"Geografias do Sul": descentramento, transescalaridade e espacializações no pensamento miltoniano

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2177-5230.2020v35n76p39

Palavras-chave:

Geografias do Sul, Epistemologias do Sul, Pensamento geográfico brasileiro, Milton Santos

Resumo

Nos últimos anos, o pensamento descolonial tem se afirmado como importante abordagem na ciência geográfica brasileira. Com vistas a contribuir com essa discussão contemporânea, o artigo identifica um conjunto de intelectuais cujas preocupações e reflexões se aproximaram, de alguma maneira, de problemáticas atualmente abordadas pelas “epistemologias do Sul”, definindo a vertente aqui metaforicamente nomeada de “geografias do Sul”. Após uma breve caracterização dos principais atributos dessa vertente, procura-se identificá-los nas obras de alguns importantes geógrafos brasileiros, com destaque para Milton Santos, autor cujo pensamento descentrado, transescalar e atento às geografizações da sociedade em muito tem a contribuir com a compreensão do “Sul global” no período atual.

Biografia do Autor

Gabriel Carvalho da Silva Leite, Universidade Federal do Pará

Bacharel e Licenciado em Geografia (2018) pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Na mesma instituição, tornou-se Mestre em Planejamento do Desenvolvimento (2020) pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido, do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (PPGDSTU/NAEA). Integra o Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Ordenamento Territorial e Urbanodiversidade na Amazônia (GEOURBAM, NAEA/UFPA-CNPq), coordenado pelo Prof. Dr. Saint-Clair Cordeiro da Trindade Júnior, e  pesquisa, atualmente, as contribuições de tradições críticas do pensamento geográfico brasileiro para a análise de problemáticas socioespaciais em realidades regionais do "Sul global", com ênfase na Amazônia.

Saint-Clair Cordeiro da Trindade Júnior, Núcleo de Altos Estudos Amazônicos/Universidade Federal do Pará

Professor Titular do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Universidade Federal do Pará, instituição na qual obteve o título de Licenciado (1986) e Bacharel  (1989) em Geografia  e de Bacharel em Direito (1988). Na mesma universidade tornou-se Especialista em Análise Geográfica Aplicada à Amazônia (1987) e Mestre em Planejamento do Desenvolvimento (1993). Doutorou-se em Geografia Humana (1998) pela Universidade de São Paulo, onde também fez Pós-Doutorado em Geografia Regional (2016). No Institut des Hautes Études de l´Amérique Latine (Université Paris III/Sorbonne Nouvelle) concluiu Pós-Doutorado em Políticas Urbanas (2007). É sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, pesquisador do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e líder do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Ordenamento Territorial e Urbanodiversidade na Amazônia. Atua nos Programas de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido (Doutorado/Mestrado Acadêmico), Gestão Pública (Mestrado Profissional) e Desenvolvimento de Áreas Amazônicas (Especialização) do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos. Tem experiência em Geografia Urbana e Regional, em Direito Urbanístico e em Planejamento Urbano e Regional, com ênfase nos seguintes temas: teoria regional e regionalização; produção social do espaço e direito à cidade; políticas de desenvolvimento e de ordenamento territorial; e cidades, urbanização e urbanodiversidade na Amazônia.

Referências

ANDRADE, M. C. A terra e o homem no Nordeste: contribuição ao estudo da questão agrária no Nordeste. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1986.

ANDRADE, M. C. Uma releitura crítica da obra de Josué de Castro. In: ANDRADE, M. C. et al. Josué de Castro e o Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2003. p. 73-82.

AZEVEDO, G. F. Josué de Castro e sua obra: uma interpretação. In: MACHADO, M. S.; MARTIN, A. R. (orgs.). Dicionário dos geógrafos brasileiros. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2014. p. 67-84.

CASTELLS, M. (org.). Imperialismo y urbanización en América Latina. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 1973.

CASTELLS, M. A questão urbana. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, [1972] 1983.

