Estudos do estranho: o fator da repetição

Autores

  • Julia Teitelroit Martins PUC-Rio/ Mestranda em Estudos de Literatura

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2011v16n1p207

Palavras-chave:

Estranho, Unheimliche, repetição, Guimarães Rosa

Resumo

Primeiramente, é apresentada uma releitura de O Estranho sob a luz do Além do princípio do prazer, dois textos de Freud escritos em um mesmo curto período de tempo, que parecem, à primeira vista, tocar-se apenas tangencialmente. Enfatiza-se o estranho enquanto retorno. Segue, então, uma análise de A terceira margem do rio, de Guimarães Rosa, sob a ótica da repetição diferencial. A repetição não deve ser entendida como reprodução, mas como um retorno do diferente – um paradoxo em termos, tanto quanto o estranho familiar.

Biografia do Autor

Julia Teitelroit Martins, PUC-Rio/ Mestranda em Estudos de Literatura

Nasceu em 1981, em São Paulo. Formada em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília (UnB), com intercâmbio de 1 ano na Universidade de Sophia, em Tóquio, Julia atua desde 2002 como montadora, diretora e roteirista de cinema e vídeo, no Rio de Janeiro. Atualmente, cursa Mestrado em Estudos de Literatura na PUC-Rio.

Downloads

Publicado

2011-06-30

Como Citar

MARTINS, J. T. Estudos do estranho: o fator da repetição. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 16, n. 1, p. 207-218, 2011. DOI: 10.5007/2175-7917.2011v16n1p207. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/2175-7917.2011v16n1p207. Acesso em: 1 dez. 2020.

Edição

Seção

Ensaios