monitoramento Ambiental, Impactos Ambientais.

Referências

ABREU, José Gustavo Natorf de. Sedimentologia, sismoestratigrafia e evolução da Plataforma Continental Interna na área sob influência dos rios Itajaí-Açu e Camboriú, litoral centro-norte de Santa Catarina. 2010. Tese (Doutorado em Ciências) - Programa de Pós-Graduação em Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2010.

ABREU, J.G.N. e CALLIARI, L.J. Paleocanais na Plataforma Continental Interna do Rio Grande do Sul: Evidencias de uma Drenagem Fluvial Pretérita. Revista Brasileira de Geofísica, Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, p. 123-132, out. 2005.

AYRES NETO, A. Uso da sísmica de reflexão de alta resolução e da sonografia na exploração mineral submarina. Revista Brasileira de Geofísica, Rio de Janeiro, v. 18, n. 3, p. 241-256, dez. 2001.

AYRES NETO, A.; FALCÃO, L.C. e AMARAL, P.J.T. Caracterização de ecofácies na margem continental norte brasileira – Estado do conhecimento. Revista Brasileira de Geofísica, Rio de Janeiro, v. 27, n. 1, p. 97-106, 2009.

COOKE, C.V.; MADUREIRA, L.S.P. e GRIEP, G.H. Análise de dados batimétricos provenientes de cruzeiros de prospecção de recursos vivos realizados entre Fortaleza (CE) e Florianópolis (SC). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO E GÁS, 3., 2005, Bahia. Resumos [...]. Salvador: Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP) e UNIFACS, 2005.

CORRÊA, I.C.S. Paleolinhas de costa na plataforma continental entre São Paulo e Santa Catarina. In: SIMPÓSIO REGIONAL DE GEOLOGIA, 2., 1979, Rio Claro. Atas [...]. São Paulo, 1979.

CORRÊA, I.C.S.; MARTINS, L.R.S.; KETZER, J.M.M.; ELIAS, A.R.D.; MARTINS, R. Evolução Sedimentológica e Paleogeográfica da Plataforma Continental Sul e Sudeste do Brasil. Notas Técnicas, 9: 51-61. CECO. Instituto de Geociências. UFRGS. Porto Alegre. Brasil. 1996.

COOPER, J.A.G.; MEIRELES, R.P.; GREEN, A.N.; KLEIN, A.H.F. e TOLDO, E.E. Late Quaternary stratigraphic evolution of the inner continental shelf in response to sea-level change, Santa Catarina, Brazil. Marine Geology. v. 397, p. 1-14. 2018.

GOMES, M.P.; VITAL, H. e MACEDO, J.W.P.de. Fluxo de Processamento Aplicado a dados de Sísmica de Alta Resolução em Ambiente de Plataforma Continental. Exemplo: Macau-RN. Revista Brasileira de Geofísica, Rio de Janeiro, v. 29, n. 1, p. 173-186. 2011.

FURTADO, V.V. Upper quaternary sea level fluctuations and stillstands on the continental shelf of São Paulo State, Brazil: A Summary. Revista Brasileira de Geofísica, Rio de Janeiro, v.31, Supl.1, p.43-48. 2013.

KOWSMANN, R.O.; COSTA, M.P.A.; VICALVI, M.A.; COUTINHO, M.G.M. e GAMBÔA, L.A.P. Modelo da sedimentação holocênica na plataforma continental sul brasileira. In Projeto REMAC – Evolução sedimentar holocênica da plataforma continental e do talude do Sul do Brasil. Série Projeto REMAC, 2: 7–26. Rio de Janeiro, PETROBRAS, CENPES, DINTEP. 1977.

MACEDO, H.C.; FIGUEIREDO Jr., A.G. e MACHADO, J.C. Propriedades acústicas (velocidade de propagação e coeficiente de atenuação) de sedimentos marinhos coletados nas proximidades da Ilha do Cabo Frio, RJ. Revista Brasileira de Geofísica, Rio de Janeiro, v. 27, n. 2, p. 195-204, jun. 2009.

MASSELINK, G. e HUGHES, M.G. Introduction to coastal processes and geomorphology. Hodder Education Publishers, London, UK. 2003.

NEAL, J.; RISCH, D. e VAIL, P. Sequence Stratigraphy – A Global Theory for Local Success. Oilfield Review, Chester, v. 5, p.51-63. 1993.

PIRES, Júlio César Gall. Análise do desempenho da Ultrassonografia no Imageamento não invasivo de Depósitos Sedimentares simulados em Laboratório. 2014. Dissertação (Mestrado em Engenharia e Tecnologia de Materiais) – Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2014.

SUGUIO, K. Recent progress in Quaternary geology of Brazil. Episodes, São Paulo, v. 22, n. 3, p, 217–220, set. 1999.

SUGUIO, Kenitiro. Geologia Sedimentar. 1 ed. São Paulo: Edgard Blucher, 2003

SUMIDA, P.Y.G.; YOSHINAGA, M.Y.; MADUREIRA, L.A.S. e HOVLANND, M. Seabed pockmarks associated with deepwater corals off SE. Brazilian continental slope, Santos Basin. Marine Geology, v. 207, p.159-167, jun. 2004.

VIEIRA, P.C. 1981. Variações no nível marinho: Alterações eustáticas do Quaternário. Revista IG, São Paulo, v. 2, n. 1, p.39-58, jun. 1981.

WESCHENFELDER, J.; CORRÊA, I.C.S.; TOLDO Jr, E.E. e BAITELLI, R. Paleocanais como indicativo de eventos regressivos Quaternários do nível do mar no sul do Brasil. Revista Brasileira de Geofísica, Rio de Janeiro, v. 26, n. 3, p. 367-375, abr. 2008.

Downloads

Publicado

2020-10-27

Edição

Seção

Artigos