A (Nova) Economia do Projetamento: o conceito e suas novas determinações na China de hoje

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2177-5230.2020v35n77p17

Palavras-chave:

China, Ignacio Rangel, Economia do Projetamento, Socialismo, Desenvolvimento econômico

Resumo

O objetivo deste artigo é o de lançar luz sobre as razões pelas quais o conceito elaborado por Ignacio Rangel de “Economia do Projetamento” guarda grandes possibilidades às pesquisas no campo do desenvolvimento econômico chinês. Para tanto buscamos reelaborar o conceito o enriquecendo com novas determinações e critérios de validação que o tornam à altura do alcance do fenômeno em curso na China. Questões como as possibilidades de superação da “incerteza keynesiana”, a planificação da “destruição criativa”, a soberania monetária e o “pacto tácito de adesão" serão abordadas e tomadas como categorias internas que sustentam, enquanto face empírica, o conceito de Nova Economia do Projetamento. Concluimos afirmando que a Nova Economia do Projetamento se constitui como estágio superior de desenvolvimento do modo de produção dominante à (nova) formação econômico-social que emergiu na China como resultado das reformas econômicas iniciadas em 1978.

Biografia do Autor

Elias Marco Khalil Jabbour, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

É Professor Adjunto da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (FCE-UERJ), do Programa de Pós-Graduação em Ciências Econômicas (PPGCE-FCE-UERJ) e do Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais (PPGRI-UERJ).

Alexis Toribio Dantas, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Atualmente é professor associado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Faculdade de Ciências Econômicas, Departamento de Evolução Econômica. 

Carlos José Espíndola, Universidade Federal de Santa Catarina

Atualmente é professor titular da Universidade Federal de Santa Catarina (Departamento de Geociências)

Júlio Vellozo, Universidade Presbiteriana Mackenzie

É professor da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, da graduação e programas de mestrado e doutorado da FADISP.

Referências

BURLAMAQUI, L. Finance, development and the Chinese entrepreneurial state: A Schumpeter-Keynes-Minsky approach. Brazilian Review of Political Economy, v. 4, n. 141, p. 728- 744, 2015.

CARVALHO, F. C. Keynes on Expectations, Uncertainty and Defensive Behavior. Brazilian Keynesian Review. v. 1, n.1, 2015.

CASTRO, M. H. “Elementos de economia do projetamento”. In, HOLANDA, F, M.; ALMADA, J. e PAULA, Z. A. Ignácio Rangel, decifrador do Brasil. São Luís: Edufma, 2014.

CHENG, S. Primitive Socialist Accumulation in China: An Alternative View on the Anomalies of Chinese “Capitalism”. Radical Review of Political Economics. May 2020.

CINTRA; SILVA FILHO (2015). “O Sistema Financeiro Chinês: A Grande Muralha”. In China em Transformação. Brasília: IPEA, 2015.

DEOS, S. Modern Money Theory: Rise in the International Scenario and Recent Debate in Brazil. No prelo, 2020.

DECCACHE, D. “Soberania monetária, regimes cambais e política econômica”. In, DALTO, F.; GERIONI, E.; OZZIMOLO, J.; DECCACHE, D.; CONCEIÇÃO, D. Teoria Monetária Moderna: a chave para uma economia a serviço das pessoas. Fortaleza: Remo Bastos, 2016.

GABRIELE, A. Enterprises, Industry and Innovation in the People's Republic of China - Questioning Socialism from Deng to the Trade and Tech War. Munchen: Springer, 2020.

HEGEL, G. W. Cursos de Estética. Vol. 3. São Paulo: Edusp, 1905 [2001].

HIRSCHMAN, Albert. The Strategy of Economic Development. New Haven: Yale University Press, 1958.

HIRSCHMAN, A. Exit, Voice, and Loyalty: Responses to Decline in Firms, Organizations, and States. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press, 1970.

INTERNATIONAL LABOUR ORGANIZATION. Global Wage Report 2018/19 - What lies behind gender pay gaps. Geneva: ILO, 2018.

JABBOUR, E.; DANTAS, A.; ESPÍNDOLA, C. “Considerações iniciais sobre a ‘Nova Economia do Projetamento’. Geosul. v. 35, n. 75, p. 17-42, 2020.

JABBOUR; DANTAS, A. “The political economy of reforms and the present Chinese Transition”. Brazilian Journal of Political Economy, v. 37, n. 4, p. 789-807, 2017.

JABBOUR E.; DANTAS, A. “Na China emerge uma Nova Formação Econômico-Socia”. Princípios, nº 154, p.70-86, 2018.

JABBOUR, E; & PAULA, L. F. Socialization of Investment and Institutional Changes in China: A Heterodoxy Approach. Forum for Social Economics, 2020.

JESPERSEN, J. Post-Keynesian economics: uncertainty, effective demand & (un)sustainable development. Paper presented at the AEH-conference, London, 9-12 July, 2009.

KALECKI, M. Political Aspects of Full Employment. Political Quaterly, 1943.

LARDY, N. The State Strikes Back: The End of Economic Reform in China? Washington: Peterson Institute for International Economics, 2018.