CASTRO, J. Ouvindo Josué de Castro – homem força do nosso tempo (entrevista a Araújo Dantas – 1965). In: CASTRO, A. M. (org.). Fome, um tema proibido: últimos escritos de Josué de Castro. Petrópolis: Vozes, 1984. p. 111-115.

CASTRO, J. Homens e caranguejos. 1. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

CERQUEIRA-NETO, S. P. G. Epistemologias do sul e a Nova Geografia: por uma Geografia Popular no encontro entre Milton Santos e Boaventura de Sousa Santos. Cronos: Revista de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Natal, v. 18, n. 1, p. 68-88, jan./jun. 2017.

CORRÊA, R. L. A rede de localidades centrais nos países subdesenvolvidos. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, ano 50, n. 1, p. 61-84, jan./mar. 1988.

CRUZ, V. C. Geografia e pensamento descolonial: notas sobre um diálogo necessário para a renovação do pensamento crítico. In: CRUZ, V. C.; OLIVEIRA, D. A. (orgs.). Geografia e giro descolonial: experiências, ideias e horizontes de renovação do pensamento crítico. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2017. p. 15-36.

DANTAS, A. Geografia e epistemologia do sul na obra de Milton Santos. Mercator, Fortaleza, v. 13, n. 3, p. 49-61, set./dez. 2014.

FERRETTI, F.; PEDROSA, B. V. Inventing critical development: a Brazilian geographer and his Northern networks. Transactions of the Institute of British Geographers, Oxford, v. 43, n. 4, p. 703-717, dez. 2018.

HARVEY, D. A justiça social e a cidade. 1. ed. São Paulo: Hucitec, 1980.

HIERNAUX, D. El trabajo del geógrafo en el Tercer Mundo revisited. In: MENDOZA, C. (coord.). Tras las huellas de Milton Santos: una mirada latinoamericana a la geografía humana contemporánea. Ciudad de México: Anthropos Editorial, 2008. p. 14-24.

LACOSTE, Y. A geografia: isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. 19. ed. Campinas: Papirus, 1988.

MACHADO, T. Geografia e dependência: o diálogo entre Milton Santos e Ruy Mauro Marini a partir da teoria do subimperialismo. GEOgraphia, Niterói, v. 19, n. 40, p. 185- 190, 2017.

MACHADO, T. Milton Santos: a pioneer in critical geography from the global South. Finisterra, Lisboa, v. 54, n. 110, p. 175-178, 2019. [Seção] Atualização bibliográfica. Atualização bibliográfica da obra de: MELGAÇO, L.; PROUSE, C. (eds.). Milton Santos: a pioneer in critical geography from the global South. Switzerland: Springer International, 2017.

MALDONADO-TORRES, N. La descolonización y el giro des-colonial. Tabula Rasa, Bogotá, n. 9, p. 61-72, jul./dez. 2008.

MARINO, L. F. Manuel Correia de Andrade: um geógrafo voltado para as causas sociais. In: MACHADO, M. S.; MARTIN, A. R. (orgs.). Dicionário dos geógrafos brasileiros. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2014. p. 101-117.

MELGAÇO, L.; PROUSE, C. (eds.). Milton Santos: a pioneer in critical geography from the global South. Switzerland: Springer International, 2017a.

MELGAÇO, L.; PROUSE, C. Milton Santos and the centrality of the periphery. In: MELGAÇO, L.; PROUSE, C. (eds.). Milton Santos: a pioneer in critical geography from the global South. Switzerland: Springer International, 2017b. p. 1-24.

MOREIRA, R. O pensamento geográfico brasileiro: as matrizes brasileiras. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2010.

NUN, J. Superpoblación relativa, ejército industrial de reserva y masa marginal. Revista Latinoamericana de Sociología, Buenos Aires, v. 5, n. 2, p. 180-225, 1969.

PEDROSA, B. V. O périplo do exílio de Milton Santos e a formação de sua rede de cooperação. História, Ciência, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 25, n. 2, p. 429-448, abr./jun. 2018.

