Evolução da distribuição do mercado formal de trabalho nas mesorregiões de Santa Catarina entre 2001 e 2018

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2177-5230.2021.e74692

Palavras-chave:

Economia regional, Mercado de trabalho, Emprego formal

Resumo

Este artigo analisa a distribuição dos vínculos formais de trabalho nas mesorregiões de Santa Catarina entre 2001 e 2018. Para tanto, o estudo se baseia nos dados regionalizados da RAIS, a partir de sua composição por setor de atividade econômica, sexo do trabalhador e nível de remuneração. O período analisado foi dividido em duas fases, tendo em vista a ruptura observada em 2015. Na fase até 2014, notou-se uma tendência de melhoria no grau de formalização do emprego, com destaque para o desempenho da Grande Florianópolis e do Vale do Itajaí. Mediante a emergência da crise econômica, a partir de 2015 houve um processo de desestruturação do mercado formal de trabalho em todas as regiões, com resultados negativos especialmente no Vale do Itajaí e na Grande Florianópolis.

Biografia do Autor

Lauro Mattei, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Professor Titular do Departamento de Economia e Relações Internacionais e Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Administração, ambos da UFSC. Coordenador geral do Necat/UFSC e Pesquisador do OPPA/CPDA/UFRRJ.

Vicente Loeblein Heinen, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Graduando do curso de Ciências Econômicas na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e pesquisador do Necat/UFSC.

Referências

BALTAR, Paulo. Política econômica, emprego e política de emprego no Brasil. Estudos Avançados. v. 28, n. 81, mai/ago 2014.

CAVALIERI, H.; CARIO, S. A. F.; FERNANDES, R. L. Estrutura industrial brasileira e de Santa Catarina: alguns indícios de desindustrialização. In: Indicadores Econômicos FEE, Porto Alegre, v. 40, n. 3, p. 81-104, out-dez 2013.

FACISC - Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina. Relatório IPER-SC, ref. 2018, abr-2019. Disponível em: <http://bit.ly/2tjM0tL>. Acesso em: 19 jan. 2020.

IPEADATA. Salário mínimo real. 2020. Disponível em: <http://bit.ly/2UiGQJs>. Acesso em: 21 jan. 2020.

MATTEI, L.; LINS, H. N. Liberalização econômica e reestruturação produtiva: reflexos em Santa Catarina no limiar do novo século. In: ___________ (Orgs.). A socioeconomia catarinense: cenários e perspectivas no início do século XXI. Chapecó/SC: Argos, 2010, p. 109-155.

RAIS – Relação Anual de Informações Sociais. Programa de disseminação das estatísticas do trabalho, 2018. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2018.

MATTEI, L.; HEINEN, V. L. Análise da evolução do mercado formal de trabalho em Santa Catarina entre 2001 e 2016. Revista NECAT. v. 7, n. 13, jan/jun, 2018, p. 72-98.

PNADC/T – Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral/ Microdados [IBGE]. 2020. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2020.

RAIS – Relação Anual de Informações Sociais [MTE]. 2019. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2019.

SCR – Sistema de Contas Regionais [IBGE]. 2019. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2020.

SST/SC - Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação de Santa Catarina. Gênero e Trabalho em Santa Catarina: dados sobre trabalhadores e trabalhadoras no Estado Catarinense. SST/SC: Florianópolis, 2012.

Downloads

Publicado

2021-04-08

Edição

Seção

Artigos