LIANG Y (2012) Development Finance, The Chinese Economy, v. 45, n.1, p. 8-27.

LO, D.; SHI, Y. China versus the US in the Pandemic Crisis: The State-People Nexus Confronting Systemic Challenges. SOAS Department of Economics. Working Paper No. 237, London: SOAS University of London, 2020.

LO, D. State-Owned Enterprises in Chinese Economic Transformation: Institutional Functionality and Credibility in Alternative Perspectives. Journal of Economic Issues, v. 54, n. 3, pp. 813- 83, 2020.

LOSURDO, D. O marxismo ocidental – como nasceu, cmo morreu, como pode renascer. São Paulo: Boitempo, 2018.

LOSURDO, D. Fuga da história – A revolução russa e chinesa vista de hoje. Rio de Janeiro: Revan, 2004.

MARX, K. Critica ao Programa de Gotha. São Paulo: Boitempo, [1871] 2012.

PINHEIRO-MACHADO, R. “Posfácio: rumo e depressão”. In, ANDERSON, P. Duas revoluções. São Paulo: Boitempo, 2018.

MAZZUCATO, M. O Estado Empreendedor: desmascarando o mitodo setor público x setor privado. São Paulo: Portfolio-Penguim, 2014.

NATIONAL BUREAU OF STATISTICS OF CHINA. China Statistical Yerarbook, 2019. Disponível em: http://www.stats.gov.cn/tjsj/ndsj/2019/indexeh.htm Acessado a 22/08/2020.

NAUGHTON, B.: Is China socialist? Journal of Economic Perspectives, v. 31, n. 1, p. 3-24, 2017.NOGUEIRA, I. Industrialização, Distribuição e Estratégia: Legados do maoísmo para a trajetória de desenvolvimento econômico da China. Carta Internacional, v. 14, n. 2, pp. 27-51, 2019.

NOGUEIRA, I.; GUIMARÃES, J.: BRAGA, J. Inequalities and capital accumulation in China. Brazilian Journal of Political Economy, v. 39, n. 3, p. 449-469, 2019.

NOGUEIRA, I; BACIL, F.; GUIMARÃES, J. A caminho de um estado de bem-estar social na China? Uma análise a partir dos sistemas de saúde e de educação. Economia e Sociedade. v. 29, n. 2 (69), p. 669-692, 2020.

PIKETTY, T; YANG, L.; ZUCMAN, G. Capital accumulation, private property and rising inequality in China. NBER Working Paper, n. 23368, Apr. 2017.

RANGEL, I. Prossegue a recuperação chinesa. Cadernos do Nosso Tempo. v. 1, n 1, p. 59-64, 1952.

RANGEL, I. “Desenvolvimento e Projeto”. In, RANGEL, I.: Obras Reunidas. Rio de Janeiro: Contraponto, [1956] 2005.

RANGEL, I. “Elementos de Economia do Projetamento”. In, RANGEL, I.: Obras Reunidas. Rio de Janeiro: Contraponto, [1959] 2005.

RANGEL, I. “Recursos ociosos e política econômica”. In, RANGEL, I.: Obras Reunidas. Rio de Janeiro: Contraponto, [1960] 2005.

RODRIK, D. China As Economic Bogeyman. The Asian Post. 10/07/2020. Disponível em: https://theaseanpost.com/article/china-economic-bogeyman Acessado a 20/07/2020.

SHAOGUANG, W. Toward Shared Prosperity: China’s New Leap Forward in Social Protection. Economic and Political Studies. v. 2, n, 1, p. 161-196, 2014.

SILVA, M. A. Domenico Losurdo, filósofo da história, geógrafo do anticolonialismo. Portal Grabois. 16/07/2018. Disponível em: http://www.grabois.org.br/portal/artigos/154501/2018-07-16/domenico-losurdo-filosofo-da-historia-geografo-do-anticolonialismo Acessado a 13/09/2020.

STOHS, M. H. 'Uncertainty' in Keynes' General Theory. History of Political Economy. v. 12, n. 3, p.372-382, 1980.

VERGNHANINI, R.; DE CONTI, B. Modern Monetary Theory: a criticism from the periphery. Brazilian Keynesian Review, v. 3, n 2, p. 16-31, 2018.

WORLD BANK. GDP per capita. World Development Indicators. Disponível em: https://data.worldbank.org/indicator/NY.GDP.PCAP.CD Acessado a 14/08/2020.

WORLD BANK. Domestic credit to private sector (%GDP). World Development Indicators. Disponível em: https://data.worldbank.org/indicator/FS.AST.PRVT.GD.ZS Acessado a 15/08/2020.

WRAY, L. R. Trabalho e moeda hoje: A chave para o pleno emprego e a estabilidade dos preços. Rio de Janeiro: UFRJ/ Contraponto, 2003.

WRAY, L. R. (2012) Modern Money Theory: A Primer on Macroeconomics for Sovereign Monetary Systems. London: Palgrave Macmillan, 2012.

ZHAN, S. The land question in in 21ST in China. Monthly.

Downloads

Publicado

2020-12-07