QUIJANO, A. La formación de un universo marginal en las ciudades de América Latina. In: CASTELLS, M. (org.). Imperialismo y urbanización en América Latina. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 1973. p. 141-166.

SANTOS, M. Underdevelopment and poverty: a geographer’s view. Toronto: University of Toronto, 1975.

SANTOS, M. O trabalho do geógrafo no Terceiro Mundo. São Paulo: Hucitec, 1978.

SANTOS, M. Metamorfoses do espaço habitado: fundamentos teóricos e metodológicos da Geografia. 1. ed. São Paulo: Hucitec, 1988.

SANTOS, M. Metrópole corporativa fragmentada: o caso de São Paulo. São Paulo: Nobel, 1990.

SANTOS, M. A urbanização brasileira. São Paulo: Hucitec, 1993.

SANTOS, M. Por uma economia política da cidade: o caso de São Paulo. São Paulo: Educ, 1994.

SANTOS, M. Milton Santos. Entrevistado por José Corrêa Leite. Teoria e debate, São Paulo, n. 40, p. 32-39, 1999.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 6. ed. Rio de Janeiro: Record, [2000] 2001.

SANTOS, M. Elogio da lentidão. In: SANTOS, M. O País distorcido: o Brasil, a globalização e a cidadania. Org. de Wagner Costa Ribeiro. São Paulo: Publifolha, 2002. p. 162-166.

SANTOS, M. Região: globalização e identidade. In: LIMA, L. C. (org.). Conhecimento e reconhecimento: homenagem ao geógrafo cidadão do mundo. Fortaleza: EDUECE, 2003. p. 12-19.

SANTOS, M. Entrevista. In: SANTOS, M. Entrevistado por Jesus de Paula Assis; colab. de Maria Encarnação Sposito. Milton Santos: testamento intelectual. São Paulo: Editora da UNESP, 2004. p. 11-62.

SANTOS, M. Economia espacial: críticas e alternativas. 2. ed. São Paulo: EDUSP, [1979] 2007.

SANTOS, M. O centro da cidade do Salvador: estudo de geografia urbana. 2. ed. São Paulo: EDUSP, [1959] 2008a.

SANTOS, M. O espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. 2. ed. São Paulo: EDUSP, [1979] 2008b.

SANTOS, M. Por uma Geografia nova: da crítica da Geografia a uma Geografia crítica. 6. ed. São Paulo: EDUSP, [1978] 2012.

SANTOS, M. Pobreza urbana. 3. ed. São Paulo: EDUSP, [1978] 2013a.

SANTOS, M. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico-informacional. 5. ed. São Paulo: EDUSP, [1994] 2013b.

SANTOS, M. Espaço e método. 5. ed. São Paulo: EDUSP, [1985] 2014a.

SANTOS, M. O espaço do cidadão. 7. ed. São Paulo: EDUSP, [1987] 2014b.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: EDUSP, [1996] 2014c.

SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 16. ed. Rio de Janeiro: Record, [2001] 2012.

SIMONI-SANTOS, C. Da marginalidade à segregação: contribuições de uma teoria urbana crítica. Economía, sociedad y territorio, Zinacantepec, v. 17, n. 55, p. 619-646, 2017.

SOUSA SANTOS, B. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: SOUSA SANTOS, B.; MENESES, M. P. (orgs.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina, 2009. p. 21-71.

SOUSA SANTOS, B. Introducción: las epistemologías del Sur. In: CIDOB (org.). Formas-otras. Saber, nombrar, narrar, hacer. Barcelona: CIDOB Ediciones, 2012. p. 9-22. Disponível em: http://www.boaventuradesousasantos.pt/media/Formas-Otras_Dec2011.pdf. Acesso em: 14 maio 2019.

THE SOUTH COMMISSION. The challenge to the South – the report of the South Commission. New York: Oxford University Press, 1992.

Downloads

Publicado

2020-10-27

Edição

Seção

Artigos