Novas configurações territoriais decorrentes da acumulação de capital no agronegócio de Mato Grosso: análise do município de Sorriso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2177-5230.2021.e79262

Palavras-chave:

Acumulação de capital, Agronegócio, Mato Grosso, Transformações territoriais

Resumo

O estado de Mato Grosso possui a soja como a principal atividade do setor agropecuário. Enquanto na safra 1997/98 o lucro médio atingido pelos produtores por saca de soja em Mato Grosso foi de R$2,39, na safra 2015/16 o lucro aumentou para R$31,30 por saca. Esse processo de ampliação da taxa de lucro tornou-se um importante fator que vem transformando a dinâmica econômica dos investimentos tanto endógenos quanto exógenos. O objetivo deste artigo é desvendar a capacidade de acumulação de capital do agronegócio de Mato Grosso e as configurações territoriais decorrentes dessa acumulação. Para alcançar o objetivo, utilizaram-se de quatro passos metodológicos: (1) levantamento de dados e levantamento bibliográfico; (2) trabalhos de campo e visitas técnicas; (3) organização e tratamento dos dados e informações coletadas; e (4) análise dos dados. Um dos principais resultados encontrados mostra que o capital acumulado no agronegócio da soja de Mato Grosso promove transformações territoriais tanto no próprio agronegócio quanto nas cidades.

Biografia do Autor

Eduardo von Dentz, UFFS

Doutorando em Geografia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Fernando Rodrigo Farias, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul

Possui graduação em geografia no grau de Bacharelado pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2005), e Licenciatura (2006) no Campus de Francisco Beltrão. Mestre em geografia pela UNIOESTE Campus de Francisco Beltrão (2010), através do tema de pesquisa: ?O PRONAF e o desenvolvimento da agricultura familiar do Município de Flor da Serra do Sul PR (1996 a 2009). Possui doutorado em Geografia pela Universidade Federal de Santa Catarina (2015) através do tema A dinâmica geoeconômica do cooperativismo agropecuário do Sul do Brasil. Atualmente atua como professor de Geografia da Universidade Federal do Mato grosso do Sul campus de Aquidauana/MS. Portanto, possui experiência na área de Geografia com ênfase em Geografia econômica, Geografia Agrária atuando nos seguintes temas principais: agroindústrias com ênfase em cooperativas; agronegócio, Geografia, Políticas públicas de crédito agrícola com ênfase no PRONAF, desenvolvimento rural e urbano, Agricultura familiar, competitividade.

Referências

BERNARDES, Júlia Adão. Novas fronteiras do capital no Cerrado: dinâmica e contradições da expansão do agronegócio na região Centro-Oeste, Brasil. Scripta Nova, v. xix, n. 507, p. 1-28, Barcelona: Universidad de Barcelona, 2015.

BIELSCHOWSKY, R. Estratégia de Desenvolvimento e as três frentes de expansão no Brasil: um desenho conceitual. In: Texto para Discussão. n. 1828, Brasília: IPEA. abr. 2013.

CONAB. Anuário da soja. 2016. Disponível em: https://www.conab.gov.br/. Acesso em: 20 nov. 2019.

CORRÊA. Roberto Lobato. O espaço urbano. 4. ed. São Paulo: Ática, 1999.

DINIZ, Bernardo Palhares Campolina. O grande Cerrado do Brasil Central: geopolítica e economia. 231f. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade de São Paulo. Programa de Pós-graduação em Geografia Humana, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, São Paulo, 2006.

ESPÍNDOLA, Carlos. J. Ciclo de crescimento da economia brasileira e desempenho do agronegócio catarinense. Geografia (Londrina), v. 25, p. 91-109, 2016.

FICI, Ricardo Petrillo. As ferrovias brasileiras e a expansão recente para o Centro-Oeste. 339f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade de São Paulo. Programa de Pós-graduação em Geografia Humana do Departamento de Geografia da Faculdade Filosofia, Letras e Ciências Humanas, São Paulo, 2007.

FREDERICO, Samuel. O Novo Tempo do Cerrado: Expansão dos Fronts Agrícolas e Controle do Sistema de Armazenamento de Grãos. São Paulo: AnnaBlume, 2008.

GUIMARÃES, E. N.; LEME, H. J. C. Caracterização histórica e configuração espacial da estrutura produtiva do Centro-Oeste. In: HOGAN, D. J. et al. (org.). Migração e ambiente no Centro-Oeste. Campinas: UNICAMP, 2002. 324p.

IBGE. Estimativas da agropecuária. 2016.

IBGE. Pesquisa Agrícola Municipal. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/. Acesso em: 30 nov. 2019.

IMEA. Instituto Mato-grossense de Economia Agrícola. Boletim anual. 2016.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política: Livro I: o processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo, 2014. 894 p.

REZENDE, Gervásio Castro de. Ocupação agrícola e estrutura agrária no Cerrado: o papel do preço da terra, recursos naturais e tecnologia. Rio de Janeiro: IPEA, Texto para Discussão, n. 913, out. 2002, 23p.

VON DENTZ, Eduardo. Dinâmica espacial da acumulação de capital do agronegócio: o caso do Mato Grosso. 2018. 201f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Francisco Beltrão, PR, 2018.

Downloads

Publicado

2021-12-13