A adaptação fílmica como procedimento de tradução intersemiótica: o caso "Budapeste"

Autores

  • Janaína Guedes Milanez Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2013v18n1p178

Palavras-chave:

Narratologia, Adaptação fílmica, Tradução intersemiótica

Resumo

O artigo analisa a adaptação fílmica de Walter Carvalho e Rita Buzzar para o romance Budapeste, de Chico Buarque, a partir dos estudos semióticos do teórico americano Charles Sanders Peirce. Para Peirce, os signos são sinais, qualquer coisa que assume o lugar de outra em qualquer situação, nesse sentido, situação de representação. Se o signo é representação, estabelecemos a partir dele um processo de tradução, isto é, colocamos um signo no lugar de outro, e nos relacionamos assim com a realidade através da linguagem. Uma questão importante, do ponto de vista teórico, é pensar em que medida as adaptações fílmicas, tradução da tradução, se relacionam com o texto literário. Para a leitura do objeto de estudo, sob a perspectiva da semiótica peirceana, contaremos com as três classes de signos da segunda tricotomia (ícone, índice e símbolo), observando sua funcionalidade para a análise, mas, sobretudo, a categoria do ícone peirceano, pela propriedade de significar pautada em relações de semelhança com o objeto. A hipótese levantada é a de que, nas narrativas estudadas (literária e fílmica), a metáfora do duplo ou do espelhamento pode ser autorreferente, num jogo labiríntico de digressões e interrupções do enredo, que visam à desconstrução da verossimilhança, por sua vez, icônica da própria problematização da matéria ficcional. A fim de explorar as categorias peirceanas em sua potencialidade analítica, discutiremos a adaptação fílmica como procedimento intersemiótico, buscando investigar a leitura que os cineastas fazem do romance, as pistas do processo de tradução e as implicações da tipologia peirciana para uma apreciação teórico-crítica do filme.

Biografia do Autor

Janaína Guedes Milanez, Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal da Paraíba

Doutoranda da área Linguagem e Cultura do Programa de Pós-Graduação em Letras da UFPB, com o trabalho "Budapeste ou a paródia da literatura", vinculado à linha de pesquisa O lugar da metáfora na Teoria Geral dos Signos.

Downloads

Publicado

2013-06-07

Como Citar

MILANEZ, J. G. A adaptação fílmica como procedimento de tradução intersemiótica: o caso "Budapeste". Anuário de Literatura, [S. l.], v. 18, n. 1, p. 178-189, 2013. DOI: 10.5007/2175-7917.2013v18n1p178. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/2175-7917.2013v18n1p178. Acesso em: 26 nov. 2020.

Edição

Seção

Literatura e Cinema