Estudo da cobertura vegetal do município de Guaiuba/CE com base na utilização dos índices de vegetação SAVI e NDVI

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2177-5230.2021.e73138

Palavras-chave:

Atividade vegetacional, Análise pluviométrica, SAVI, NDVI, Guaiúba

Resumo

A aplicação dos índices de vegetação são componentes essenciais na compreensão da cobertura vegetal ao investigar a paisagem de um dado espaço. Nesse sentido, o presente artigo objetiva-se em analisar a atividade vegetacional do município de Guaiúba/CE, através da aplicação dos índices de vegetação (SAVI e NDVI). O percurso metodológico se ateve na geração de tais índices, interpolação e produção cartográfica. Como resultados da pesquisa denota-se a demonstração da investigação pluviométrica acumulada do município de Guaiúba, bem como a quantificação das classes de atividades fotossintéticas geradas pelos índices de vegetação. Logo, a compreensão dos índices, permitem estudos diversos, tanto no âmbito geográfico, como na formulação de ações de planejamento ambiental.

Biografia do Autor

Túlio Viana Bandeira, Universidade Estadual do Ceará

Possui Graduação em Geografia/Bacharelado (2018) pela Universidade Estadual do Ceará. Especialista em Geoprocessamento aplicado à Análise Ambiental e Recursos Hídricos (2019) pela Universidade Estadual do Ceará. Especialista em Políticas Públicas, Gestão e Serviços Sociais pelo Instituto Prominas (2020). Mestre em Geografia (2020) pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia (ProPGeo) da Universidade Estadual do Ceará. 

Maria Lúcia Brito da Cruz, Universidade Estadual do Ceará

Graduação em Geografia pela Universidade Estadual do Ceará (1986), Especialização em Sensoriamento Remoto pelo Instituto nacional de pesquisas Espaciais – INPE (1989), Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Ceará-UFC (1998), Doutorado em Geografia pela Universidade Federal de Pernambuco-UFPE (2010) e Pós-Doutorado em Geografia pela Universidade Federal do Pará-UFPA (2018). Professora do Curso de Geografia da Universidade Estadual do Ceará.

Referências

BRANDÃO. R. L. Diagnóstico geoambiental e os principais problemas de ocupação do meio físico da região metropolitana de Fortaleza. Fortaleza: CPRM, 1998.

CEARÁ (Estado). Superintendência Estadual do Meio Ambiente. Área de Proteção Ambiental da Serra da Aratanha. Fortaleza, 2010. Disponível em: <http://www.semace.ce-.gov.br/2010/- 12/area-de-protecao-ambiental-da-serra-da-aratanha/> Acesso em: 03 mar. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Cidades e Estados. Rio de Janeiro, 2020. Disponível em: < IBGE - https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/ce/guaiuba.html>. Acesso em: 8 abr. 2020.

JENSEN, J. R. Sensoriamento remoto do ambiente: uma perspectiva em recursos terrestres. São Paulo: Editora Parêntese, 2009.

JAKOB, A. A. E.; YOUNG, A. F. O uso de métodos de interpolação espacial de dados nas análises sociodemográficas. ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 15, 2006, Caxambu. Anais... Caxambu: ENEP, 2006.

PERIN, E. B. et. al. Interpolação das variáveis climáticas temperatura do ar e precipitação: revisão dos métodos mais eficientes. GEOgraphia, Santa Catarina, v. 40, n. 2, 2015.

PONZONI, F. J. Comportamento espectral da vegetação. In: MENESES, P. R.; MADEIRA NETTO, J. S. (Org.). Sensoriamento remoto: reflectância dos alvos naturais. Brasília: UnB, 2001, p. 157-189.

PONZONI, F. J.; SHIMABUKURO, Y. E.; KUPLICH, T. M. Sensoriamento remoto da vegetação. 2. ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2012.

ROCHA, N. M. Avaliação dos índices NDVI e SAVI para caatinga do Seridó Ocidental do Estado da Paraíba. 2016. 59f. Monografia (Graduação em Geografia) – Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2016.

ROSA, R. Introdução ao sensoriamento remoto. Uberlândia: EDUFU, 2007.

SOUZA, M. J. N.; OLIVEIRA, V. P. V. Os enclaves úmidos e sub-úmidos do semiárido do Nordeste brasileiro. Mercator, Fortaleza, n. 9, 2006.

SOUZA, M. J. N. Contexto ambiental do enclave úmido da Serra de Baturité - Ceará. In: BASTOS, F. H. B. (Org.). Serra de Baturité: uma visão integrada das questões ambientais. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2011. p. 19-33.

ZANELLA, M. E.; SALES, M. C. L. Considerações sobre o clima e a hidrografia do Maciço de Baturité. In: BASTOS, F. H. B. (Org.). Serra de Baturité: uma visão integrada das questões ambientais. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2011. p. 61–75.

ZULLO JUNIOR, J. Correção atmosférica de imagens de satélites e aplicações. 1994. 203f. (Doutorado em Engenharia Elétrica) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 1994.

Downloads

Publicado

2021-04-08

Edição

Seção

Artigos